Mar 28, 2007

O coelho Leo


Na semana da Páscoa o tal do Coelho Leo virá até a escola do Eduardo e quem quiser poderá entregar suas chupetas e mamadeiras a ele.

Estou na maior dúvida porque com a Helena de chupeta na boca vai ser complicado convencer o Edu a entregar as dele para o coelho. E assim como quem não quer nada eu vou fazendo aquelas perguntinhas infames na tentativa de tornar esta entrega uma coisa legal e não tão traumática:

- Vc vai entregar a sua chupeta pro Coelho Leo?

- Não mamãe, ele já tem um monte de chupetas.

- Mas ele precisa de mais pra dar para os coelhinhos.

- Então eu vou entragar a minha e vc comprar uma nova depois, né?

- Ah não, se vc entregar depois não vai ter mais chupeta.

- Então quando eu ficar grande eu entrego a minha chupeta pra ele e depois ele me devolve.

Após um tempo:

- E a mamadeira? Vc vai entragar pro Coelho?

- Não mamãe, a minha está muito velha. É melhor entregar a da Helena.

- Mas a Helena é muito pequena pra entregar a mamadeira.

- Depois você compra outra pra ela.

Fácil não? É só comprar outra pra ela.

Já vi que o Coelho Leo não vai ganhar nada do Eduardo e se bobear a Helena é que vai parar de tomar mamadeira e chupar chupeta.

Quase uma confusão



Ontem o Edu teve como lição de casa encontrar figuras que começassem com a letra D. Não foi nada fácil porque não existe muita coisa.

Animais por exemplo: dromedário? dinossauro? dragão? Por coincidência encontrei em uma edição antiga da revista Veja um dragão enorme e "gripado". O difícil está convencer o Edu que dragões nao existem...


Frutas: damasco? onde eu ia encontrar uma foto de damasco? Ainda se estivéssemos perto do final do ano...

Então recortamos um belo sorriso pra mostras os Dentes e a mão de uma pessoa para mostrar os Dedos. Tinha uma foto super legal com a mão do presidente Lula, mas eu achei que ia causar uma certa confusão para as crianças a falta do dedinho e iria desviar a atenção deles pra outro assunto. O Edu adorou a brincadeira de recortar e colar.

Hoje quando chegamos na escola, assim que entrou na sala o Edu viu uma folha com um lindo dragão colado: isso mesmo, um dragão igual ao dele!

Ele não teve dúvidas: correu até a mesa gritando que era dele e já estava se formando a maior confusão quando eu entrei correndo e falei que o dele era igual mas que aquele era do amiguinho. Ele ficou meio confuso e então a assistente pegou a pasta dele e ele viu que os dois tinham a mesma figura.

Foi a maior alegria: os dois amigos super felizes porque os trabalhos estavam quase iguais.

Mas que coincidência!!! Então eu não sou a única que guarda revista velha pra usar em trabalho de escola!

Mar 25, 2007

Férias fora de época

Children PlayingQue maravilha!!! Aproveitamos a passagem do carnaval e do verão e tiramos 4 diazinhos pra descansar na praia. As crianças se divertiram muito e hj quando estávamos vindo embora o Edu não cansava de dizer que não queria voltar pra casa e sim ir na praia. Fiquei super chateada e morrendo de peninha dele.

Pra compensar prometi que ele poderia brincar com areia e agua aqui em casa. Nem bem soltei-o do cadeirão e ele já perguntou se tinha areia aqui pra ele brincar. Os dois fizeram a maior festa com a areia que eu tinha e eu ainda tive que lavar o quintal depois que a farra acabou. Mas pelo menos consegui consolá-lo um pouco.

Também prometemos que vamos repetir a dose com mais frequência.


Teria sido tudo perfeito se não tivessemos sofrido o ataque de um enxame de "abelhas" em plena areia da praia. Por sorte as crianças estavam na água e só eu fui picada por uma abelhuda e estou com a mão inchada até hj. Devido à reação alérgica, o barrigão está cheio de berebinhas também, mas nada grave. O que importa é que com as crianças nada aconteceu.

Mas este pequeno contratempo não foi suficiente pra estragar o passeio e pela reação do Edu no retorno estou convencida que foi tudo muito legal.





Mar 20, 2007

O tombo no ponto de ônibus

Doofus Eu sempre fui super desastrada. Quando adolescente parecia que meus braços e pernas tinham ganchos que saiam enroscando em tudo; a adolescência passou mas continuo meio desastrada.

Certa vez, quando ainda namorava com o Sergio e nenhum dos dois tinha carro, marcamos de nos encontrar no metrô. Eu fui toda arrumadinha com um jumper de lã todo justinho e curto e como estava muito frio coloquei duas meias finas: uma da cor da pele e preta por cima.

Nem me lembro onde fomos, mas no retorno ele me levou até a minha estação do metrô e eu fui sozinha para o ponto de ônibus. Quando sai do metrô vi meu ônibus no ponto e sai correndo para não perde-lo: em São Paulo, perder o ônibus num domingo é garantia de horas de espera por um outro ônibus.

Nesta correria desabalada, já bem pertinho do ponto eu pisei em falso e cai de quatro: ralei os dois joelhos que ficaram sangrando, desfiei as duas meias completamente e fiquei com as palmas das mãos arranhadas.

Naquele misto de vergonha e medo de perder o ônibus me levantei depressa e pensei: "agora entro no ônibus e ninguem vai nem perceber". Fui rapidinho até a porta do dito cujo e qual não foi minha surpresa quando vi que aquele na verdade não era o meu ônibus; era um ônibus de outro ponto parado alí só esperando o ponto dele desocupar.

Acho que nunca quis tanto um buraco no chão pra entrar dentro. Fiquei alí, parada, meia toda desfiada, joelho sangrando, palmas das mãos ardendo e todo mundo me olhando. As vezes passava uma alma caridosa e perguntava se eu precisava de ajuda ou se queria ir na farmácia fazer um curativo.

- Não, obrigada. Eu só queria um buraco pra me esconder enquanto espero o meu ônibus.





Menina de sorte

Baby With BearO Edu teve uma infecção no ouvido e ele precisa fazer um retorno com o medico. Esta semana estamos planejando viajar na quinta, o médico não atende de quarta e eu queria levar o edu antes de viajarmos.

Liguei no consultório pra ver se tinha um horario hj. Não: o médico não es ta atendendo hj porque esta em um congresso mas...

... abriu o dia de amanha pra atendimento por causa destes pacientes que ele nao atendeu ontem e hoje. Depois de chorar um pouco consegui um horário pra amanha e naquele horario que eu mais gosto: final da tarde para o Sergio poder ir e me ajudar com as crianças.

Isso é que eu chamo de sorte! Agora poderei viajar mais tranquila.





Mar 19, 2007

Você se lebra em que dia você se casou?

Depende!!! Na igreja eu sempre sei: dia 03 de março de 2001. Bobcat

Entretanto para o setor de vistos e imigração do Canadá não importa se vc tem uma religião e muito menos se a segue ou não. Assim sendo, para o processo de imigração eu me casei no dia 02 de março de 2001 e não no dia 03.

Agora adivinha se euzinha me lembrei deste pequeno detalhe quando preenchi o formulário!!!!???? E o meu conferente oficial de preenchimento de formulário simplificado!!!!???? Ninguem pensou nisto e lá se foi o nosso formulário com a data errada.

Eu só me dei conta do erro no cursinho do batizado da Helena em que tive que apresentar minha certidão de casamento. Depois, distraidamente olhando aquela folha de papel no meu colo eis que vejo nitidamente a data e só então me dei conta do erro.

Só espero que este pequeno equívoco não seja motivo para que o nosso visto seja aceito.







Batizado da Helena

Ontem foi o batizado da Helena. Fazia muito tempo que eu não entrava na igreja onde também fui batizada, crismada e me casei. Frequentei aquela igreja por muito tempo e apesar de andar meio descrente foi emocionante relembrar todas as coisas que vivi naquele lugar.

Pra Helena não foi muito interessante; primeiro porque durante a missa ela foi obrigada a ficar no colo, não pôde correr pelos corredores e teve que ficar quietinha. Depois, ela detestou aquele homem (o padre) que jogou água em sua cabeça e passou óleo em seu peito. Cada vez que o padre se aproximava ela já começava chorar.

Quando acordei de manhã pensei que seria um dia terrível: estava chovendo muito e não estava com cara de que a chuva ia parar. A missa ia começar as 10 e a igreja é perto da casa da minha mãe: ou seja, longe da minha casa. Estavamos com medo de pegar algum alagamento pelo caminho ou mesmo trânsito, mas o percurso foi muito tranquilo apesar da chuva que não parava. Estou até me sentindo culpada porque passei dias rezando pra chover: deu certo e não quer parar mais.

Para nossa grande surpresa, no final da cerimônia a chuva tinha parado, o céu estava limpo e até o sol apareceu. Foi ótimo porque tinhamos planejado um churrasco na casa dos meus pais e com chuva ia ser bem complicado. A tregua foi longa e muito bem vinda. No final do dia, ou melhor, inicio da noite, a chuva voltou e deu uma nova tregua na hora de irmos pra nossa casa. Só voltou a chover na hora em que fomos dormir (adoro dormir com chuva).

Enfim foi perfeito! Tudo deu certo.

Mar 16, 2007

Inicio do Processo

Imagino que algumas pessoas que lêm o blog fiquem sem saber o que é este tal processo e porque passaporte, pagamento de taxa e agora entrega do formulário são tão importantes.

Bem, tudo começou quando o Sergio foi convidado a trabalhar nos Estados Unidos por seis meses em 2005. Foi tudo muito corrido e já falei sobre isso aqui; mas o que interessa é que desde a primeira semana eu já falava que não queria vir embora. E minha opinião não mudou até o ultimo dia e voltei chorando pro Brasil.

De volta ao Brasil continuamos sonhando com uma maneira de sair daqui. Apesar de termos gostado muito da cidade de Atlanta, onde ficamos, percebemos que os EUA não tinahm interesse na nossa família e começamos procurar outras alternativas.

Quando a loteria do green card não pôde mais ser concorrida por brasileiros descartamos de vez o pensamento de ir para os EUA e nos concentramos nas outras possibilidades. Descobrimos que tanto o Canadá como a Austrália são países abertos a imigração. Estes dois países têm o que a gente procurava: qualidade de vida, segurança, organização, etc e com a grande vantagem de que ambos procuram pessoas como nós (eu e o Sergio).

A Austrália tem o grande atrativo do clima, mas ficamos desanimados com a distância. Não só do Brasil mas a Austrália também é longe de todos os países do hemisfério norte. Achei que seria um lugar muito isolado e não me entusiamei muito em ir pra lá. É bem verdade que hj isso não faz tanta diferença, mas acabamos dando preferência ao Canadá.

Muito antes de ir para os EUA o Sergio já vinha cultivando o sonho de passar um tempo fora do país e até ja havia me falado sobre o processo de imigração para o Canadá. Na verdade o Sergio já havia inclusive respondido o questionário do governos do Canadá pra ver se eramos elegíveis. E já naquela época nossa pontuação era boa. Mas acho que eu não estava preparada para uma aventura como esta e não me interessei muito. Acho que o amadurecimento teve que vir à força, com uma viagem "forçada" de 6 meses.

Quando me interessei pelo questionário, comecei a procurar coisas relacionadas com o Canadá e encontrei não sei bem como nem onde o blog
Rumo ao Sonho do Patrick e da Valéria. Li o blog inteirinho de uma tacada só e fiquei encantada com a idéia. A partir deste blog comecei a ler muitos outros que acompanho até hj e também pequisei o orkut. A comunidade "Maura, me ajuda" é fantástica e consegui valiosas informações lá e é claro: os sites oficiais pra não sair da realidade.

Pra ajudar quem tb está atras de informações e pra facilitar minhas buscas eu vou colocando aqui ao lado todos os sites que acho interessantes e importantes para todas as fases do processo.

E depois de quase um ano de pesquisas, estudos e sonhos, hj mandamos o nosso envelope para o Consulado. Assim como muita gente eu gostaria de ter ido pessoalmente até lá, mas hj o consulado fechava mais cedo e eu teria que ir de manhã e nao daria tempo de buscar o Edu na escola. Alem disso fiquei com pena de fazer a Helena enfrentar o trânsito da Marginal.

Para o Sergio era ainda pior porque alem de ser fora de mão ele ainda teria que sair em horario de trabalho e sem poder justificar sua saída com a verdade. Depois de muito conversarmos a respeito resolvemos dar um voto de confiança aos correios. Mandamos nosso precioso envelope com certificado de postagem, ou seja, o Consulado vai ter que assinar um papelzinho dizendo que recebeu e ainda dá pra ir rastreando pela internet onde o nosso envelope está. E nós ficaremos tranquilos que nao extraviou, afinal já é angustiante demais ter que esperar; ja pensou ficar esperando sem saber se chegou mesmo?

Agora é só começar a contar o nosso Time line e torcer pra que tudo dê certo no melhor tempo possivel (que não necessariamente é o mais curto)

Mar 15, 2007

Pagamento da taxa

Enfim conseguimos fazer o pagamento da taxa para o início do processo de imigração. Foi meio estressante porque o valor é alto e eles somente aceitam depósito em dinheiro. Não aceitam cheque administrativo nem TED. Só dinheiro.

E ficar andando com aquela quantia dá um pouco de medo. Eu coloquei tudo em um envelope e escondi no fundo de uma sacolinha e por cima coloquei mamadeira, fralda, lenço umedecido e uma troca de roupa pra Helena. Não precisa dizer que foi o maior sacrificio tirar o envelope da sacola mas imaginei que se fosse assaltada ninguem iria querer uma sacolinha com fralda e mamadeira. Mas no final foi tudo muito tranquilo.

Aproveitei que o Edu estava na escola e fui com a Helena até uma agência do antigo Bank Boston, atual Itaú Personnalitè e fiz o depósito. Sabe que na hora que entreguei o dinheiro ao caixa meus olhos se encheram de lágrimas e quando estava tudo certo, eu com o comprovante na mão comecei sentir uma falta de ar que tive que me sentar um pouco. O segurança do banco queria que eu tomasse agua e ficou todo preocupado. Mas eu queria mesmo era ir embora porque estava quase na hora de buscar o Edu.

Vale lembrar que não é qualquer agência do Personnalitè que aceita o depósito. Pelo menos por enquanto não existe integração entre as agências do banco Itau 341 com as do antigo Banco de Boston, que ainda são 479.

Agora, comprovante de depósito na mão, só falta conferir novamente o formulário e entrega-lo no Consulado. Amanhã, aproveitando o Edu na escola tentarei cumprir esta etapa também e começar... ai ai... esperar o tal envelope do Consulado.

Mas tudo bem, nos últimos 3 anos já passei 22 meses esperando, não vai ser 1 ano de espera que vai me matar; muito pelo contrário!

Mar 13, 2007

Desenhos e Animações

Eu sempre adorei desenhos animados. Na minha infância eu amava o pica-pau e os Flinstones; também gostava da corrida maluca, Lip & Hardy, Mister Magoo e muitos outros.

Mas os tempos mudaram, eu cresci e agora os desenhos são outros. Alguns dos antigos ainda persistem mas muita coisa nova apareceu. Com o Eduardo peguei o costume de assistir desenhos de novo e posso dizer que assisto mais programas infantis do que outros tipos de programas. E o meu gosto e do Edu são bem parecidos; não sei quem influencia quem. É claro que temos as nossas divergências e tem alguns que eu só posso assistir de manhã enquanto ele está na escola, pode?

Um dos meus prediletos são os
Backyardigans: esta animação se passa no quintal de 5 animais em idade pré-escolar e atraves de suas imaginações eles viajam para vários lugares e vivem várias aventuras que terminam quando sentem fome. O Edu não gostava muito porque acho que não entendia, mas ultimamente tem assistido com mais atenção.

Outro que eu adoro é
Jakers! As aventuras de Piggley Winks. Até o Sergio gosta desta animação que se passa em dois períodos diferentes. No período atual Piggley, um porco já idoso conta histórias para seus netos crianças. As histórias se passam quando Piggley era criança e morava na Irlanda; hj mora nos EUA. É muito legal e as histórias são muito interessantes.

Agora a minha paixão mesmo é o
Caillou. Este menino de 4 anos é uma graça. O desenho é super educativo e é apaixonante. O desenho fala do dia a dia do Caillou e de sua família: mãe, pai, a irmã Rose, seus avós e alguns amiguinhos e vizinhos. E claro, Gilbert, o gato. A partir de situações simples do cotidiano o desenho discute os sentimentos de uma crianças de 4 anos. Eu assisto este desenho desde que o Edu era muito pequeno e ele sempre gostou. E sabe que eu aprendi muitas coisas com este desenho???
Comecei a prestar mais atenção às coisas que o Edu fazia e agora ao que ele fala. Tentar me colocar no lugar dele nas diversas situações e muitas vezes copio o que a mãe do Caillou faz quando ele está mal humorado.

Como nem sempre concordamos, resolvi falar de um programa que o Edu adora e eu acho muito bobo:
LazyTown. Eu não consigo entender muito o bem que as crianças veêm neste programa, mas o fato é que além do Eduardo já conheci outras crianças que gostam.

Outro desenho que eu gosto bastante é Harry e o balde de dinossauros. este desenho também fala da imaginação infantil e Harry, o personagem principal, "viaja" para o Dinomundo sempre que precisa resolver alguma coisa que não consegue fazer na vida real. Acompanhado dos seus dinossauros, que imagino serem de plástico, ele vive várias experiências que o ajudam a lidar com as coisas que acontecem na realidade. Muito bom também.


Infelizmente, no Brasil, poucas pessoas têm acesso a canais por assinatura e não têm oportunidade de conhecer muitas coisas interessantes.


Felizmente algumas emissoras de TV aberta estão comprando o direito de transmissão de muitos destes desenhos. Eu sei que a Rede TV passa os Backyardgans e que a TV Cultura passava até um tempo atrás Harry e o balde de dinossauros e Jakers! As aventuras de Piggley Winks.


O Caillou há muito tempo passa na TV Cultura, eu só não sei se eles já compraram novos episódios. Apesar que criança pequena não se incomoda com repeteco. Logo logo vou fazer um post dedicado ao Bambi.

Mar 11, 2007

Educação antes dos 3 anos

A Revista Época desta semana saiu com uma reportagem sobre educação antes dos 3 anos de idade. Eu não li a reportagem inteira mas ainda assim vou dar a minha opinião.

Não sou nenhuma especialista em educação infantil e só posso falar do pouquinho que aprendi com a experiência de ser mãe, mas acho que quanto antes melhor. O Eduardo entrou na escolinha com 2 anos e 2 meses. Ele praticamente não falava nada e usava fraldas o dia todo. Mesmo não concordando com o método da escola, o desenvolvimento do Dudu foi inegável: em pouco tempo ele começou a falar várias palavras e frases, se interessou em tirar a fralda e aprendeu muitas coisas como cores, formas e algumas noções de quantidade.

É bem verdade que o método da escola acabou deixando-o inseguro quanto a desenhar, pintar e realizar algumas tarefas e em pouco tempo, também brincar com lapis de cor, massinha de modelar, rabiscar um papel se tornaram atividades que ele nao queria realizar e queria que eu fizesse no lugar dele. Este foi um dos motivos pelos quais eu o mudei de escola este ano, mas não posso tirar o mérito da escola anterior em muitas coisas e apesar das ressalvas acho muito importante as crianças irem pra escola o quanto antes.

Estou pensando em colocar a Helena na escola também aos 2 anos de idade e no caso dela tomarei mais cuidado com o método da escola.

Certa vez vi uma entrevista do Cristovam Buarque em que ele dizia que toda criança a partir de 4 anos deveria estar na escola. Ele também disse que se não tem carteira suficiente que a criança fique em pé porque é melhor em pé na escola do que na rua e que se criando a demanda as carteiras acabariam sendo compradas.

Students

Concordo com ele. Acho que toda criança a partir dos 4 anos deveria estar na escola. Mesmo com um sistema de ensino público calamitoso como é hj, ainda assim, acho que é melhor do que a rua ou ficar em casa sem estímulo nenhum.








Mar 7, 2007

Taxa para início do processo

Agora, que acreditamos que os nossos passaportes (meu e das crianças) estarão prontos a semana que vem, chegou a hora de nos preocuparmos com a próxima etapa.

O pagamento da taxa para início do processo tem que ser feito através de depósito bancário em dinheiro e nas agências do Banco de Boston. Como este banco foi comprado pelo Itaú, o depósito tem que ser feito em uma agência do Itaú Personnalitè.

Mas é claro que nem todas as agências do Personnalitè servem. O depósito tem que ser feito nas agências que antigamente eram do Banco de Boston. Ou seja, o número do banco não pode ser o 341, que é o do Itaú e sim o 479.

Pra encontrar uma agência onde possa ser feito o deposito é legal entar no site
http://www.itaubank.com.br/ e ver qual a agência mais conveniente para cada um.
Infelizmente o pagamento não pode ser feito nem por cheque administrativo nem através de TED, o que torna a tarefa um tanto quanto perigosa, ainda mais em São Paulo. Mas não tem jeito: teremos que correr este "pequeno" risco.

Mar 5, 2007

E por falar em passeio no parque...

SeesawEm geral quando vamos a algum parque aqui em São Paulo acabamos nos lembrando do parques que visitávamos em Atlanta (EUA). Em sua maioria estes parques eram super bem organizados, limpos e bem cuidados. Todos os parques em que fomos tinham áreas separadas para crianças menores de 3 ou 4 anos e crianças maiores. Nunca vi crianças grandes n0s brinquedos dos pequenos e nem marmanjões dando uma de criança.

As próprias crianças tomavam cuidado com tudo e chegamos ao cúmulo de visitar um parque onde os brinquedos que ficavam no tanque de areia eram do próprio parque. As crianças pegavam, brincavam o quanto queriam e os deixavam na areia quando iam embora. Uma coisa inacreditável.


Sem contar que o número de parques era imenso: em cada "esquina" tinha uma área verde com um playground - e sempre brinquedos em locais separados para os pequenos e as crianças maiores.

Próximo à cidade tinham muitos parques maiores, em geral pagos. Mas valia a pena: quase todos cobram um valor único por carro e só. Nunca tive problemas com banheiros sujos ou sem papel, sabonete e toalha pra secar a mão. Sempre tem uma área reservada pra fazer churrasco com mesinha e bancos e a churrasqueira, é claro. Tudo muito limpo e organizado: sem lixo no chão, nem sujeira de cachorro.

Uma outra coisa interessante, que pra muitos pode ser considerado ruim, é que nestes locais públicos é proibido o consumo de bebida alcoólica. Pra quem gosta é uma grande desvantagem mas pra nós era uma coisa ótima. Aliás o controle de bebida por lá era bem rigoroso e nos domingos por exemplo era proibido a venda de qualquer tipo de bebida alcoólica.
Se por um lado era tudo muito organizado e limpo, por outro tudo era muito prático tb. Em qualquer lugar se encontram cestos de lixo, por exemplo; assim não tem desculpa pra jogar lixo no chão.

E eu que sempre me achei meio brega por adorar passeios como zoológico, jardim botânico, pic nic no ibirapuera, me senti em casa em Atlanta. Em pleno inverno os parques estavam sempre cheios. Eu fico imaginando como não deve ser no verão.

Picnic

E ao contrário do que se possa imaginar não tinha nada de extraordinário nestes lugares. Tudo muito simples, de fácil manutenção, aproveitando a paisagem local. E claro, tudo com muita segurança.

Passeio de final de semana

Neste último final de semana fomos a um parquinho que tem aqui perto de casa. Eu fiquei muito decepcionada porque em menos de 1 ano ele se degradou bastante. O escorregador termina em um degrau de cimento, o balanço estava quebrado, enfim, estava um lixo. As crianças perderam o interesse rapidinho nos brinquedos.

Depois de andarem um pouco de bicicleta paramos pra descansar e então a brincadeira realmente começou. Peguei um galhinho seco e comecei escrever na terra. O Dudu adorou a ideia e começou tentar desenhar a "letra dele": o E. A Helena rapidinho achou um pauzinho tb e veio rabiscar o chão; e não demorou muito pra que outras duas crianças que estavam tentando se divertir nos brinquedos quebrados, se aproximassem como quem não quer nada e começassem a procurar um pauzinho tb.

Os 4 ficaram nesta brincadeira de desenhar no chão ou afastar folhinhas com o pauzinho por um tempão e só pararam porque chegou a hora de irmos embora ja que o sol estava muito quente.

Agora enquanto escrevo aqui, Dudu e Helena estão lá fora tirando as folhinha do meu pinheirinho de natal que secou e colocando no jardim (no meu enorme jardim de 1 metro quadrado). Não sei que graça tem mas eles estão se divertindo muito e sem brigas ou disputas.

E eu ainda gasto dinheiro com brinquedos! Smiley Hedge





Mar 3, 2007

Aniversário

Crying 1Hoje eu e o Sergio estamos completando 6 anos de casamento. Eu estava tão nervosa no dia que não sei dizer se estava um dia como hj ou não. Me lembro apenas que foi no final de semana após o carnaval, em plena quaresma (como hj) e todas as imagens da igreja estavam cobertas com aqueles panos roxos que eu detesto.

Um dia conto todas as confusões deste dia (e dos dias que o antecederam tb).

Mas hj infelizmente não estamos com muita cabeça pra comemoração. A Helena está com bronquiolite e vamos leva-la novamente ao pediatra pra ver se posso continuar o tratamento em casa ou se precisaremos leva-la ao hospital.

Estou super preocupada apesar dela estar super alegrinha e infernizando a vida do irmão o tempo todo. Quem olha esta carinha de anjo não imagina a peça. Ainda agora ia passando e deu um empurrão no Dudu que está quietinho assistindo desenho.

Apesar de toda essa animação pra travessuras ela está com a respiração ofegante, muita tosse e o nariz escorrendo.

Bem, agora só me resta esperar pra ver a opinião do médico (que por sinal viaja amanha: ai meu deus!). Espero que esteja tudo bem!







Mantendo o Português das crianças

- Mama, eu posso comer as sereias? - Acho melhor voce comer as cerejas!