Skip to main content

Passaportes em mãos e correria

Ontem fui buscar os passaportes no Consulado (sem me perder!!!!) e de repente aquele relógio que não andava e parecia que ia parar de vez começou a CORRER. Eu me sinto cansada só de imaginar tudo o que temos que resolver até a nossa viagem e tenho a leve impressão de que muita coisa vai acabar ficando por fazer aqui.

Junto com os passaportes recebemos uns formulários preenchidos e com foto para cada membro da família. Este formulário deve ser entregue para a imigração lá no Canadá onde serão assinados. Tem também um caderninho de informações e um formulário para ser preenchido por um profissional da saúde com as datas de determinadas vacinas que parecem ser exigidas para entrada nas escolas canadenses.

Ontem nós fomos ao pediatra e ele já preencheu os formulários das crianças e também me deu uma receita com vários remédios que ele acha interessante levar. As vacinas das crianças já estão praticamente em dia e só vamos adiantar a vacina pra Hepatite A da Luísa que seria dada aos dois anos.

Eu sei que lá não tem risco e que o risco aqui em São Paulo é baixo, mas acho importante seguir todo o calendário de vacinação brasileiro até porque a gente nunca sabe o que vai acontecer no futuro. Então vamos dar a primeira dose aqui e depois tentamos dar a segunda dose no Canadá.

Pra me organizar eu já estou separando mais ou menos as coisas que não vamos usar até nossa partida. Aquelas coisas que quero levar para o Canadá mas que não poderei faze-lo agora já estão sendo guardadinhas em uma parte do guarda-roupa. Temos muitas fotos, álbuns, lembrancinhas das crianças desde que nasceram, enfim, uma parte da nossa história.

Graças a deus foi inventada a máquina fotográfica digital para ajudar os imigrantes a levarem suas fotos sem ocupar muito espaço. De dezembro de 2004 até hoje são mais de 9000 fotos que no papel ocupariam todas nossas malas!!!

Em outro armário estou colocando documentos e coisas que não serão levadas para o Canadá mas que também não poderão ficar na casa fechada. Muito provavelmente esta papelada irá para casa de um familiar bonzinho com um cantinho disponível.

E sempre que encontro um tempinho vou dando uma geral nos armários, em especial naqueles que não são muito usados. Este momento está sendo um grande treinamento de desapego e praticidade. Pego as coisas, olho bem, penso em suas histórias, em como elas chegaram aqui em casa e qual a sua utilidade futura pra mim ou para outra pessoa. Muitas coisas já foram doadas nesta brincadeira.

O desapego ainda não está completo porque não estou conseguindo me desvencilhar dos meus livros e CD's. Mas tenho até março para me acostumar com a idéia de levar só uma pequena parte e ir levando o resto aos poucos.

Se alguem tiver alguma dica pra ajudar neste preparo final ela será muito bem vinda!!!