Skip to main content

Mãe de primeira viagem

Quando a gente tem o segundo, ou como no meu caso, o terceiro filho, tem a sensação de que com a experiência do primeiro já sabemos quase tudo e poucas surpresas nos estão reservadas. Pensando assim eu pude curtir com muito mais tranquilidade o nascimento e primeiros meses da Helena e agora da Luísa.

Mas o Eduardo continua por ai e não parou no tempo. Ao contrário, ele já vai completar 4 anos e cada dia me traz uma nova surpresa e vive me pegando de calça curta.

Este ano ele entrou na febre dos amiguinhos. Pela primeira vez eu vi meu filho sofrendo influências de outras pessoas que não eu ou o Sergio. E ele conheceu os superherois, descobriu que existem bens de consumo e que com dinheiro a gente pode ter qualquer um destes bens aqui em casa. Descobriu que aqueles brinquedos super legais que aparecem na TV podem ser dele e que um monte de coisas que ele nunca viu, existem e seus amigos podem contar a ele como são.

Ele entrou também na febre dos aniversários dos amiguinhos onde têm várias coisinhas pra se comer, refrigerante à vontade, brinquedos e claro, os queridos amigos. Por conta da gravidez da Luísa e depois por ela ser muito pequena, quem acabou indo de festa em festa com ele foi o Sergio e hoje ele entrou na outra fase: sair sem acompanhante.

Após o término da aula, um transporte foi buscar a turma para o aniversário de um dos amigos e eu devo ir busca-lo as 17:30hs. Já faz 15 dias que estou com este aniversário na cabeça e me perguntando se já devia deixa-lo ir sozinho. Como ele vai se virar? Será que vai se sentir inseguro? Será que vai comer? Que lugar é esse e como é organizado?

Mas não tive como não deixá-lo ir: todos os amiguinhos foram, todo mundo comentou, todo mundo se organizou, o aniversariante é um dos seus melhores amigos e lá foi o Edu todo feliz hj de manhã pensando no tal aniversário.

Nestas situações EU SOU SIM uma mãe de primeira viagem, cheia de inseguranças e sem saber direito o que fazer e como fiquei a manhã inteira insegura, pensando no meu "bebê"... fui na escola levar uma mamadeira pra ele. Eu sei que ele não gosta de salgadinho nem de docinho de festa, não come bolo e não vai ter tempo pra parar e se alimentar. Preciava sim comer algo antes de ir.

Tudo bem que ele tem apenas 3 anos e 11 meses, mas foi um micão: ele todo preparado pra ir pra festa, todo mundo na fila esperando pra sair da classe e a mãe dele com uma mochilinha com aquele mamazinho quentinho.

Entrei na classe com a desculpa de que fui buscar a mochila pra ele não ter que levar na festa e ofereci disfarçadamente a mamadeira que ele aceitou na hora e sem a menor cerimônia tomou inteirinha ali mesmo. De repente um amiguinho olha e pergunta:

- Vc ainda toma mamadeira???
- Sim, ele toma!
- Eu também, disse o menino com o maior orgulho.
- É gostoso, né???

Terminado o leitinho meu filhinho entrou na fila e se despediu de mim tranquilamente. Pra não ficar diferente dos amiguinhos ainda quis levar a mochila pra festa. E eu fiquei no parquinho distraindo a Helena enquanto ele ia todo feliz na fila, sem sequer olhar pra trás.

Por um momento até senti inveja da mãe que teve que acompanhar o filho no aniversário porque ele não quis ir sozinho. Mas já voltei a mim e acho muito bom que ele seja assim independente. Agora vou buscá-lo e me deleitar com as histórias que TALVEZ ele vá me contar.