Skip to main content

A dificil vida animal - confissão

Post proibido para pessoas sensiveis.

Com todas as campanhas contra a caça às focas eu fiquei me lembrando de um outro grupo de animais que sofre muito e aqui pertinho de nós, no Brasil: as cobaias de laboratório de pesquisa. Eu fiz estágio em alguns laboratórios e meu mestrado também, usando cobaias e fico me questionando como eu aguentava.

Apesar de sempre ter muito carinho e cuidado com os camundongos e ratos o que fazíamos era muito triste. No meu mestrado nós injetávamos células tumorais na patinha das camundongas para a valiar o crescimento do tumor. Aparentemente eles só sofriam com a picadinha da injeção mas tinham que conviver um bom tempo carregando aquela massa na patinha. Pelo menos eu não as matava com pauladas. Elas eram colocadas em ambiente com eter, mas ainda assim...

Em outro laboratório eu trabalhava com ratos brancos. Nestes nós injetávamos algumas substâncias "na barriga" para causar uma inflamação porque precisávamos de um tipo celular que aparece nestes casos. Depois eles eram mortos em guilhotina e as células peritoneais coletadas. O interesse do trabalho era nestas células.

É muito difícil pra mim falar sobre isso hoje, depois de tanto tempo porque nem eu mesma acredito que já fiz isso e que fazia parte da minha rotina. É bem verdade que nunca foi tranquilo pra mim sacrificar os animais e sempre que podia eu transferia esta tarefa para o técnico do laboratório, mas isso não diminui meu sentimento de culpa.

Nos dias de experimento eu sempre ficava mais estressada, chateada e sempre me questionei sobre a necessidade daquilo, mas não tinha muita escolha.Na verdade eu acabei escolhendo porque fui procurar aquela área de pesquisa. Se tivesse me interessado por físico-química provavelmente tudo teria sido bem mais tranquilo.

Quando leio a minha tese de mestrado, vejo os resultados que obtive e a pouca relevância destes resultados eu fico me perguntando se o uso de cobaias nos laboratórios não deveria ser mais seriamente discutido no país.

Os experimentos deveriam ser mais cautelosos, mais organizados, os alunos deveriam ter mais treinamento. Não estou dizendo que os alunos de pesquisa saiam dando pauladas em ratinhos pelos laboratórios e nem que estes sejam esfolados vivos e fiquem agonizando, mas já vi coisas horrorosas sendo feitas; coisas que nem gosto de pensar. Eu até entendo que as cobaias são muito úteis e importantíssimas para o andamento de muitas pesquisas mas muita coisa poderia ser evitada e com mais critério e organização o número de cobaias usadas poderia ser bem menor com resultados melhores.

Existem trabalhos feitos com cobaias que parecem brincadeira de criança; alem do sofrimento físico que os animais passam ainda tem toda a parte de estresse e insegurança. Ficam presos em caixinhas as vezes pequenas, com pouco espaço pra se movimentarem, com outros animais doentes e imagino que fiquem sempre na expectativa do que vai acontecer.

É muito interessante que quando os animais começam a ser sacrificados os outros da mesma caixa ficam alertas, eles percebem que algo está errado. Na verdade é tudo muito triste.

Uma amiga que também trabalhava com os ratos brancos e de olhos vermelhos dizia que nós duas íamos para o inferno e que o diabo seria um grande ratão branco que correria atrás de nós por toda a eternidade com uma seringa injetando tioglicolato na nossa barriga.

Como eu faço pra me livrar deste destino???

Mas eu tenho pena mesmo é de outros colegas. Imagine o inferno de um amigo meu que injetava sei lá o que no pênis do rato!!!! E os estudantes que usavam células do intestino de fetos de camundongos.

A partir de agora, toda vez que as crianças me tirarem do sério eu vou pensar nos horrores de experimentos com cobaias e agradecer a deus pela oportunidade de largar tudo aquilo pra trás pra ficar em casa curtindo os meus filhotes.