Skip to main content

O casamento que quase não aconteceu

O dia do meu casamento não podia ser um dia normal na minha vida. Alem de ser o dia do meu casamento, o que já é complicado por si só, ainda tivemos fortes emoções externas.

Eu e o Sergio começamos a discutir os detalhes do nosso casamento já nos primeiros dias de namoro. Queríamos nos casar após dois anos de namoro e esperar mais uns dois anos pra ter o primeiro filho. Logo em seguida já queríamos mais duas crianças e fechar a "fabrica". Queríamos um casamento bem simples e sem festa porque a família do Sergio é muito "tímida" e queríamos substituir a festa por uma viagem bem legal. Acho que mesmo planejando tudo não tinhamos noção de como nossos planos iriam se realizar com tanta precisão.


Mas voltando ao casamento: após 2 anos de namoro fomos até a igreja que eu frequentava e perguntamos ao padre qual a data mais próxima para podermos nos casar. Isto foi feito mais ou menos em novembro e marcamos o casamento para março do ano seguinte porque a igreja precisa acertar a papelada, fazer os proclamas e ainda tem os prazos do cartório, já que o casamento civil tem que ser antes.


Conclusão: tivemos apenas 4 meses para organizar tudo. Apesar de ter sido um casamento super simples deu muito trabalho porque eu resolvi que queria fazer as coisas sozinha, em casa. Então, comprei os convites da kalunga e escrevi o texto e imprimi tudo em casa (com a ajuda da minha irmã);meu vestido foi feito pela minha mãe e bordado pela minha irmã;o vestido da daminha também foi feito pela minha mãe (eu fiz questão absoluta de que fosse assim); como eu frequentava a igreja varias pessoas da comunidade se prontificaram a decorá-la no dia do casamento, até porque ninguem gosta de casar lá por ser uma igreja simples; o senhor que toca orgão na missa fez questão de tocar no casamento e quando fui à casa dele pra escolher as músicas, sua esposa se prontificou a cantar na cerimônia. Enfim, foi tudo feito assim, com a ajuda dos amigos, algumas improvisações, de forma quase artesanal.

Como o Sergio não quis se envolver nesta parte "religiosa", ele ficou responsável pelo preparo da nossa casa: reformamos a coitadinha de cima em baixo, trocando todos os pisos, azulejos, pintando, trocando coisas que estavam quebradas e velhas. E nós dois juntos fomos saindo pra comprar o mínimo necessário como fogão, geladeira, cama, colchão. E eu ainda tive que preparar o enxoval que eu não tinha.

O Sergio tambem ficou encarregado de organizar a lua de mel. Ele mais ou menos montou um roteirinho de alguns lugares de interesse para os dois e depois fomos a uma agência de turismo e com a ajuda do profissional montamos um roteiro super legal de 17 dias.

Acho que foram os 4 meses mais rápidos e movimentados da minha vida. Como eu gosto de fazer TUDO AO MESMO TEMPO, juntamente com os preparativos do casamento eu também fiz a seleção para o meu mestrado, ou seja, uma correria sem fim.

Mas não me arrependo de forma alguma. Fui recompensada com a presença de TODO MUNDO que foi convidado e as duas pessoas que se ausentaram foram as que se perderam.

Mesmo com toda esta falta de tempo conseguimos organizar tudo e então pude ter uma noite de sono tranquila pra estar linda e feliz no grande dia. Mas logo de manhã uma novidade de última hora quase me matou de susto. Digo de última hora porque apesar das coisas já estarem estranhas há algum tempo, foi exatamente na madrugada de sábado, dia do casamento, que o padre da igreja foi mandado embora pelo pessoal da comunidade (esta história vou contar em outro post).

Para minha alegria, apesar dos problemas com o padre (que eu detestava) a comunidade não se esqueceu de mim e foi de madrugada na cúria pedir a saída do pároco e avisar que precisavam de um padre naquela noite para celebrar o casamento.

Imaginem como eu fiquei quando acordei no dia do meu casamento e fiquei sabendo que a igreja estava sem padre!!! Hoje eu morro de rir mas no dia foi um susto. Mas como vcs já devem estar imaginando, a cúria conseguiu encontrar alguem porque o casamento se realizou e dura até hoje muito bem obrigada. No final, apesar do estress foi ótimo porque eu não gostava do padre mesmo, já havia um litígio da comunidade com o cara e o padre que a curia mandou fez um sermão muito bonito: Foi Lindo!!!!

Chegamos na nossa casa nova aquele dia super felizes para passar nossa noite de núpcias no nosso colchão, no chão!!! A cama não chegou a tempo!!!