Skip to main content

Tempo de incertezas

As vezes eu tenho a impressão de que me tornei uma grande pessimista e de que não estou procurando as informações nos lugares corretos. Vejo um monte de gente super animada com o Brasil, com os resultados da economia, com o grande governo que o Lula está fazendo e fico me perguntando se só eu não estou enxergando as coisas.

Na verdade me assusto um pouco com este nacionalismo cego e este ufanismo que me lembra a época da ditadura militar. E criticar virou um pecado mortal: quem critica, quem discorda, quem tem outra opinião é logo chamado de ignorante, elitizinha, burguês.

Será que eu mudei minhas convicções??? Ou será que o discurso do Lula e seus "comparsas" foi que mudou??? De repente eu vejo o governo repetindo aqueles mesmos discursos que os governos anteriores falavam à exaustão e o PT tanto criticava. É impressão minha ou o Lula era contra a criação da CPMF???

E o bolsa familia está mesmo dando certo? Eu tenho as minhas dúvidas. A empregada de uma amiga não quer ser registrada porque senão perde o bolsa esmola que recebe. Acontece que se um dia minha amiga não quiser mais os serviços dela, ela pode tranquilamente entrar na justiça e exigir todos os direitos.

Criar uma forma de remuneração em que não seja exigido nada em troca só serve pra criar pessoas acomodadas que pensam que o governo tem obrigação de sustentar a população. Dar condições para as pessoas conseguirem seu proprio sustento e uma formação decente e competitiva pra mim é o único caminho que dá certo.

Também não concordo com o sistema de cotas que não dá oportunidade pra quem realmente precisa. As cotas estão apenas facilitando o acesso de quem naturalmente, pelo próprio esforço já teria condições de disputar uma vaga em um universidade pública. Os milhares de negros e pobres que estudam nas péssimas escolas públicas do país continuam sem oportunidade nenhuma. Antes de se preocupar com um sistema de cotas que vai ajudar poucos eu acho que deveríamos investir pesado em escolas públicas de qualidade, investir na formação e valorização de professores, pensar em mudanças efetivas nas nossas escolas públicas e na mentalidade de funcionalismo público que temos hj na educação.

O nivel das escolas públicas está tão calamitoso que acabou por afetar até as escolas particulares. Nós temos uma sensação de segurança, de que quando nossos filhos estudam em escolas particulares estamos oferecendo a eles educação de qualidade, mas as últimas notícias têm mostrado que o nível das escola particulares também não é nenhuma maravilha, elas são somente melhores que as públicas. Quando comparados com alunos de outros países fica claro que os alunos brasileiros estão muito longe de uma educação de qualidade.

Mas parece que nos últimos tempos a educação perdeu totalmente a importância no país. É corriqueiro ouvir alguem dizendo que o Lula não estudou e se tornou presidente. Não vejo muito mérito nisto uma vez que ele teve oportunidade pra continuar os estudos. E eu fico pensando como mostrar para um jovem sem nenhuma oportunidade que o caso do nosso presidente foi a exceção da exceção e que via de regra quem não estuda está fadado ao desemprego ou empregos mal remunerados e sem valorização.

E como vão estar as coisas por aqui em 20 anos com todos os problemas de formação de mão de obra qualificada? Não vejo nenhuma preocupação com a formação de qualidade de profissionais para o futuro; o número de novas universidades se multiplica ano a ano mas a qualidade não é uma preocupação. São despejados no mercado de trabalho milhares de jovens formados em instituições caras, de péssima qualidade, muitas vezes sem reconhecimento no MEC; um verdadeiro estelionato. Usam da boa fé de pessoas honestas mas mal preparadas e criam a ilusão de que estes jovens estão realmente recebendo uma formação universitaria. Eu conheço faculdades que adotam livros de colegial, cursos de farmácia sem laboratório, cursos de engenharia sem matérias básicas como matemática ou física. Sem contar os esquemas do pagou-passou muito comum em algumas instituições.

Em paralelo a isso eu vejo aumentar dia a dia o número de profissionais qualificados e experientes tentando uma chance no processo de imigração do Canadá e Austrália. Pessoas que mesmo com emprego, bons salários e até satisfação profissional, não conseguem ter qualidade de vida por aqui. Pessoas preocupadas com a educação de seus filhos, com a formação deles, com a segurança, com o futuro.

Esta sendo alardeado o retorno de um grande número de brasileiros ilegais que estão deixando os Estados Unidos e voltando ao Brasil. A primeira vista temos a sensação de que as coisas por aqui estão super bem; a queda do dolar pode até passar uma sensação de que a economia por aqui vai muito bem obrigada mas acho que estas pessoas terão muita dificuldade pra se adaptar novamente. A qualificação destes profissionais não é valorizada por aqui e a maioria vai estranhar muito a falta de organização das coisas. Eu vejo o retorno deles muito mais como uma pressão do governo norte americano do que uma melhora da economia brasileira.

Eu leio as notícias, vejo os comentários, procuro me informar, procuro entender e acabo sempre me sentindo a pessimista, a pessoa que está na contra mão, o Hard.

Oh vida!!! Oh azar!!! Oh céus!!! Eu queria enxergar as coisas mais coloridas mas não consigo.