Skip to main content

Simpatias, crendices e outras coisas mais

Não sei se é por ser um pouco desconfiada que simpatias e crendices não costumam funcionar muito comigo. Quando estava grávida do Eduardo fizeram várias simpatias comigo pra saber o sexo da criança e se eu fosse um pouco mais crente, antes mesmo da ultrassonografia teria decorado o quarto dele de rosa. Por sorte só comecei a fazer o enxoval depois que vi no video a comprovação absoluta de que era um menino. No final da gravidez, quando começaram as azias, sempre aparecia alguem pra dizer que quando a gestante tem muita azia é porque o bebê tem muito cabelo. No dia do parto me preparei pra receber um sósia do Toni Ramos, mas recebi na verdade uma coisinha linda, branquinha e careca (não que o Toni Ramos seja feio).

Na gravidez da Helena acho que as pessoas ficaram com medo de errar de novo e não teve simpatia nenhuma, mas muita gente apostava em um menino por causa do formato da barriga e porque eu não tinha engordado muito. Ninguem levou em consideração que sempre fui super magrinha e que não engordei na primeira gravidez por obra da natureza e não porque a criança era do sexo masculino. Na fase da azia, pelo menos, todo mundo acertou porque a Helena nasceu com muito cabelo.

Nesta minha atual gravidez novamente eu não estou engordando muito. Apesar do meu peso ter aumentado em 10 quilos, a barriga é o único sinal de que estou grávida; o resto continua esquelético como sempre. Já dá pra imaginar que todos os "experts" em barriga de gestante apostam que terei um menino. Esses dias no supermercado, até me assustei, quando um homem já na faixa de uns 50 anos, me parou de repente e disse com sotaque espanhol: " seu bebê é um menino?" e ficou todo decepcionado quando eu disse que não. Como já estou "experiente" e um pouco cansada de certos comentários não reclamo mais da azia pra qualquer um.

Uma coisa que é super engraçada na gravidez é o soluço do feto. O Edu nunca teve e eu até achava meio estranho quando as pessoas me perguntavam a respeito. Eu ficava pensando como a gestante perceberia que o feto estaria com soluço, até que na gravidez da Helena entendi muito bem do que se tratava. Era muito comum ela ficar soluçando um tempão e não tem como não identificar quando acontece. A Luisa soluça bem menos, na verdade hoje foi a segunda vez que eu senti e o legal é que quem coloca a mão na barriga consegue perceber também.

O término da gestação nao significa, entretanto o término das crendices e simpatias:

- Pra curar o soluço do bebê tem que colocar uns fiapos de linha da roupa da criança molhados em saliva na testa dela.

- Após o parto o ideal é comer canja de galinha e comidas leves (depois de ter ficado sem comer quase 10 horas esperando o Edu resolver nascer a maternidade me oferece como jantar uma tijelinha minúscula de canja de galinha. Até o médico ficou com pena e liberou um lanche do Mc Donald's que eu devorei sob os olhares horrorizados da sogrinha e da mamãe).

- Nos 40 dias da dieta não pode lavar o cabelo, nem andar descalça ou de chinelo de dedo, nem tomar friagem (levei a maior bronca porque 15 dias após o parto estava eu na rua de cabelo molhado e com um chinelinho. E a senhora ainda falou na frente do Sergio que ele não se incomodaria de fazer um sacrificio se eu não lavasse o cabelo por 1 mês. Ele até poderia aguentar mas eu não me aguentaria).

- Pra aumentar o leite nada melhor do que canjica. (ainda bem que eu gosto).

- Se a criança está bocejando ou chorando demais é sinal que alguem colocou "quebranto", tem que benzer urgente. (e sempre aparece alguem que conhece uma senhora que benze que é uma beleza).

E por ai vai...

Algumas coisas eu ouço, sorrio e esqueço; outras eu até faço pra ser educada e/ou gentil, mas o que funciona mesmo é a velinha que eu acendo antes de ir pra maternidade pedindo que o menino Jesus nos proteja. Quando por algum motivo não consigo acender minha velinha, ligo pra minha mãe para que ela acenda uma pra mim: isso sim funciona!