Skip to main content

Eduardo na escola


Dia primeiro de abril foi a inscrição das crianças para o grade 1 e lá se foi o Sergio para inscrever o Eduardo e ter informações sobre o kindergarten. Mas bastou dizer que o Edu nasceu em 2003 para ser mandado direto para a administração da escola porque o Edu já podia começar as aulas no dia seguinte no senior kindergarten.

E lá fomos nós levá-lo com seu lanchinho para o primeiro dia de aula. Fomos direto à administração onde uma senhora nos acompanhou até a sala dele e nos apresentou à professora. Os 5 entraram na sala e foram olhar cada cantinho acompanhados da professora. Ela foi super solícita com a gente, nos mostrou tudo e explicou mais ou menos como funcionavam as coisas. Me pediu pra providenciar uma mochilinha pra ele levar nas costas e avisou que o lanche tem que ser bem simples. Só é permitido que se leve água, não pode levar suco, refrigerante, leite ou outro líquido. Pode levar bolachinha ou pãozinho mas sem chocolate ou
nuts devido aos riscos de alergia. Também é proibido levar balas e doces em geral. E também é permitido levar frutas, claro.

Eu achei ótimo porque não costumo mandar porcarias no lanche e se ninguém levar também as crianças não ficam passando vontade e fica mais fácil acostumá-los a uma alimentação saudável.

Depois de 2 minutinhos na sala, chegou o momento de ir embora e eu comecei ficar aflita pensando em como o Edu ia reagir, mas não me surpreendi quando ele me deu tchau tranquilamente e acompanhou a professora mesmo sem entender uma palavra do que ela dizia.

Saímos da sala e só então eu consegui prestar atenção na escola. É um prédio muito simples mas bem arrumadinho, tudo é muito colorido, cheio de figuras e desenhos que os alunos fizeram. Tem uma espécie de mural onde estão retratados vários países, entre eles o Brasil, com uma foto de uma bahiana vendendo acarajé.

De repente, no alto falante, algumas crianças anunciaram que iria ser tocado o Hino do Canadá e todas as crianças nas salas de aula começaram a se levantar e cantaram o hino em pé. O Edu ficou sentado mas não o recrimino porque ele não devia estar entendendo nada.

Ele entra na escola as 8:55 da manhã e sai as 11:35. Estamos muito perto da escola mas temos que atravessar um terreno particular para chegar até lá (um verdadeiro barreiro esburacado). Para fazer um caminho correto o trajeto se torna longo demais e então o Edu acabou tendo direito ao transporte escolar. Não preciso dizer que ele ficou felicíssimo pois o ônibus escolar é aquele amarelinho dos filmes americanos.

Fomos buscá-lo as 11:30 e a professora nos disse que ele foi super bem, ele veio nos encontrar na maior felicidade. Estava todo animado apesar de não ter entendido nada do que a professora ou os coleguinhas disseram. Me contou que andou de bicicleta com um amiguinho e à noite não conseguia dormir pensando em pegar o ônibus escolar na manhã seguinte.

É claro que no dia seguinte amanheceu chovendo e o ônibus para do outro lado da rua. E a chegada do ônibus é de parar o trânsito literalmente. Nas laterais de todos os ônibus escolares tem uma plaquinha escrito: PARE. Quando alguma criança vai entrar ou sair do ônibus o motorista abre estas plaquinhas e todo mundo tem que parar; e todo mundo para mesmo. Todos os carros ficam parados exatamente onde estão até que o ônibus escolar feche a porta e saia. Nestes momentos vc pode atravessar a rua tranquilamente porque fica todo mundo parado esperando. Segundo informações não oficiais, a multa para quem não para é de CAD1000.00.

Só no meu prédio são 30 crianças atravessando a rua, algumas com suas mães. Já dá pra imaginar a correria na rua, né? E imagine em um dia de chuva, com todo mundo tentando salvar a chapinha, rs. Eu fui a única que ficou na chuva até o ônibus sair. Não deu pra ver onde o Edu se sentou mas eu sabia que ele estava na maior alegria. Na volta foi a mesma confusão porque a chuva não deu tregua. E os moveis da ikea chegaram exatamente no momento em que o ônibus chegaria, então eu fui sozinha com a Helena e a Luisa para receber o Edu. Desta vez o ônibus parou do nosso lado da calçada mas estava frio e chovendo muito e eu tive que deixar as meninas sozinhas na portaria. Uma mãe se ofereceu pra pegar o Edu pra mim, mas acabou não dando certo porque o Edu não a conhecia e não vinha pra frente do ônibus, então o motorista não o deixava sair.

Estas situações são meio Punk, como diz meu oftalmo, mas temos que pensar rápido e tomar uma decisão. O que eu não podia era deixar que o Edu fosse levado de volta pra escola, então eu deixei as meninas na portaria sozinhas (Helena cuidando da Luisa) e fui pegar o Edu. Tudo bem que é tudo fechadinho, mas ainda assim, dá medo. Fiquei com um olho no ônibus e outro na portaria até ver aquela mãe super solícita ali, parada, cuidando das meninas pra mim. Então relaxei e pude esperar o Edu com mais tranquilidade,

Ele saiu todo alegre do ônibus, contando mil novidades e apesar de não entender uma palavra do que a professora falou ele conseguiu entender que eu deveria comprar um guarda chuva pra ele e que uma menina da classe dele mora em frente ao nosso apartamento. Ele está todo animado e não vê a hora de ir pra escola falar pra ela vir brincar aqui em casa qualquer dia.


Logo logo vou estar fazendo um post igual ao da Mirela falando das minhas amigas do ônibus.