Skip to main content

O doutorando e a estagiária


Há exatos 10 anos esta história de amor começou oficialmente. Mas vamos relembrar um pouco antes quando a estagiária ainda procurava um estágio interessante que lhe desse além de meios de se manter sozinha, muito aprendizado.

Depois de algumas entrevistas e de ter se desiludido totalmente com o trabalho em indústria farmacêutica, um telefonema mudaria de vez o seu destino: "vc foi aprovada para a vaga no agrupamento de biotecnologia do IPT. Vc ainda tem interesse na vaga?"

Claro que tinha!!!!
Já nos primeiros dias, depois de muitas informações sobre equipamentos e cultivo de bactérias, a estagiária o viu pela primeira vez. Ele estava sentado na "sala dos estagiários" lendo seu jornal. A notícia deveria ser tão boa que ele nem respondeu ao "Bom dia" tímido.

Pegando uma informação aqui e outra ali a estagiária foi descobrindo quem era aquele carinha "metido" que ficava todo dia lendo jornal na sala dela: aluno de doutorado, engenheiro, solteiro, sem namorada, 6 anos mais velho e segundo as boas linguas: um bom partido!!!!

Como uma boa história de amor, a antipatia foi instantânea mas o tempo foi mostrando que provavelmente a notícia era boa mesmo e que atrás daquela cara séria e aparentemente sempre com pressa havia uma pessoa maravilhosa, divertida e que vivia rodeada de gente o tempo todo.

A antipatia foi se transformando em simpatia que foi se transformando em admiração que foi se transformando em interesse e de repente a estagiária estava apaixonada e prestes a entrar em férias coletivas. Seria quase um mês sem nenhum contato e um risco enorme de tudo cair no esquecimento.

Pra estas horas a melhor coisa do mundo são os amigos e uma outra estagiária resolveu dar um empurrãozinho: mandou um e-mail super idiota, com uma piadinha mais idiota ainda para o doutorando e as duas estagiárias ficaram esperando ansiosas a resposta; que diga-se de passagem veio no mesmo dia já pedindo o e-mail da estagiária apaixonada: ele estava interessado também!!!!

Foram quase 20 dias trocando e-mails diários e gigantescos que falavam de música, gramática, literatura, religião, pesquisa mas nada sobre eles mesmos. Pessoalmente as conversas eram travadas e impossibilitadas pela presença constante de outros amigos; lembra que ele vivia rodeado de gente???

E então, no dia 11 de dezembro de 1998, já no final da tarde, um pouco antes dele ir pra casa e ela ir para a faculdade, ele tomou coragem e fez o pedido de namoro mais original que ela já havia recebido: um pedido que falava de uma oportunidade única e que acabou no ponto do Circular da USP embaixo do maior toró!

Alí começava esta história de amor que vem sendo contada aqui no TUDO AO MESMO TEMPO. Alí começaram os planos de um casamento, de três filhos, do mestrado dela, do término do doutorado dele e tantos outros sonhos que aos poucos estão se realizando e enchendo de alegrias esta história.

Até hoje eles têm todos os e-mails trocados desde o primeiro. São vários arquivos no word com suas longas conversas durante o dia: não importa onde ele esteja, não importa onde ela esteja, sempre encontram uma internet pra mandar um recadinho, um aviso, um link, uma bronca ou um beijo.

E tanta coisa já aconteceu nestes 10 anos que parece ter passado muito mais. A ex-estagiária aprendeu tanta coisa, eles aprenderam tanto juntos e se conhecem tão bem que um olhar já vale por uma conversa inteira. E foram mudando tanto, se doando tanto que já é dificil saber quem influenciou quem em cada coisa.

O nosso presentão de aniversário chegou ontem, dia 10: pedido de exames médicos para o processo de imigraçao para o Canadá. Recomeçaremos nossa história lá no Canadá com muitos outros sonhos mas com a mesma alegria de viver e de aproveitar tudo o que o mundo tem pra nos oferecer nesta oportunidade única que é a nossa vida.