Skip to main content

Posts

Showing posts from October, 2007

A lâmpada que queimou

Aceitei o convite daCarla pra escrever sobre histórias horripilantes que nos contaram na infância. Eu sempre fui muito medrosa mas adorava filmes e histórias de terror. Tudo bem que à noite minha irmã tinha que ficar segurando minha mão até eu dormir; isso quando eu não ia pra cama dela porque estava com muito medo.
A história que me lembrei aconteceu comigo quando tinha mais ou menos uns 12 anos. Na rua onde eu morava, éramos em 6 meninas de mais ou menos da mesma idade. Como a rua era sem saída, sem movimento e muito segura nossos pais permitiam que brincássemos até mais tarde e muita vezes chegamos a ficar até as 22 horas brincando na rua.

Certa vez estávamos brincando no quintal de uma delas e o ambiente era bem propício pra se sentir medo: a casa ficava no fundo do terreno e havia um imenso jardim na frente, a rua não era iluminada naquela época e a única iluminação era da varanda da casa dela. Depois de varias brincadeiras resolvemos brincar de casinha. Mas era uma casinha bem …

Quando descobrimos que nosso ídolo usa máscara

Quem nunca sonhou em ter aquela capa da invisibilidade do Harry Poter pra se esconder de vez em quando? Ou sair voando como o Super Homem quando está preso no trânsito? Ter aquelas teias do Homem Aranha para algumas situações... no fundo, todo mundo gostaria de ser um super herói e ter um poderzinho qualquer pra resolver aquele probleminha desagradável.

Pois com as crianças estas sensações também acontecem e estou pra dizer que ainda com mais frequência do que com adultos. Como eles se apaixonam por aqueles personagens super poderosos que resolvem todos os problemas da humanidade e são adorados por todas as pessoas boas.

Depois do Sportakus (Lazy Town), o Eduardo ficou fanático pelo Batman e pelo Homem Aranha, mesmo nunca tendo visto os filmes, nem assistido so desenhos, mesmo sem eu ter citado a existência destes dois. Ele falava tanto, ficava tão encantado que acabei, como já contei
aqui, me rendendo a ele e comprando uma máscara e uma camiseta do Batman.

O problema é que a imaginação …

Vocabulário das crianças

A violência traz consigo um vocabulário todo específico e de tanto ver gravações de convesas entre bandidos e entrevistas com delegados, policiais, advogados e outros profissionais da área, a gente começa usar termos como "meliante", "delito", "cliente", "suspeito" e por ai vai... Por mais que vc tente manter seus filhos tranquilos e sonegue a eles boa parte das notícias, sempre alguma coisa escapa.

Ontem o Eduardo estava brincando de mamãe e filhinho com a Helena. É interessante que ela sempre é a mamãe e ele o filhinho, mas quem decide tudo é ele.

Então os dois estavam arrumando a "casinha" e ele disse:

_ Não mamãe, não pode sair na rua porque os criminosos vão te pegar.

Criminosos!!!!????? E eu que achava que não passava pra eles os medos que eu tenho. E eu que digo que não pode sair na rua só porque passa carro.

Festa de Halloween no Brasil

yih Amanha será a festa de Halloween na escola do Edu. Ele vai fantasiado de caveira apesar de não saber muito bem o que é uma caveira, risos. Mas acho que vai ser legal pra ele porque a professora de inglês vai trabalhar esta parte da tradição do Halloween.

Algumas escolas estão substituindo esta festa pela festa do Saci Pererê; o argumento é de que o Halloween é uma comemoração americana e então querem incentivar um conhecimento maior das nossas tradições, o nosso folclore.

Não sei como estão as coisas nas escolas hoje em dia e meus filhos ainda não estão nesta fase mas me lembro que quando era criança comemorávamos o dia do folclore e aprendíamos muitas coisas sobre o saci, sereia, mula sem cabeça entre outros. Fazíamos trabalhos em grupo ou individuais que valiam até nota e era bem interessane. E eu estudava em colégio estadual.

Na verdade, ainda não tenho uma opinião formada com respeito ao Halloween. No caso do Eduardo eu achei interessante porque existe o contexto da aula de ingl…

O casamento que quase não aconteceu

O dia do meu casamento não podia ser um dia normal na minha vida. Alem de ser o dia do meu casamento, o que já é complicado por si só, ainda tivemos fortes emoções externas.

Eu e o Sergio começamos a discutir os detalhes do nosso casamento já nos primeiros dias de namoro. Queríamos nos casar após dois anos de namoro e esperar mais uns dois anos pra ter o primeiro filho. Logo em seguida já queríamos mais duas crianças e fechar a "fabrica". Queríamos um casamento bem simples e sem festa porque a família do Sergio é muito "tímida" e queríamos substituir a festa por uma viagem bem legal. Acho que mesmo planejando tudo não tinhamos noção de como nossos planos iriam se realizar com tanta precisão.


Mas voltando ao casamento: após 2 anos de namoro fomos até a igreja que eu frequentava e perguntamos ao padre qual a data mais próxima para podermos nos casar. Isto foi feito mais ou menos em novembro e marcamos o casamento para março do ano seguinte porque a igreja precisa ace…

Por que ela fala por que?????

Por que você é Flamengo
E meu pai Botafogo?
O que significa
"Impávido colosso"?
Por que os ossos doem
enquanto a gente dorme?
Por que os dentes caem?
Por onde os filhos saem?
Por que os dedos murcham
quando estou no banho?
Por que as ruas enchem
quando está chovendo?
Quanto é mil trilhões
vezes infinito?
Quem é Jesus Cristo?
Onde estão meus primos?
Well, well, well
Gabriel...
Por que o fogo queima?
Por que a lua é branca?
Por que a terra roda?
Por que deitar agora?
Por que as cobras matam?
Por que o vidro embaça?
Por que você se pinta?
Por que o tempo passa?
Por que é que a gente espirra?
Por que as unhas crescem?
Por que o sangue corre?
Por que é que a gente morre?
Do que é feita a nuvem?
Do que é feita a neve?
Como é que se escreve
Réveillon?
A letra desta música da Adriana Calcanhoto tem tudo a ver com a fase em que o Eduardo está. Ele passa o dia todo perguntando os porquês de tudo e quando vc responde ele vem com mais um porquê. Um dia no carro estávamos ouvindo o CD e depois de pedir pra ouvir esta músi…

Que dia!!!

Em São Paulo amanheceu aqueles dias típicos de inverno com aquele friozinho horrível e uma garoinha que é a cara da Terra da Garoa daminha infância. Só mandei o Edu pra escola porque ele pediu pra ir; então tive que sair da cama também. Bom, sair da cama é modo de dizer porque a dona Luisa me fez sair da cama as 4:15 da matina; estava com fome!!!! E não dormiu mais até as 6 hora da manha (hora que levanto normalmente). O pior é que ela nem queria muito a minha presença; estava tranquila e toda sorridente no berço, mas quando a chupeta caia ela começava chupar o dedo, então lá ia eu tentar resolver o problema.

Aliás acho que ainda não contei que ela enfim encontrou uma chupeta para seu gosto apurado. É uma chupeta de silicone mas com o bico reto e chatinho. Não vou dizer que seja a grande paixão da vida dela, mas ela aceita bem quando quer dormir e sente aquele necessidade louca de sugar. Também basta pegar no sono pra chupeta ser cuspida longe.

Agora a chuva aumentou um pouco e pelo que…

Coisas de irmãos

Eu sou a caçula de 4 filhas e apesar de ter 3 irmãs sempre me senti muito sozinha porque elas eram mais velhas. Quando eu já tinha idade pra entender alguma coisa e poder brincar com elas os seus interesses já tinham mudado; estavam na adolescência. Quando saíam juntas para algum lugar em geral eu não podia ir e minha participação se reduzia a vê-las se arrumando ou ouvir os comentários quando retornavam.

As coisas ficaram um pouco melhores quando a minha irmã mais velha começou a namorar e só podia sair com o namorado se eu fosse junto, como vela. Eu até tinha uma participação maior porque ia junto, mas não tinha a menor graça.

Não é um lamento ou reclamação; apenas um fato. Tive uma infância super feliz e cheia de travessuras e amiguinhos, mas sentia falta de ter uma irmã da minha idade na hora que as amigas tinham que ir embora. Na adolescência eu ficava imaginando como seria ter um irmão; de qualquer idade desde que mais velho que eu (sempre gostei de ser a caçula, risos).

No final,…

Abrindo os portões

Por medo da violência a rua fica deserta; todo mundo escondido atrás das suas grades; todos presos; amedrontados. As crianças mal podem se aproximar do portão: brincam dentro de casa com seus video games ou assistindo tv e as escolas são agora o ponto de encontro com os amiguinhos; as vezes um aniversário e só.

Os vizinhos mal se encontram e quando vc passa com seu carro de vidro fechado e insulfilme e acena, muitas vezes ele nem olha pra vc. Mas será que ele viu que era vc??? Será que ele viu o seu aceno?

Até que um dia vc decide deixar as crianças sairem na rua pra andar de bicicleta a despeito do risco de ser assaltado. Em pouco tempo outros portões começam a se abrir, outras crianças surgem, alguns pais meio tímidos usando tb seus filhos como desculpa pra estar saindo de casa e em alguns minutos várias famílias voltando aos tempos de antigamente: os pais convesando animadamente no portão, as crianças andando de bicicleta na rua, o cachorro latindo para o movimento, o bebê chorando …

Flores da cidade

Já faz alguns dias que venho observando a cidade de São Paulo toda florida. De uma maneira geral a gente sempre olha para o lado feio da cidade, os muros pixados, as ruas esburacadas, as casas mal cuidadas e a imagem que fica é sempre a pior possivel.

De repente, não sei bem quando mas no caminho da escola do Edu eu vi uma linda primavera cor maravilha. Ela me chamou a atenção porque tenho uma aqui em casa e está completamente pelada tadinha!!!! Minha auxiliar resolveu podá-la exatamente quando as flores estavam começando e ela agora está toda confusa tentando brotar enquanto o tempo diz que ela deveria estar dando flores. No fim, nem uma coisa nem outra. É bem verdade que este ano descuidei muito das minhas plantas e tudo por aqui está meio assim... caidinho.

Então eu fico babando todos os dias com esta primavera que está a coisa mais linda de se ver. E a partir dela eu comecei olhar com outros olhos para a paisagem que encontro todos os dias no caminho da escola: Ipês amarelose roxo…

Timidez

Eu não canso de dizer que sou tímida; acho que é uma maneira de tentar me livrar desta característica que as vezes me incomoda muito e muitas vezes atrapalha minha vida.

Uma amiga minha se inscreveu no site da Ana Maria Braga e foi convidada a ir hj na comemoração dos 8 anos de programa. Tenho que confessar que fiquei com inveja. Nem tanto pelo fato dela ter ido junto com o marido e ter aparecido o tempo todo na tela (risos). Fiquei com inveja da coragem de se inscrever, se dispor a fazer uma coisa assim e ainda correr o risco de ganhar um prêmio no programa.

As vezes estou assistindo o programa e ela dá um número de telefone pra ligar e concorrer a alguma coisa e eu nunca tenho coragem de ligar. Já pensou se ela pega o meu número e liga pra mim??? Já pensou eu ao vivo na tv (pelo telefone)???? Ir até os estúdios, nem pensar!!!!

Fico pensando em quantas coisas ainda mais interessantes eu perdi na vida simplesmente porque sou tímida, porque tenho vergonha de aparecer, de chamar a atenção…

Entrando nos eixos

Depois de 2 meses e 11 dias do nascimento da Luísa acho que agora as coisas estão realmente entrando nos eixos e estamos conseguindo ter uma rotina aqui em casa. Não que a Luisa tenha me dado muito trabalho, ao contrário...

Mas tive alguns problemas:

- Luísa queria ficar no colo o dia todo e queria dormir no colo a noite tb.
- Helena queria dormir na minha cama e bastou que eu deixasse uma vez pra ela começar acordar de madrugada e vir na calada da noite se aconchegar entre eu e o Sergio.
- O Edu ficou enciumado e começou bater na Helena o dia todo.
- A Luísa acordava varias vezes de madrugada querendo mamar.

E com essas e outras intercorrências esperadas e inesperadas, passamos 2 meses dormindo mal, acordando cansados, passando o dia sonolentos e indo dormir pensando nas mil coisas que tinhamos que fazer no dia seguinte.

Quando as olheiras ficaram parecendo marcas de soco e a paciência estava sempre pro um fio eu resolvi parar e pensar no que estava acontecendo e tentar encontrar uma solu…

Bonecas

Não sou daquelas pessoas saudosistas que acham que tudo o que foi da sua "época" foi melhor do que o que tem agora. Acho que cada época tem seu encanto e muita coisa que vivi na infância não cabe mais nos dias de hoje. Criar uma criança como nós fomos educados nas décadas passadas seria excluí-la da sociedade, criá-la em um mundo isolado.


Eu consigo ver as vantagens que as crianças de hoje têm sobre minha própria infância e até sinto um pouco de inveja de tantas possibilidades que eu não tive.

Agora, em termos de bonecas, sou saudosista mesmo!!!!

Tenho tentado, de verdade, ver algum encanto nas bonecas que encontro nas lojas mas não tenho tido sucesso. Eu diria que 90% delas são horrorosas e outros 9% são só feias. Certamente existe um percentual de 1% que sejam bonitinhas mas ainda não me encontrei com elas.

Me lembro das inúmeras bonecas lindas que tive na minha infância. Bonecas com rostinhos lindos, dava até vontade de beijar, de morder... Eu tive uma boneca chamada Maezi…

Que medo!!!!

Eu sou uma medrosa convicta!!! Ou melhor: consciente. Sempre fui assim medrosona. Quando vou dormir sozinha em casa tenho que olhar atras das portas, embaixo das camas e revistar a casa inteira pra ter certeza que ninguem entrou e está escondido esperando eu pegar no sono. Coisa de doido né?


O coitado do cachorro fica de saco cheio porque qualquer barulho que ouço ou penso ter ouvido, chamo pelo nome dele. É pra garantir que o suposto meliante não fez alguma coisa com o coitado do cachorro pra poder invadir o quintal. Tenho certeza que ele se enche pois depois de um tempo eu tenho que chamá-lo várias vezes pra ele dar sinal de vida.

Hoje o Sergio foi com o Edu e a Helena para a farra. E o pior: eu fui levá-los e voltei pra casa com a Luísa. A festa começou as 19 hora e eles me ligaram pra ir buscá-los só as 22: 31 exatamente. Pela animação parece que os três se esbaldaram.

Enquanto isso, eu fiquei aqui em casa morrendo de medo. Medo de que??? A princípio de nada; até que zapeando a TV …

Deixando de ser bebê

É com uma certa nostalgia que estou vendo meu bebezinho loirinho mudando da fase bebê pra fase menino. Talvez ele já seja um menino há muito tempo mas mãe sempre vê seus filhos menores do que eles realmente são.

Acho que me conscientizei da mudança de fase do Edu quando saí pra comprar roupas pra ele. Estava super acostumada com aquela sessão de roupas até 3 anos com o Mickey, o Pluto, o Ursinho Puff...

De repente percebi que apesar das roupas até 3 anos continuarem lindas, agora estão pequenas demais pra ele e quando mudei de sessão percebi a mudança. Agora ao invés das ilustrações da Disney as roupas do Eduardo estão ilustradas com pranchas de surf, skates, desenhos psicodélicos, bermudas cheias de bolsos e super largas e compridas e claro: muitos super heróis. Eram tantas opções de camisetas com estampas da liga da justiça que fica até dificil comprar.

E não foram só os desenhos que mudaram; as tintas usadas são diferentes, a forma como as estampas são feitas, um visual totalmente di…

Coincidência

Falando em bicicletas: em comemoração ao dia das crianças ontem teve um passeio ciclístico na escola do Edu. Ele ficou a semana inteira esperando por este dia na maior ansiedade e eu tive até que marcar na folhinha o dia em que ele poderia levar a bicicleta pra escola.

Foi até legal porque ele começou usar o calendário e entender que depois de cada noite começa um novo dia e ter uma idéia de tempo.

No dia do evento ele levantou na maior animação e não via a hora de ir pra escola com sua bicicleta do Super Homem (sim!!! Eu que detesto esta história de super heróis tive que aceitar a bicicleta do Super Homem).

O problema foi na hora de ir buscá-lo. Quarta feira é o dia que a minha "assistente" não vem e então eu tenho que ir buscar o Edu na escola com a Helena e a Luísa. Isso porque o Edu queria muito que eu voltasse a buscá-lo na escola e pra mim acaba sendo legal porque saio um pouco de casa e encontro minhas amigas-mães da escola.

Sai bem mais cedo de casa porque sabia que t…

Música ao vivo no carro

Troquei de carro!

Nós gostávamos muito do nosso carrinho antigo mas infelizmente seu porta malas ficou pequeno. Com o nascimento da Luísa tinhamos sempre que escolher: ou levava o carrinho dela ou as bicicletas. Se resolvêssemos viajar teríamos que decidir entre as malas, o carrinho ou ... as bicicletas. E são duas: a do Edu e a tonquinha da Helena.

Eu não vejo a hora de me livrar do carrinho da Luísa mas com a minha experiência já sei que a saída do carrinho acarreta na chegada de mais uma bicicleta. E como eles adoram!!! Passam a tarde inteira no pequeno espaço da minha garagem dando voltas e mais voltas imaginando viagens, trânsito, passeios... E sempre que eu saio de casa os dois trazem as bikes pra colocar no carro.

Pois então, troquei de carro e acabei trocando também de radio do carro.

Não sei se já disse aqui mas sou fã apaixonada pelo Pearl Jam e sempre tenho um CD deles no carro que ouço incansavelmente sempre que dirijo. Pois não é que o tal rádio "novo" está fazendo…

E a ficha caiu...

Foi assim, de repente, num piscar de olhos, que a Helena acordou da sua condição de princesinha suprema da família e percebeu que estava dividindo o posto com aquele "nenê" que chegou há exatos 2 meses atrás.


Foi assim, indo buscar o Edu na escola e vendo que todas as crianças que antes corriam para pegá-la no colo assim que chegávamos, agora dividiam as atenções com aquele "nenê" sem graça que passa o dia todo deitado no berço ou chorando no carrinho (isso quando não está roubando o colo da mãe dela).

Pra minha alegria os adultos foram muito sensíveis e antes de correr pra conhecer a Luísa, se preocuparam em dar atenção à Helena como sempre fizeram. Mas criança não tem essas sutilezas e são sempre sinceras: queriam ver a novidade, afinal, a Helena já é mais do que conhecida no colégio e famosíssima também.


A surpresa da Helena com aquela situação, pra ela inusitada, foi tão grande, que ela sequer desceu do banco onde estava, pra explorar ou conversar com as pessoas.…

Soletrando

Eu estou ficando expert em soletrar. Passo o dia todo soletrando palavras para o Eduardo. E não pensem que fico fazendo meu filho de 3 anos e 10 meses estudar o dia inteiro. Ao contrário, fico até insegura de vê-lo já conhecendo e escrevendo todas as letras e ele gosta muito disso porque pelo menos uma vez ao dia pega caneta e papel e começa:

- Mamãe, com letra começa o nome da fulana?

ou

- Mamãe, com que letra começa o brinquedo tal?

Quando o papel que dou a ele é uma folha sem linhas ele mesmo risca as linhas pra escrever nelas. Uma graça!

Agora engraçado mesmo foi a Helena. Enquanto eu soletrava algumas palavras para o Edu, ela pegou caneta e papel e começou:

- Mamãe, mamãe. Eni, Be, A...

E fingia que estava escrevendo, ou melhor, ia escrevendo do jeito que ela achava que era. Então fui soletrando para os dois e passamos um tempão nesta história de soletrar.

Ao mesmo tempo que fico super orgulhosa dos meus filhos, eu fico super chateada de ver como o nosso país é injusto e como as oportun…

Imprudência da juventude

No curso de farmácia noturno da USP, algumas matérias têm uma carga horária bem puxada pra conseguir dar o mesmo conteúdo do período integral. Então, quando vem marcado que as aulas começam as 18 horas e terminam as 24 horas não é brincadeira nem maquiagem pra enganar o MEC.

Em uma destas disciplinas malucas, certa vez eu saí do laboratório mais de meia noite e decidi pegar o ônibus pra Santana em um ponto onde tivesse várias opções. Conforme o tempo foi passando e todos meus amigos foram embora eu percebi que meu ônibus provavelmente não viria e eu tinha que pensar o que fazer. Quem conhece a Cidade Universitária sabe o quanto fica sinistro aquele campus depois que todos os alunos vão embora.

De repente, eu vejo se aproximando 4 rapazes. Fiquei apavorada mas não tinha muito pra onde correr cheia de livros e só me tranquilizei quando eles estavam atravessando a avenida e eu percebi que falavam francês. Provavelmente eram africanos que vieram estudar na USP por convênios que a Universida…