Skip to main content

Íntimo e constrangedor

Esta semana tive que fazer um exame super chato. É uma coleta de secreção vaginal para verificar a presença de uma bactéria (streptococos agalatiae) que pode causar infecções graves em neonatos. O exame em si já é super constrangedor mas o Laboratório Delboni conseguiu torná-lo insquecível.


Toda mulher deveria estar acostumada com este tipo de exame já que o exame ginecológico deveria ser uma rotina, pelo menos anual na vida de toda mulher, mas nós sabemos que a maioria não tem este costume e passando por uma situação como a que eu passei com certeza elas ficarão ainda mais desestimuladas a fazer.


Cheguei no laboratório e o atendimento foi rápido e fui muito bem tratada. Incluindo a funcionária que realizou a coleta. Ela foi muito gentil mas estava mal treinada. Primeiro que entrei na sala e já fui orientada a me despir. Ela não saiu da sala, ficou me olhando enquanto eu tirava a roupa e não me fornceu nenhum avental ou lençol pra me cobrir. Sem contar que só havia uma cadeira pra me apoiar enquanto eu me despia. Agora pense bem: dá pra sentar, sem roupa íntima em uma cadeira de um laboratório de diagnóstico e ainda na sala de coleta de secreções? Quem se sentou naquela cadeira antes de mim? Qual (ais) a(s) doença(s) que esta pessoa tinha? Pensando nestas coisas eu vi que teria que me despir em pé e com a funcionária me assistindo.


Depois de muito desequilíbrio e de ter que colocar a minha roupa sobre aquela cadeira, a moça super gentil mandou que eu subisse na mesa. Agora imagine: vc (homem ou mulher), sem sua roupa íntima, subindo dois degraus de uma escadinha pra se sentar em uma mesinha estreita e ainda tendo que colocar as suas pernas abertas em um suporte mais alto que o seu corpo e com uma funcionária ali, te olhando. Eu nunca tinha passado por uma situação tão constrangedora, sem contar que com meu barrigão eu estava desequilibrada, sem mobilidade nenhuma, sem força pra levantar a perna, tive que me sentar bem na beirada... uma coisa horrorosa!!!


A coleta foi então realizada e quando terminou fui "orientada" a descer da mesinha e me vestir. Detalhe: a funcionária só me ajudou porque pedi e continuou ali o tempo todo me olhando, assistindo o meu desequilíbrio e dificuldade pra me vestir. Com certeza ficou pensando na minha "burrice" de não ter me sentado na cadeira que estava alí a minha disposição.


Eu tenho certeza absoluta que a funcionária não teve a menor intensão de me constranger e acredito que pensou estar fazendo o melhor no seu trabalho, mas fiquei muito chateada com aquela situação toda e com a exposição da minha fragilidade já que tenho uma barrigona pesada mudando o meu eixo de equilíbrio. Sem contar a total falta de privacidade.

Em pensar que tudo poderia ter sido simplificado e menos constrangedor se a funcionária pelo menos tivesse saído da sala enquanto eu me despia/ vestia; se a funcionária tivesse me fornecido um aventou ou lençol, se houvesse um lugar forrado com papel descartável pra eu me sentar enquanto me trocava ou pelo menos papel para eu forrar aquela cadeira. Nem vou exigir um saquinho pra colocar a minha roupa íntima. O exame em si já é constrangedor o suficiente.

E fico imaginando quantas mulheres, por terem passado por situações semelhantes em consultórios médicos e hospitais, não acabam sendo desestimuladas a fazerem exames ginecológicos mesmo quando detectam algum problema.

Pra completar mandei um e-mail para o laboratório questionando o procedimento e dizendo o que esperava do exame e recebi como resposta que eles entrarão em contato com a unidade para saber o que aconteceu. Eu só espero que eles tenham a sensibilidade de perceber que o problema não foi da funcionária e sim do treinamento que ela certamente não recebeu. Meu medo é que eles resolvam o problema demitindo a moça.