Skip to main content

Posts

Showing posts from February, 2008

Em estado de choque

Durante todo este processo de imigração a tendência é imaginar que tudo será lindo e maravilhoso nas terras geladas e até o frio parece não assutar muito. A cada novo post de alguém que já está lá, eu tenho mais e mais a certeza de que é isso que eu quero para o meu futuro próximo e sempre que coloco todos os prós e contras na balança a "setinha" aponta no sentido de ir para o Canadá.

Mas tem uma coisa que eu sei que vai me incomodar muito mais que o frio ou os dias que escurecem as 16:00 horas: os choques elétricos devido à eletricidade estática.

Aqui no Brasil eu nunca sofri com eles mesmo no tempo seco, mas nos Estados Unidos... foram 6 meses de choques constantes que me deixaram meio neurótica. Depois de um tempo eu só apertava o botão do elevador de luvas ou com um outro pano na mão. Eu e o Sergio tomamos vários choques quando nos tocávamos e no carro era um sofrimento também.

Agora o pior dia foi em um parquinho com o Eduardo. Ele resolveu passar a tarde no escorregador …

Amigos virtuais

Eu nunca levei muita fé em amizades virtuais até ir para Atlanta. Até o Sergio ser convidado para passar 6 meses em Atlanta eu acho que só tinha ouvido falar da cidade no filme E o vento levou...

Tivemos pouquissimo tempo para nos preparar em todos os sentidos. Em menos de 1 mês recebemos a notícia, digerimos o susto e começamos a correria atrás de passaporte para o Edu, então com 11 meses, visto americano, malas, procurações e talvez a parte pior: decidir o que ia, o que não ia, o que levar pra casa da mãe, o que deixar na casa que ficaria fechada este tempo todo.

No meio deste turbilhão de emoções e coisas pra fazer conseguimos encontrar um lugar que foi um verdadeiro Porto Seguro antes de viajar e durante toda nossa permanência nos Estados Unidos: uma comunidade no orkut para os brasileiros que moravam em Atlanta. Acho que aquela foi a melhor comunidade da qual eu participei no orkut. Em todos os momentos fomos recebidos com grande atenção, gentileza, simpatia. Todas as nossas dúvi…

Sacolas retornáveis

Nestas épocas de grandes preocupações ecológicas as sacolinhas retornáveis são muito bem vindas. Ainda não aderi a elas porque costumo fazer compras grandes e não consegui pensar em como embalar tudo aquilo em sacolas retornáveis.

Mas pensando na minha infância e nas idas ao supermercado aos sábados junto com meus pais, eu me lembro daquelas sacolas de feira, como chamávamos, que a gente carregava de dois a dois, um em cada alça e elas bastavam. Talvez bastassem porque as compras eram bem menores, as opções eram menores também e o dinheiro era mais curto.

Naquela época as sacolinhas ficariam em casa sem utilidade nenhuma porque o lixo era colocado diretamente naquelas latas de tinta de 18 litros e estas também eram retornáveis. Pra quem não viveu a época, o lixeiro virava a lata no caminhão e depois a deixava vazia no portão. Tinha gente que possuia mais de uma.

Hoje é meio complicado imaginar o lixo em uma lata sem o saquinho. Pelo menos aqui em casa em todas as lixeiras (banheiro, p…

Eduardo e seus comentários

Passando pela marginal vimos um triângulo sinalizando que um carro estava quebrado e eu comentei:

- Que bom que o cara colocou o triângulo a uma boa distância.
- Triângulo? O que é triângulo?
- O triângulo é pra sinalizar que o carro está quebrado ...
- Por que tem que ser triângulo? Por que não é um quadrado ou um círculo?
- ?????

_____ X _____

Eduardo conversando com minha sobrinha:

- Carol, vc vai na minha casa amanhã?
- Não sei Du.
- Se vc for manda um e-mail pra minha mãe pra avisar que vc vai.
- !!!!!!!

_____ X _____

Fomos ao Zoológico e quando chegamos perto da jaula do lobo o Eduardo ficou todo entusiasmado:

- Mamãe, está é a jaula do lobo mau???
- É, mas ele não é o lobo mau, ele é bonzinho.

Só que o lobo estava escondido e o Eduardo ansioso procurando um animal ENORME como nas histórias que eu conto a ele. Até que o lobo resolve aparecer. Chega perto da grade aquele Lobo Guará do tamanho de um Pastor Alemão e o Eduardo ainda procurando um Lobo maior:

- Mamãe, onde está o pai dele?
- ????!!!!

Pais seguros, filhos tranquilos

Ontem a Luísa foi ao pediatra e estou super contente com o desenvolvimento dela. Confesso que fiquei um pouco frustrada quando meu leite começou secar mas fico super tranquila em relação a isso quando vejo o quanto ela está se desenvolvendo bem.


Eu simplesmente adoro o nosso pediatra; digo nosso porque além de cuidar das crianças ele cuida também dos pais da criança. Ele acredita que quando os pais estão tranquilos e seguros as crianças ficarão tranquilas e se sentirão seguras. Em cada consulta, alem de se preocupar com a saúde física da criança ele dá muita atenção á rotina da casa; como a criança está se alimentando, dormindo e interagindo com a família e o ambiente. Ela dá várias dicas legais pra ajudar os pais com suas dúvidas e sempre me ajuda na educação dos anjinhos.


Eu sempre li muita coisa sobre educação, comportamento e desenvolvimento das crianças, tenho uma irmã psicóloga que trabalhou muito tempo com educação também e que me ajuda muito; eu e o Sergio procuramos sempre co…

Filho indesejado

Eu me sinto mais que realizada com os três filhos que tive e todo foram muito bem programados e desejados. Mas imagino que se eu engravidasse hoje não me assustaria muito porque ainda não decidi se quero encerrar a minha carreira de "parideira". Se acontecesse este acidente de percurso eu faria algumas brincadeiras com o médico que colocou o DIU e iria curtir meu novo bebezinho na maior alegria e tenho certeza que o Sergio agiria da mesma forma.


Eu sempre soube que não fui uma filha programada. Minha mãe engravidou depois de 8 anos do nascimento da minha irmã "mais nova" e apesar de ter apenas 38 anos ela acreditava que nem engravidaria mais. Então, a semana passada ela conversava com uma vizinha sobre filhos e gravidez:


- "Eu engravidei com 40 anos mas perdi", disse a vizinha.

- "Quando eu engravidei da Lena eu já tinha 38 eds nem esperava mais que poderia engravidar", retrucou a minha mãe e completou: "Eu não queria ter mais filhos mas depo…

Entrando na rotina

Nesta minha fase sem empregada eu fico na correria o dia todo pra dar conta da casa, da roupa (abandonei a propria sorte), da comida e ainda dar atenção aos três. Estou tentando montar uma rotininha pra esta fase de acúmulo de funções mas ainda fico meio perdida na bagunpça da casa.

As aulas do Edu começaram e pra variar ele está animadíssimo; acho que está adorando a nova professora e a escola resolveu não separar a classe, então todos os amigos do ano passado estão junto com ele. Mesmo gostando da professora nova ele ainda não esqueceu a do ano passado e sempre que a vê vai correndo se jogar nos braços dela. Mas também, até eu adoro a moça.

Eu fico assustada em ver que meu bebezinho já é um meninão super simpático e expansivo. E tem a maior facilidade pra fazer amigos; em poucos dias de aula ele já chega em casa falando de varios alunos novos da classe dele e agora está contando mais as coisas. O ano passado ele não falava quase nada da escola e agora ele me conta as coisas que muda…

Icterícia neonatal

É muito comum os bebês terem icterícia logo ao nascer e como ela se resolve sozinha na maioria dos casos todo mundo trata como se fosse uma doença bobinha que não causa mal algum. Eu pensava assim também até chegar na primeira consulta do pediatra com a Luísa e perceber a indisfarsável preocupação do médico ao ver a cor dela. Saímos do cunsultório direto para o Hospital onde a Luísa ficou internada por dois dias tomando banho de luz.

Isso já foi há 6 meses e eu teria esquecido se não tivesse acontecido a mesma coisa com uma amiga minha. Após a alta o filho dela não estava mamando (por outros motivos) e ela o levou à maternidade alguns dias depois. Quando o médico viu a criança pediu dosagem de bilirrubina onde foi constatado que o nivel já estava em 19 mg/dl (um valor bastante alto para um bebê recem nascido) e o bebê ficou internado dois dias fazendo fototerapia.

Então eu fiquei me lembrando de quando a Luísa nasceu e a pediatra do hospital ligou no meu quarto para perguntar se eu já…