Skip to main content

Escondendo os legumes


Como é trabalhosa e prazerosa a fase da sopinha das crianças!!! Tudo fica uma baderna: desde a hora de cortar os legumes pra colocar na panela, passando pelo momento de bater tudo e as vezes ter que peneirar pro bebê poder comer, até o ápice, que é aquele momento mágico onde a criança faminta tenta colocar pra dentro e a lingua coloca pra fora enquanto as mãozinhas descontroladas batem no prato, empurram a mão da mamãe ou jogam a colher cheia pra todos os lados.

Apesar do trabalho, assim que a criança se acostuma com os novos sabores pode mandar qualquer coisa que ela "traça". Neste período maravilhoso nunca tive problemas para os meus filhos comerem: toda sopinha que eu fazia (ou que a Nestlè fazia) eles comiam e adoravam.

Só que para os dois mais velhos esta fase acabou e eles aprenderam a irritante frase: "mamãe, eu não gosto de..."

Em todas as refeições tem sempre alguma coisa que um deles não gosta. O pior é que eles comem de tudo mas naquele dia resolvem que não gostam. O problema é que se eu não insistir aquilo que antes eles comiam passa a ser um alimento que eles não comem de jeito nenhum.

Uma das técnicas que uso pra eles comerem de tudo é "esconder" sob outros alimentos que eles gostam aquele fulano que hj eles não querem. Funcionava super bem até o Eduardo crescer um pouco e perceber que estava sendo enganado. Agora ele fiscaliza o que eu coloco na colher e quando comem sozinhos não tem jeito.

Então eu desenvolvi uma técnica infalivel para faze-los comer de tudo um pouco.

Primeiro, observei o que eles realmente gostam de comer. Aqui em casa o forte é o arroz, o macarrão, o ovo, as verduras cruas e os queijos em geral. Em qualquer refeição tem que ter pelo menos um destes itens. Pois foi nestes itens que eu introduzi a minha técnica para que eles comam de tudo um pouco e até o marido entrou na dança:

- Arroz - pelo menos duas vezes por semana meu arroz é "incrementado" com alguma coisa que eles não comem de outra forma: arroz com cenoura, arroz com espinafre, arroz com ervilha e esta semana testei o arroz com abobrinha. Eu refogo o arroz junto com o legume ralado fininho ou a verdura picada bem pequeno (a ervilha vai inteira mesmo) e depois que cozinha ninguém consegue separar e todo mundo come. Pra semana que vem já comprei a beterraba para colocar no arroz; vamos ver o que o povo vai achar.

- Macarrão - aqui a enganação vai no molho: cenoura, abobrinha, espinafre, beterraba, mandioquinha e o que mais tiver na geladeira vai picadinho ou raladinho pra panela junto com o molho de tomate. Normalmente eu coloco carne no molho e na hora que mistura tudo ninguém nem percebe os intrusos.

- Verduras - as crianças adoram alface, rúcula, agriao e toda folha que dê pra comer crua. Então eu uso uma técnica usada pela minha mãe e que sempre funcionou comigo e agora funciona com eles: pastelzinho de salada. As vezes eu até fico com dó porque eles comem super felizes sem saber o que escondi dentro do pastel.

- Queijos - Em quase todos os pratos eu jogo um queijinho ralado por cima e coloco no forno. depois de gratinado o queijo fica "puxa-puxa" e normalmente eles acabam comendo por causa do queijo.

E assim, em meio a algumas omissões eles acabam comendo um pouquinho de tudo. É claro que pra funcionar bem eu tenho que dar o exemplo. Como com a maior cara de quem está adorando!!! Confesso que certas coisas eu não comia de jeito nenhum mas agora acabo comendo pra dar o exemplo e aprendi a gostar delas. Mas tem coisas que só engulo porque acho importante que eles comam
também, argh.


Pelo menos com frutas eu não tenho nenhum problema. O Edu e a Helena preferem uma banana ou uma fatia de melancia a qualquer "guloseima". Eles comem todas as frutas sem muita frescura.

PS: procurando uma foto para o post eu encontrei este
blog que dá várias dicas para ajudar seu filho comer. E não é que eles indicam a história do arroz??? O tempero da salada eu também uso aqui em casa.