Skip to main content

Começando a se adaptar


Muitas coisas são estranhas por aqui e a gente tem que se acostumar com elas. O chuveiro na banheira e a casa sem um único ralo é uma delas. É muito estranho imaginar que ninguém joga água no banheiro para lavá-lo. Talvez com o tempo eu ache normal mas por enquanto acho esquisito.

Ir ao supermercado e ter que comprar tudo em frascos de 2L é outra coisa que não gosto muito. Suco, leite, produtos de limpeza; não tem essa de comprar um pequeno só pra experimentar. Geralmente tudo esta em tamanho grande ou enorme.

Mas está sendo facil se adaptar às múltiplas opções. Dificilmente vc encontra apenas uma marca daquilo que precisa e para algumas coisas as opções te deixam totalmente confusa. Neste primeiro momento em que vou ao supermercado com uma certa pressa e a familia inteira a tira-colo tenho optado pelas marcas que já conheço ou que alguém indicou em algum lugar, assim a chance de errar é menor.

Ainda assim, comprei uma deliciosa macarronada pronta porque já estava tarde para preparar algo quando chegasse em casa e quando abri o pacote vi que era apenas o molho. O macarrão era apenas ilustrativo e eu tive que cozinhar macarrão às pressas pra completar o jantar.

Na parte dos vegetais também não estamos tendo problemas. Excetuando o feijão que ainda não encontrei do que eu gosto, aqui tem uma boa variedade e muita coisa bem parecida com o que eu fazia no Brasil. Tudo bem que eu, o arroz e o sal ainda não nos acertamos, mas isto é questão de tempo. No dia que acerto o sal o arroz fica papa, ou então não cozinha direito; quando ele cresceu e ficou bonito na panela estava sem sal algum ou uma salmora. Enfim: a briga esta dificil e eu perdendo feio por enquanto. Quando eu sirvo a refeição o Edu fala logo:

_ Mamãe, eu não quero arroz!

Quando eu pensei que teria que me adaptar ao telefone quieto, mudo, sem ninguém me oferecendo nada por telemarketing, o telefone tocou e qual não foi a nossa surpresa quando vimos que estavam nos oferecendo celulares. Em pouco mais de uma semana foram tantas as ofertas via telefone que já estamos começando a usar aquele velho método de dispensar vendedores:

_ Não compro nada pelo telefone, obrigado!

Mas eu tenho a impressão de que haverá apenas uma coisa com a qual nunca vou me acostumar por aqui: os choques!!!

Eu não sei porque eu sou a maior vítima aqui de casa. Eu levo estes pequenos choquinhos o tempo todo e já estou treinadinha: sempre coloco a manga da blusa na frente antes de apertar o botão do elevador, antes de encostar no carro ou pegar nas maçanetas das portas. O problema é que nem sempre dá pra prever e as vezes eu levo choque quando encosto nas crianças ou no Sergio. Horrível!!!!
E quanto ao frio??? Bem, não posso falar muito do frio porque estamos aqui na média do zero grau e está absolutamente tranquilo. O que acho importantíssimo por aqui são os cremes. Ao contrário do Brasil onde eu usava creme pra deixar a pele mais bonitinha e me esquecia o tempo todo de passar; aqui cuidar da pele é questão de saúde, em especial das crianças.
Já nos primeiros dias a pele deles ficou avermelhada, principalmente a da Luísa. Uma brasileira que mora em um apartamento que queríamos alugar nos indicou o Aveeno Baby da Johnson. O de tampinha azul escuro é pra tratar quando já está queimadinho e o de tampa azul clara pra manutenção. Estamos passando direto nas crianças e está sendo bom mesmo. Tem uma linha completa de produtos desta marca e os que eu ja usei foram muito bons. E eu estou usando um da mesma marca para adulto. E filtro solar em todo mundo o tempo todo.
Criança é uma maravilha porque se acostuma com qualquer coisa facilmente. A Helena fica meio de saco cheio de ter que colocar tanta blusa, até porque ainda não comprei roupas aqui e estamos usando o que eu trouxe do Brasil, então eu capricho e exagero!!! Mas basta colocarem o pé pra fora de casa que o frio é esquecido e todo mundo sai correndo como se estivessem de biquini na praia.
Meu sonho é que em breve eles possam ter o próprio backyard, mas enquanto não for possível teremos que nos contentar com os inumeros parquinhos que temos visto por aqui.