Skip to main content

Posts

Showing posts from September, 2007

A mãe do Batman

Não sei se é assim em todo lugar mas a escola do Edu se transforma em Hollywood às sextas-feiras. Todos os alunos podem levar um brinquedo e podem ir de fantasia. Quando chego pra entregar o Edu encontro com o Batman, o Super Homem, o Homem Aranha e todas as Princesas dos contos de fadas.

O Edu, que só assiste Discovery kids e TV Cultura sempre acreditou que o maior super herói do mundo era o Sportakus, aquele que pratica esportes, come cenoura e maçã o dia inteiro, resolve os problemas de Lazy Town sem dar um único tapa e termina dançando com a menina cor de rosa.
E toda sexta feira o Edu chega em casa dizendo que é o Homem Aranha ou o Batman e ao invés de frutas e ginástica ele treina socos e pontapés. Eu fico me questionando se é justo privá-lo desta fantasia só porque eu acho feio, eu acho bobo, eu não gosto.
Depois de conversar com minha irmã a respeito resolvi acabar com o radicalismo e tomar uma posição intermediária. Acho realmente muito feia aquela "cueca por cima da mei…

Chupar o dedo???? Nunca!

Eu não gosto muito de radicalismos e de dizer que jamais farei isso ou aquilo. Pra tudo existe um momento, uma circunstância, UM PREÇO, e como as coisas mudam e a gente muda também, dizer nunca é correr o risco de ter que voltar atrás. Eu vejo nos blogs de mães que costumo ler muitas afirmações radicais, vias de mão única, sem nenhuma brecha pra negociar; verdades absolutas que só o tempo nos mostra que não existem. O que é bom pra uns não necessariamente é bom para os outros e nem sempre o que eu, a mãe, acho que será bom para os meus filhos, vai mesmo trazer felicidade a eles.

Quando o Eduardo nasceu, eu decretei desde os primeiros dias de vida que não deixaria que ele se viciasse em chupeta, dedo, paninho sujo ou qualquer outro apetrecho utilizado, em geral, pra criança dormir mas que acaba gerando uma certa dependência e um sofrimento futuro pra se livrar deles.

Ah, quantas ilusões eu perdi depois que meu primeiro filho nasceu. Aprendi desde os primeiros dias que muitas coisas eu p…

Compras pela internet

Com três crianças em casa e impossibilitada de sair sozinha pra fazer compras tenho usado e abusado da internet. Por enquanto tive sucesso em tudo o que comprei e nem mesmo me decepcionei com o produto comprado. Esta semana porem acho que estava meio distraída e acabei cometendo algumas confusões.

Primeiro, resolvi comprar uma bombinha pra tirar leite. Depois de pesquisar em vários sites e vários produtos diferentes acabei comprando em um site chamado
Loja do Bebê. Sem fazer nenhuma verificação mais profunda, simplesmente entrei no link comprar e fiz toda a transação. Tudo bem que o pagamento foi feito em site seguro, mas eu não tinha nenhuma garantia de que o produto seria entregue: não recebi nenhum e-mail de confirmação nem número de protocolo, no site não tinha nenhum endereço ou telefone, enfim, nenhum garantia de nada. O Sergio já estava pensando na possibilidade de tentar cancelar o pagamento ou dar tudo por perdido. Nem sei muito bem como acabei encontrando o nome de uma pessoa…

Confusões da mãe-zumbi

Ter um bebê recem nascido em casa é uma delícia. A cada dia novas descobertas, novos aprendizados, os laços entre mãe e filha se estreitando e todo mundo tentando te convencer que aquele sorriso largo que ela dá quando vc fala com ela é apenas um reflexo (tudo bem, o que importa é que nós duas sabemos que não é). O problema é que junto com o bebê vem o cansaço, as noites mal dormidas e as confusões.
Não é raro eu acordar de madrugada achando que a Luísa está na minha cama e que o Sergio está deitado em cima dela. Ou levantar correndo de madrugada porque ela está perdendo o fôlego e encontrá-la no maior sono tranquilo em seu berço.
Depois de mais uma noite mal dormida, estava colocando a minha infinita roupa suja na máquina de lavar quando encontrei no meio da montanha uma fralda suja da Luísa. A princípio não me preocupei porque a fralda estava embrulhadinha e não provocou nenhum acidente mais sério com a roupa suja.
Então comecei pensar que em uma madrugada qualquer, Luísa chorando que…

Espertinho...

O Edu tem um trenzinho que come pilha. É claro que ele não economiza também e se eu não controlar um pouco vai uma pilha por dia. A pilha desta semana acabou e ele ficou me enchendo o saco pra trocar mas eu me fiz de durona e disse que não.

Tudo bem, ele resolveu o problema sozinho: chegou todo contente me mostrando a pilha que ele tinha encontrado e que o trem estava andando novamente.

- Onde vc encontrou esta pilha?

- Estava ali, mamãe.

- Onde?

- No controle remoto da televisão.

O pior não foi isso. O pior foi ele ter colocado a pilha gasta no lugar da outra. Está feito o estrago; quando ele precisar de pilha pra algum brinquedo lá se vão as pilhas do controle remoto. E eu ainda vou reclamar que o controle esta gastando muita pilha.

Baixa estima

Me corrijam se eu estiver errada, mas a expressão baixa estima não existe. A menos que seja uma licença gramatical, se é que licença gramatical existe também.

Faz algumas semanas eu estava assistindo ao programa da Marilia Gabriela e ela entrevistava uma senhora que falava de pensamento positivo e afins. As duas repetiram várias vezes a frase: pessoa com baixa estima e eu já estava quase achando que era correto.

Mas pensando bem: auto estima está relacionado com a estima que se tem por si, não necessariamente uma grande estima. E o contrário de auto não é baixo.

Se existe baixa estima, também deve existir alto estima (aqui com L pra dar a idéia de tamanho); neste caso fica gramaticalmente incorreto porque alto é masculino e estima é feminino. O correto seria: alta estima.

Mas também, quem manda o idioma ter duas palavras com a mesma pronúncia e significados tão diferentes. Só poderia dar confusão. É o mesmo que acontece com mau e mal.

Neste caso específico o significado é o mesmo não fa…

Toda preguiça será castigada

Já faz um tempão que estou em dúvida se mudo ou não o meu blog para o modelo novo. Apesar da vantagem de terem facilitado para se fazer alterações no blog eu ficava com preguiça porque (não sei o porquê) sempre perdia a lista de blogs que tenho (ou tinha). O unico que continuava era o da Carla.

Hoje, eu resolvi fazer mais um teste e decidir se mudaria ou não e não é que entrei no lugar errado e consegui perder não só a lista de blogs mas também todos os outros links que eu tinha??? Aiii que ódio!!!!!

Estou aqui inconformada.

Mas já disse que sou uma Pollyanna convicta e estou vendo o lado bom de tudo isso. Comecei as minhas pesquisas sobre o Canadá, descobri alguns blogs, fui encontrando links interessantes, resolvi montar o meu proprio blog e descobri na raça como colocar os links nele. Quando tudo foi ficando mais ou menos pronto fui me distraindo e acho que esta na hora de reler algumas coisas, entrar novemente em alguns sites pra ver se nada mudou, se aquelas informações que eu tinha…

Mamãe Zumbi

Com esta história de acordar de madrugada toda noite pra amamentar a Luísa e depois levantar cedo para mandar o Eduardo pra escola eu ando só o pó. Sinto sono nos horários mais inexperados bagunçando totalmente o meu ciclo de sono-vigília.

Ontem por exemplo, fomos dormir depois da meia noite porque a Helena estava com a corda toda. A Luísa acordou as 3:15 da manhã pra mamar e eu estava um verdadeiro zumbi no sofá. Só que com todo o ritual de amamentação (troca fralda, troca de peito, faz arrotar...) eu acabei despertando e me distrai assistindo o Saia Justa (sim!!!! as 4 horas da manhã). Voltei pra cama quase 5 e as 6:30 tive que levantar de novo pra preparar o Edu pra ir para a escola. Levantei as 6:30 porque o Sergio foi legal comigo, mas o horário ideal pra fazer tudo com calma é as 6:00.

Eu poderia passar esta tarefa matinal para o Sergio mas o Edu já fica chateado que não o tenho levado pra escola, então pra compensar eu sempre preparo e seu lanche, dou mamadeira e o troco.

Quando…

A manicure

A maioria das brasileiras que moram fora do país reclamam da falta de "criadagem" em casa e do custo dos serviços. No meio destas reclamações sempre fazem menção às manicures: muito caras ou serviço de má qualidade.

Eu pra ser sincera não tenho nenhuma experiência com estas profissionais porque nunca fui a uma. Sempre fiz minhas unhas sozinha. É bem verdade que minhas unhas não são modelo pra propaganda de creme para mãos, mas dá pro gasto. Até me divirto com o alicatinho e a lixa e se resolvo que quero passar um esmalte mais escuro peço pra alguem me ajudar. O lado bom dessa história é que nunca passei pela experiência de perder "bifes" nas mãos de uma manicure sádica.

Alem das minhas próprias unhas (pés e mãos), eu ainda tenho um cliente exclusivo que sempre frequenta o meu salão pra cortar as unhas: meu maridinho. Quando era solteiro sempre cortou as unhas com uma tesourinha mas depois do casamento, a tesoutinha ficou na casa dos pais dele e com esta desculpa ele …

Meio ambiente ou sanidade mental

Há algum tempo atrás, li em um blog sobre uma campanha para o uso de fraldas de pano ao invés das indestrutíveis fraldas descartáveis. Tudo bem que a autora da campanha tem apenas uma filha e já com 4 anos, ou seja, não usa mais fraldas.


A campanha seria até interessante se não acarretasse outros problemas talvez até maiores do que a poluição das fraldas.


Eu fico me imaginando usando fraldas de pano. Tenho três filhos. O Eduardo, graças a deus não usa mais fraldas durante o dia porem ainda escapam alguns xixizinhos durante a noite e com a chegada da Luísa eu achei melhor manter a fralda noturna para evitar acidentes no colchão. Se eu usasse fraldas de pano teria pelo menos 1 fralda a mais todo dia pra ser lavada junto com toda a roupa (de pano) que já lavo.


A Helena ainda usa fraldas constantemente, e sem contar as fraldas que vazam ou quando ela suja a fralda assim que a troco, gasto em media 6 ou 7 fraldas por dia.


Mas a grande campeã hoje é a Luísa. A cada mamada eu troco uma fralda…

O cuzcuz da Dona Ditinha

Ai que saudades que tenho

da aurora da minha vida

da minha infância querida

que os anos não trazem mais

Estava aqui preparando o jantar e me lembrando da minha infância. Toda vez que faço cuzcuz fico me lembrando do delicioso cuzcuz da Dona Ditinha. Ela era uma senhora que se mudou para a nossa rua muito antes dos meus pais irem morar lá em 1968. Eu só nasci em 1971, então posso dizer que ela fez parte de toda minha infância. A Dona Ditinha era uma senhora do interior de São Paulo que vivia no muro da sua casa e sempre sabia tudo o que acontecia no bairro. Não costumava frequentar as outras casas e não me lembro dela ter comido qualquer coisa na minha casa nas raras vezes que foi lá. Conhecia todo mundo e conversava com todos mas sempre no muro da sua casa.Mas sempre tinha festa nas reuniões familiares que fazia em sua casa onde se reuniam seus 7 filhos, noras, genros, netos, amigos e os vizinhos mais antigos da rua como meus pais. Todo ano ela fazia uma fogueira no seu quintal no mês de…

Fanatismo

Eu sou Palmeirense. Bem, nem sei se posso dizer que sou mesmo paumeirense porque não tenho acompanhado nada de futebol e ando sem paciência de ver um monte de pernas de pau correndo atrás de uma bola. Prefiro jogos de seleções. Talvez se um dia o Palmeiras voltar a ser o verdão pode ser que eu volte a assistir os jogos.

Sou palmeirense porque meu pai sempre foi e consequentemente todo mundo lá em casa também é. Até minha mãe que era corinthiana quando se casou, depois de um tempo acabou se convertendo e hj é a mais fanática.

Temos uma vizinha de 93 anos, descendente de italianos, que não só é palmeirense fanática como nasceu do dia da fundação do clube. Dia, mês e ano diga-se de passagem: 30/08/1914.

Não preciso dizer que domingo é dia das duas sentarem ao lado do radinho de pilha pra ouvir o jogo do parmera (isso quando não é televisionado) e as duas ficam concentradíssimas na partida e comentando o desempenho dos jogadores, juiz, treinador, dirigentes...

Ao invés de passarem a tarde de…