Skip to main content

Preparando a chegada da Luisa




Sempre tive a preocupação de nunca deixar parecer que a chegada de um irmãozinho estivesse mudando alguma coisa pra pior na vida do mais velho. Por isso decidimos já comprar uma cama nova pra Helena para que ela não associe a chegada da Luisa com a perda do seu bercinho. Se bem que conhecendo-a ela não vai sentir falta nenhuma daquela jaulinha; quem vai sentir falta serei eu que acordarei de manhã e em algumas madrugadas com aquele rostinho lindo ao lado da minha cama.

No final de semana passado nós fomos comprar uma cama pra ela. Como só temos 1 quarto para os três (e não dá pra pensar em mudar de casa agora) ficamos na dúvida se devíamos comprar um beliche ou uma bicama. No final optamos pela bicama porque o Edu ainda é muito pequeno pra dormir no alto e a Helena também é pequena pra dormir em uma cama normal. Alem disso, o beliche se transformaria em um brinquedo muito interessante para os dois durante o dia. Assim, os dois ganharam camas novas com a chegada da irmã.

O Edu havia me pedido que a cama fosse verde. Até pensei em atender o seu pedido mas achei melhor ficar no branco mesmo e pra compensar comprei um kit pra cama na cor verde e talvez a gente pinte metade da parede de verdinho também e a faixinha que era azul (de quando o Dudu nasceu) vou mudar pra verde.

E este foi o grande gasto para a chegada da Luisa!!!

Quando me lembro de todas as despesas que tivemos com a chegada do Eduardo fico assustada. Além do berço e da cômoda (já tinhamos armario embutido no quarto), ainda tivemos que comprar banheira, bebê conforto, carrinho, sem contar todo o enxoval (roupas, fraldas, cobertor, chale, toalha de banho e mais um monte de coisas).

Um tempo depois foi a vez do cadeirão de refeição para o bebê começar a comer na mesa com a gente e depois a troca do bebê conforto pelo cadeirão do carro virado pra frente. As coisas mais caras nós ainda temos porque o Edu usou pouco e a Helena menos ainda. Está tudo novo. O bebê conforto que está um pouquinho mais usado (1 ano de uso com cada um) só vai precisar de um forro novo.

O legal do terceiro filho é que não tem mais novidades, principalmente no meu caso que ja tenho um casal. A gravidez fica muito mais tranquila assim, sem grandes surpresas ou dúvidas. É bem verdade que uma gravidez é totalmente diferente da outra e as crianças mesmo dentro da barriga já são diferentes, mas no geral tudo somente se repete e a mãe consegue curtir mais cada momento.

Eu estou tentando curtir bastante essa minha gestação já que queremos que seja a última. Cada fase fica com um gostinho de despedida mas não é necessariamente ruim porque me despedir dos enjoos foi uma alegria.

Outra vantagem do terceiro filho é que a gente já sabe que tipo de coisa realmente precisa, vai usar e onde comprar. Me lembro que no enxoval do Eduardo eu comprei um monte de coisas que usei pouco e algumas que nem cheguei a usar. As opções para bebês são infinitas e a gente encontra coisas lindas e irresistíveis. O problema é que muitas destas coisas não são práticas ou confortáveis e acabam ficando no fundo do armário sem utilidade.

Para a Luisa eu tenho muitas roupinhas de recem nascido. Tem alguns macacoeszinhos que o Eduardo usou somente na maternidade e acabou acontecendo o mesmo com a Helena. Tem um macacãozinho do Chico Bento que eu adoro mas é tão pequeno que só no dia que nascem meus filhos cabem nele. Foi a primeira roupinha que o Edu e a Helena vestiram e talvez eu coloque na Luisa também. É claro que não vou fazer disso uma coisa imutável porque a Luisa vai nascer no inverno e não vou fazer a coitadinha passar frio por causa de uma superstição. Mas se for possível vou colocar sim porque o acho lindo e sei que ela vai perdê-lo logo!

É claro que não vou deixar meu bebezinho somente com coisas usadas mas para os primeiros dias preciso de poucas coisas. Precisarei de roupas simples e confortáveis pra ficar em casa ja que meu pediatra é meio chato com passeios. Nos primeiros dois meses ele prefere que a criança fique em casa, no máximo um passeio na casa dos avós mas sem muito colo e todo mundo lavando as mãos antes de pegar no bebê. A minha chatice é quanto a beijos. Não gosto que fiquem beijando criança pequena e menos ainda que beijem as mãos. As pessoas para não chegar perto do rosto da criança beijam as mãos que é exatamente o que a criança vai levar à boca. Prefiro um beijinho na testa; acho mais seguro.

Continuando com os cuidados médicos, o bebê só pode começar a frequentar lugares fechados a partir de 4 meses. Então shopping, restaurantes ou qualquer outro lugar fechado, principalmente com ar condicionado ficam proibidos. O Sergio como um bom engenheiro leva essas regras tão a serio que chega a marcar no calendário a partir de que dia o shopping estará liberado.

Muita gente considera isso um exagero mas eu confio tanto no pediatra e as razões sempre fizeram sentido que acabo seguindo; não tão a risca como o Sergio, mas sigo.



Pra completar o enxoval dela preciso fazer um levantamento do que ja tenho. Com certeza comprarei toalha de banho porque não gosto de passar de um para o outro e vou precisar de roupa de inverno tamanho P (não compro quase nada tamanho RN porque se perde muito rápido). Sempre acabo comprando umas coisas a mais pois como já disse: é irresistível! Mas não será nada que pese no bolso.



Agora só temos que esperar a caminha nova das crianças chegar pra levantar o berço, preparar a malinha da maternidade e curtir o final da gravidez!