Jun 30, 2009

Coisas do Canadá


- Você sabia que a prefeita de Mississauga, Hazel_McCallion, foi eleita pela primeira vez em novembro de 1978 e que em novembro de 2006 ela se elegeu para o seu 11° mandato: aos 86 anos de idade?

- E em janeiro deste ano foi aprovada uma lei em Ontário proibindo fumar em veículos que esteja levando crianças de até 16 anos? Segundo alguns estudos, dentro do carro as pessoas ficam expostas a uma concentração de fumaça 25 vezes maior do que em um ambiente aberto. E abrir o vidro do carro não ajuda porque o fluxo de ar levaria a fumaça para a parte de trás do veículo. Pra quem for pego fumando enquanto carrega crianças no carro, multa de no mínimo $250.

- E a província de Ontário foi a primeira no mundo a aceitar um casamento de pessoas do mesmo sexo (14 de janeiro de 2001). Hoje este tipo de casamento é permitido no país inteiro e muitos americanos vêm se casar no Canadá, além de casais de varios outros países.

Falando nisso, domingo foi a "Parada Gay" de Toronto. Infelizmente nós chegamos quando já tinha acabado porque nem sabíamos que seria naquele dia. Encontramos com o pessoal no metro cheio de bandeirinhas do arco iris.

- Ao contrário do que eu imaginava a maioria da população por aqui é católica. "Em cada esquina" tem uma igreja. E claro, geralmente junto com a igreja tem uma escola católica. Infelizmente ainda não entramos em nenhuma. Eu adoro visitar igrejas, acho que elas são muito ricas em detalhes e histórias. Claro que existem templos de outras religiões mas em menor número.

- No contrato de aluguel da minha casinha tem uma cláusula especificando que eu devo cortar a grama, recolher as folhas e tirar a neve, rs. Só quero ver o trabalho que isso vai dar!

- Parece que aqui as mulheres aderiram à moda que eu lancei: vários filhos com pequena diferença. É muito comum ver mulheres com bebezinhos e barrigão, ou carrinhos com duas crianças muito pequenas mas que não são gemeos. Sem contar os gêmeos, que são muitos. Carrinhos para três crianças são vistos com uma certa frequência.

Tem uma muçulmana que mora no meu prédio que tem 4 crianças e nenhum gemeo e todas andam no mesmo carrinho (aqueles para duas crianças). Mas não são só as muçulmanas que estão me seguindo não. Acho que as mulheres querem ter os filhos de uma vez para poderem voltar logo ao mercado de trabalho ou como eu, porque o tempo estava se esgotando, rs.

- E Toronto e Mississauga (as cidades que conheço melhor) são as cidades amigas dos carrinhos de bebês (eu que inventei o termo, por favor). Se antigamente eu pensava dez vezes antes de sair na rua com o carrinho das crianças, hoje eu tenho dois carrinhos e levo a "criança que sobra" sentada na parte de cima de um dos carrinhos. Pagamos $25 dolares em cada carrinhos e valeu super a pena porque eles são bons e têm nos ajudado muito. Podemos ir onde quisermos com os três sem ter que carregar ninguem no colo e todo mundo sentadinho e podendo descansar. Até agora não encontrei um só lugar onde não houvesse guia rebaixada e as calçadas perfeitamente transitáveis.

Na minha antiga casa só dava pra andar na rua porque mesmo sendo um bairro de ruas planas as calçadas eram intransitáveis mesmo a pé, imagine de carrinho!!!

Em vários lugares têm tambem os elevadores que ajudam muito. Algumas vezes nós precisamos carregar o carrinho pelas escadas porque não encontramos os elevadores, mas isso não quer dizer que eles não estavam ali em algum lugar.

- O Streetcar (uma espécie de bondinho de Toronto), em alguns lugares pára na pista esquerda e vc desce do lado direito e tem que atravessar a rua para chegar à calçada. É esquisitíssimo porque o trânsito todo tem que parar para as pessoas que estão descendo poderem atravessar a rua. E tem regra: quando o streetcar pára todos os carros têm que parar um pouco atrás dele, mesmo quem está na faixa ao lado. Um perigo!!!

- Mesma coisa para os ônibus escolares: os motoristas têm que ficar atentos porque se o ônibus abrir a bandeirinha STOP que fica na lateral todo o trânsito tem que parar nos dois sentidos. E as mães e crianças atravessam a rua sem a menor cerimônia. E se o motorista não parar poderá ser multado caso o motorista do ônibus o denúncie usando uma testemunha que esteja no local.

- Quando o farol está fechado não necessariamente vc tem que ficar parado até ele abrir. Se vc for virar à direita, vc pode entrar mesmo com o farol fechado se for seguro. É dificil se acostumar e as vezes o carro de trás fica meio zangado com a nossa indecisão.

- Mesmo pra entrar a esquerda é diferente de São Paulo. Se o trânsito é intenso da faixa contrária vc nunca pode virar. Aqui não: vc pode ficar esperando na faixa da esquerda ou no meio da rua até poder atravessar com segurança. E de uma maneira geral funciona super bem (eu pagava pra ver uma regra desta em São Paulo, rs).

Não tem nada melhor do que andar pelas ruas e observar as coisas, as pessoas, os detalhes. É uma pena que nem tudo dá pra fotografar. E nenhum relato consegue descrever o que a gente vive por aqui. Andando nas ruas eu sempre me lembro do Raul Seixa:
Faça o que quiser porque há de ser tudo da lei.

Jun 29, 2009

Ajuda


Queridos leitores estou precisando de uma ajudinha aqui no blog.


Eu recebi uma reclamação da minha cunhadinha querida (tem que elogiar porque ela efetivamente lê o blog, rs). Quando ela abre o meu blog aparece uma janela de um tal belambra. Se fosse só no computador dela talvez eu deixasse mais um tempo (brincadeirinha!!!!).
Mas esta acontecendo a mesma coisa no meu computador e eu imagino que em outros também.
Eu já tive este problema com outros blogs e preciso de uma ajuda pra saber como tirar este "negócio" daqui.

Alguém tem alguma ideia?

Jun 28, 2009

Agregando brasileiros


Desde que chegamos por aqui sempre tivemos medo de formar um gueto a exemplo dos nossos vizinhos paquistaneses e indianos. Queremos viver neste país multicultural e aproveitar todas as coisas que podemos aprender com outras culturas, mas isto não quer dizer que somos avessos a brasileiros, rs.

Com a compra do nosso carro a nossa vida ficou muito mais fácil e agora estamos podendo convidar e aceitar convites para passear, conhecer lugares e pessoas. E gente legal pra se conhecer é o que não falta por aqui.

Com a chegada dos nossos amigos Renata, Dory e Olivia, nossa vida social melhorou muito porque eles são "pau pra toda obra". Vira e mexe nós damos um jeito de nos encontrar e as crianças parecem amigos de muito tempo.
A Olívia conversando com a Luísa (as duas aprendendo a falar) é impagável!!! Uma gesticula, a outra resmunga e as duas se entendem super bem.

A semana passada nós fomos ao High Park com a Mirela, Mauro e as meninas e de quebra conhecemos os também brasileiros Denise, Jean e as crianças. O dia estava maravilhoso e todo mundo se divertiu muito; os adultos conversando e as crianças brincando. O Eduardo e o Jeanzinho não se largaram até a hora de ir embora e se deram super bem. E a Helena adorou brincar com a Mariana e a Ariadne; foi o maior orgulho brincar com as amigas mais velhas. E a Luísa e a Marina; bem, vou levar em conta que as duas são pequenas... mas a Luisa encheu o saco da Marina querendo todos os brinquedos dela!!!

O High Park é um post a parte. O lugar é ótimo para passar o dia e fazer pic nic. Vou até criar uma seção especial no blog pra falar dos lugares imperdíveis e com certeza este Park vai estar na lista. Não preciso dizer que as crianças chegaram em casa exaustas!!!

Hoje, nós fomos a um churrasquinho brasileiro no predio do Cláudio, Elaine e Natalia e conhecemos mais um monte de gente (não vou citar todos porque posso me esquecer de alguém e ficar chato, rs). Mais uma vez o dia estava lindo e as crianças adoraram. Quando chegamos em casa eu mostrei o blog da Elaine e do Claudio pra Helena ver a "amiga" e tive que passar a entrevista que eles deram várias vezes, rs.

É engraçado como sentimos falta de conversar na nossa lingua nativa; como é bom poder falar sem ter que se preocupar com os erros, sem engasgar e sem ter medo de não estar entendendo o que o outro está te falando.

Também é muito legal encontrar pessoas que estão passando pelas mesmas situações, os mesmos conflitos, emoções muito parecidas e que conseguem entender as nossas escolhas. Ao mesmo tempo temos muitas histórias para compartilhas, muitas dicas, muitas coisas novas a aprender o tempo todo.

E assim estamos agregando ao nosso grupo de amigos multicultural várias pessoas daquele país tropical da América do Sul, abençoado por Deus e bonito por natureza, onde nós já não moramos mais.

Jun 26, 2009

Michael Jackson e Farrah Fawcett

E os dois morrem no mesmo dia!!! Fiquei triste pela Farrah e chocada pelo Michael. É engraçado como algumas pessoas fazem parte de um mundo meio imaginário na cabeça da gente e parece que elas nunca vão morrer.

Estes dias vendo todas as notícias eu fiquei me lembrando do seriado "As Panteras" e de quantas e quantas vezes eu e minhas amigas não nos imaginávamos sendo a Jill, a Kelly e a Sabrina.

O Michael Jackson fez parte de uma outra fase: eu comecei gostar dele na minha adolescência e adorava vê-lo dançar. O engraçado é que não é meu tipo de música preferido e mesmo que eu tenha um CD dele em mãos dificilmente será minha primeira escolha. Mas quando uma música dele está tocando é impossivel não parar pra ouvir. E se ele estiver dançando, pra mim, é hipnose.
É triste imaginar que com todo o talento que ele tinha, talvez não tenha conseguido ser feliz.






Jun 25, 2009

Report do SK e mudança de escola


Hoje eu recebi o report da escola do Eduardo com o desempenho dele nestes três meses de Senior Kindergarten. Como tudo na escola, o report é muito simples mas muito completo, usando palavras de fácil entendimento e dando conceitos para cada item que foi analisado:

T - necessário tempo e experiência adicionais
S - demonstrou algumas vezes
O - demonstrou frequentemente
C - demonstrou consistentemente

No final de cada Tópico (foram 6 tópicos com vários itens cada um) a professora faz um comentário e dá dicas de como ajudar a criança a melhorar.

A professora também nos telefonou para falar sobre ele. Ela falou com o Sergio (sniff!!!) e disse que ele é uma criança maravilhosa (tb acho), sociável (até demais) e que tem facilidade para aprender (vc diz isso pra todas, né???).

Disse que ele não vai ter problemas na escola e que já compreende tudo o que ela diz mas ainda não fala (já percebi!!!). Para que ele não perca o que já aprendeu até agora ela sugeriu que o levemos a parques e lugares onde ele possa interagir com outras crianças (não serve brasileiros, rs). Sugeriu tambem clubes e bibliotecas.

Eu penso muito em educação, observo muito meus filhos e algumas vezes acho que sou preocupada demais, rs. O Edu foi muito bem na escola e eu percebi que a maior dificuldade dele foi exatamente com a compreenção da lingua. Ainda assim ele fez amigos e aprendeu muitas coisas.

Já percebo que ele está começando a deslanchar. Ele já entrou naquela fase de misturar os dois idiomas introduzindo algumas palavras em inglês no meio das frases e muitas vezes, do nada, ele sai falando os meses do ano ou as cores em inglês.

Logo logo vou estar aqui pedindo ajuda para manter o português desta galerinha!!!

A transferência de escola também foi super tranquila. Nós fomos até a escola atual e pegamos um papel de transferência; na hora, sem burocracia, sem esperar, sem ir em varias salas diferentes. Em dois minutinhos eu estava com o papel preenchido nas mãos.

Eu digo isso porque na antiga escola do Edu tudo era super demorado, mesmo depois de ter entregue o cheque com o pagto da matricula, rs. Para cancelar a matrícula do Edu e da Helena eu levei uma manhã inteira e só consegui um relatório de transferência uma semana depois.

Levamos este papel para a escola onde ele vai estudar a partir de setembro. Entregamos os documentos (PR Card, contrato de aluguel para confirmar o endereço, carteira de vacinação e Healthy Card) e a moça que nos atendeu já preencheu um formulário com todas as informações na hora, assinei e pronto.

O Eduardo já está matriculado na nova escola!!!

E que escola!!! Eu me apaixonei por ela!!! Não vejo a hora de começarem as aulas, rs!

Pra variar é uma escola muito simples mas muito bem arrumadinha. Infelizmente não tem ônibus escolar porque segundo a lei só tem direito a ônibus os alunos que moram a mais de 1,6KM da escola. Ou seja, preciso da minha carteira de habilitação até setembro!!!

O horario das aulas do Grade 1 será das 8:45 às 3:20 e eu posso optar por buscar o Edu para almoçar em casa ou deixa-lo período integral na escola. Mas vou deixar que ele decida o que prefere. Provavelmente no início vou busca-lo para almoçar mas tenho certeza que em pouco tempo ele vai preferir ficar com os amigos.

A dificuldade vai ser o que mandar de almoço porque o Edu não é muito chegado em lanche; ele é brasileirinho de arroz e feijão. Mas vou deixar pra me preocupar com isso em setembro, né?

Agora tenho que me preocupar com outro tipo de mudança: mudar de casa!!!

Jun 20, 2009

Qual é a música?

Aposto que o pessoal mais "velhinho" se lembrou do programa do Silvio Santos!!! Vcs acreditam que eu torcia para o Ronnie_Von???? Pelo menos hoje em dia ele não está causando vergonha em quem gostava dele no início dos anos 80!!!

Mas na verdade o post é apenas pra falar de um site bobinho onde vc descobre qual a música que estava em primeiro lugar na
Billboard no dia em que vc nasceu. O site é este aqui.

No dia 06/01/1971 estava em primeiríssimo lugar a música ai de baixo!!! Tenho certeza que até o pessoal mais novinho conhece.




ADOREI!!!


E pra quem quiser matar a saudade do Ronnie Von (bem antes de eu nascer!!!): aqui e aqui também.

Jun 19, 2009

E o alarme de incêndio...


Esta noite, para comemorar os nossos três meses de Canadá o alarme resolveu tocar a 1:30 da madrugada. Pra meu desespero o problema era no quinto andar e nós estamos no sétimo. Quando o problema está mais pra cima eu fico mais tranquila, mas saber que poderia haver um incendio dois andares abaixo dos meus pés me deixou um tanto nervosa.

A Luísa ficou grudada no meu pescoço ou no do Sergio o tempo todo e os dois mais velhos acabaram acordando também. Enquanto esperávamos os bombeiros eu coloquei calça e meia nas crianças e o Sergio já deixou sapatos e casacos na porta, rs.

Depois de uns 15 minutos os bombeiros chegaram e em mais 15 comunicaram que foi uma pane no alarme. Só que neste momento todo mundo estava desperto e ninguem queria voltar pra cama.

Então vimos pela janela um casal com uma criança pequena no colo, andando de um lado para o outro lá embaixo. Deu pena!!! Nós achamos que eles são novos aqui no prédio, se desesperaram, sairam correndo e quando viram que tudo estava ok tentaram voltar mas não estavam encontrando a porta dos fundos. Provavelmente saíram pela saída de incendio que não tem retorno e estavam perdidos.

Eles chegavam pertinho da porta dos fundos do predio e não conseguiam encontrá-la. Davam a volta pelo outro predio e chegavam pertinho do nosso portão mas como está em reforma e só tem uma passagenzinha aberta eles acabavam voltando e dando a volta no outro predio de novo.

E foi acompanhando as voltas que eles davam ao redor dos predios que o sono foi chegando e todos fomos para a cama quase as 3 horas da manhã!!

PS: Isso porque saímos para jantar fora para comemorar os três meses e a compra do carro, depois fomos para nossa futura casa dar uma olhadinha nela e ficamos dando voltas pelo bairro: às 10 horas da noite!!!

Mas nem parecia porque ainda não tinha escurecido totalmente. Aqui a gente perde a noção da hora e de vez em quando o bom senso também.

Jun 18, 2009

3 meses de Canadá



Pois é, hoje estamos completando 3 meses aqui no Canadá e parece que já estamos aqui há anos e sem inverno, olha que vantagem!!!

Nestes 3 meses muitas coisas aconteceram:

- Viemos para Mississauga meio no susto porque não conhecíamos bem a cidade e escolhemos o apartamento mobiliado em que ficamos, pela internet - a

- Depois de muitos nãos por estarmos desempregados e sermos recem-chegados, nosso landlord nos ofereceu o ape onde estamos sem nos pedir um único documento - a

- Viemos morar no coração do Paquistão-India em Mississauga. Nos sentimos verdadeiramente como "minoria visível" por aqui mas em nenhum momento sofremos nenhum tipo de preconceito. Ao contrário, temos sido muito bem tratados e aprendemos muito com estas pessoas, em especial os indianos - a

- Conseguimos alugar uma casa lindinha em um bairro que à primeira vista parece maravilhoso, próxima a uma escola muito boa em Etobicoke. E o melhor: sem mostrar nenhum documento de novo!!! Acho que passamos no teste de credibilidade porque as pessoas acreditam na nossa palavra sem pestanejar - a

- Conseguimos tirar todos os nossos documentos (com alguns atropelos, é claro), mas já está tudo acertadinhos e agora só estamos esperando nossa mudança para atualizar todos os endereços - a

- Nosso curso de inglês foi um achado e tanto eu quanto o Sergio temos professores ótimos e temos aprendido muito com eles e com nossos colegas de classe. Pra nossa sorte não tem um único brasileiro na escola o que nos obriga a falar o tempo todo em inglês. Aliás, dificilmente encontro brasileiros dando sopa por aqui, rs - a

- Após três semanas no curso de inglês conseguimos uma vaga para a Helena no day care e está sendo ótimo. Além do contato com a lingua e com outras crianças, ela está aprendendo a lidar com a timidez. Eu fico super orgulhosa de chegar na sala dela e vê-la toda saidinha com os amiguinhos, conversando, rindo; e hj estava cantando no maior desembaraço - a

- A adaptação do Eduardo na escola também foi um sucesso!!! A professora ligou para nós esta semana para nos dizer que ele foi aprovado e irá para o grade 1 em setembro. Sem falsa modéstia (né Sergio???) a professora disse que ele é um menino maravilhoso, que ele entende tudo o que ela fala, que ele tem facilidade para aprender e que ele vai acompanhar a escola sem problemas. Ela disse que ele ainda não fala e que seria interessante que fizessemos algumas atividades com ele nas ferias para que ele nao perca o ingles que já aprender. Ela sugeriu varias coisas que vamos procurar ainda esta semana, dentre elas parques para brincar com outras crianças e atividades nas bibliotecas - a

- A transferência de valores do Brasil para cá atravez do HSBC também foi um sucesso. Não estamos pagando nenhuma taxa a mais e o cambio não é dos piores. Só falta eles providenciarem nosso cartão de credito porque comprar feitas com o cartão brasileiro tem taxas e encarece muito as coisas - r

- A compra do nosso carro que está sendo finalizada agora!!! Foi meio complicado em um primeiro momento porque não tinhamos idéias como funcionavam as coisas. Apesar de termos algumas indicações, ainda ficamos indecisos e inseguros. Não foi fácil e em alguns momentos eu fiquei bastante desanimada. O bom é que existe gente legal no mundo e nós conseguimos encontrar um vendedor assim. Ao invés de nos vender um carro novo (que foi o que o Sergio foi procurar) o rapaz da Toyota nos aconselhou a comprar um carro usado. Segundo ele, seria melhor começar com um usado e esperar pelo menos um inverno por aqui para termos certeza do tipo de carro que precisamos em todas as estações. Acabamos decidindo comprar um carro usado na própria Toyota, mas em outra loja, onde encontramos, por coincidencia um senhor português (Sr. Francisco) que nos explicou direitinho como as coisas funcionam por aqui (antes de nos mostrar o carro). Ele nos pareceu super sincero e o carro sorriu pra gente no primeiro olhar - a

- O seguro do carro foi outro parto. O Sr Francisco nos indicou algumas empresas de seguro e tambem um corretor portugues. Fizemos algumas pesquisas na internet e descobrimos que os valores eram absurdamente altos: 40% do valor do carro, rs. Ligamos para o corretor que fez alguns orçamentos e como os valores que conseguiu continuavam altos nos sugeriu ligar para outras empresas para tentar um valor menor. Então o Sergio ligou para a Belair e conseguiu um preço bem melhor segurando o carro e a nossa casa - a

- Já contramos via internet a companhia de mudanças. Até aqui tudo parece bem simples. Tomamos o cuidado com o contrato que segundo eles, será assinado quando eles chegarem para pagar os moveis. Como já fomos alertados vamos exigir o contrato assinado - s

- Já aprendi a me virar relativamente bem na cozinha por aqui. Alem das valiosas dicas das minhas amigas virtuais (algumas em vias de ser tornarem reais) eu comprei também um livro que tem me ajudado muito. É o Betty Crocker CookBook: nele ela dá varias receitas faceis de fazer e ainda explica varias coisas como o significado dos termos usados em culinária, o que significam as medidas, e varios tipos de ingredientes com fotos (frutas, legumes, verduras, farinhas, graos, carnes, etc). Pra quem tem o inglês tupiniquim como o meu é ótimo porque ajuda até na hora do supermercado. Eu paguei uns $22.00 mas está valendo muito a pena. Este é o site dela - a

- Já fizemos varios amigos reais por aqui, com os quais não queremos perder contato. Até me cadastrei no face book porque o orkut não faz muito sucesso por estas bandas. Estamos trocando telefones e agora com carro vou ficar mais à vontade para convidar as pessoas para sair, rs - a

- Graças a milhares de pesquisas do meu maridinho e muitas dicas de amigos nós encontramos varios centros de apoio ao imigrante para tudo quanto é tipo e coisa, rs. O Sergio tem frequentado pelo menos uns 4 relacionados a emprego. Tudo bem que cada um fala pra fazer o currículo de uma maneira, mas temos aprendido muitas coisas - a

Enfim, acho que tudo está saindo mais ou menos como o esperado (e que espera, rs). Há apenas três meses nós chegávamos aqui com 7 malas grandes, três crianças pequenas e muitos sonhos. Estamos felizes, estamos realizados e mais do que nunca, hoje eu tenho consciência do real significado da expressão "zona de conforto" (muita usada por aqui).

Foram dias difíceis, alguns de angústia, alguns de medo, de pânico, de solidão. Tem dias que tudo dá errado: vc perde tempo, vc perde dinheiro, perde o rumo também. E então, do nada, as soluções começam a aparecer e quando vc se dá conta de que tudo se encaixou e deu certo.

Este é um país pra gente forte, gente corajosa, que não tem medo de dar a cara pra bater. É um país pra quem não aceita ficar sentado reclamando. É um país de ação, de correr atrás, de se virar sozinho. Aqui nada cai do céu (exceto chuva e neve).

A cada dia eu tenho mais certeza de que aqui é meu lugar e o deslumbramento que este país me causava no passado está se transformando em amor.



Jun 17, 2009

A escolha do noivo


Viver assim muito próxima de diferentes culturas pode ser uma grande oportunidade para nos despirmos dos nossos preconceitos e nos tornarmos pessoas melhores. Eu já vi varias discussões sobre o uso do véu das muçulmanas. Até chegar ao Canadá eu achava um absurdo as mulheres serem obrigadas a usar o veu ou a burca; ainda acho que o uso obrigatório é absurdo mas aprendi a respeitar as mulheres que optam por continuar usando mesmo quando moram em países como o Canadá.

Não costumo discutir religião, até porque quando acreditamos que uma coisa é divina é impossivel argumentar: são os mistérios da fé como se diz na igreja católica. O que não aceito é que tentem me converter ou me convencer de que o que eu acredito esteja errado.

Certamente poderíamos passar horas discutindo o véu das muçulmanas mas eu duvido que mudaria a cabeça delas, que até onde eu sei estão muito felizes com seus véus (e muito elegantes também).

Sem contar que nunca têm problema com o cabelo na hora de sair de casa. As vezes eu me olho no espelho e fico pensando como seria bom colocar um véu e esconder aquela "crina" horrorosa (porque tem dias que nem lavando dá jeito). Mas enfim...

Então a semana passada uma amiga indiana fez sua apresentação na aula de inglês falando da India. Foi muito legal aprender um pouco mais sobre este país que deixa tantas pessoas fascinadas e que aos poucos eu estou entendendo o porquê. No final da apresentação, Julia, uma outra amiga chinesa (uma senhora muiiiiito simpática) perguntou se era verdade que a maioria dos casamentos na India eram arranjados.

A indiana disse que sim: que aproximadamente 70% dos casamentos na India são arranjados pelos pais. E completou:

- Meu casamento também foi arranjado e eu sou muito feliz com meu marido.

As outras duas indianas que estavam na mesma mesa que eu sorriram e confirmaram que os casamentos delas também foram arranjados e que para elas não havia problema algum nisso.


Sem contar que elas se casam e vão morar com a familia do noivo (acho que a novela mostra isso) e o comum por lá é que a família inteira more junto!!! Na casa da indiana que fez a apresentação vivem 21 pessoas em uma casa de 3 quartos!!!São três gerações morando juntas!!!

Eu não vou julgar a felicidade delas, até porque elas acreditam que este sistema é bom e tenho certeza de que tentarão fazer o mesmo com seus filhos, mas não ter a liberdade de escolher a pessoa que vai passar o resto da vida ao seu lado, acho que seria muito sofrido pra mim.

Dando uma olhada no blog da Gloria Peres eu vi um texto de um indiano sobre isso; ele diz que o foco do relacionamento na India, está sobre responsabilidade, dever, familia extendida. Eu concordo que isto é muito importante mas não acho que um relacionamento feliz sobreviva só com isso. O casamento pode se manter pela vida toda mas não necessariamente feliz. E da mesma forma que vc pode começar a gostar do seu marido com o tempo, vc também pode passar a odia-lo e transformar a vida dos dois em um inferno (e do resto da família que mora junto).
Mas estou falando com a minha cabeça ocidental, que valoriza demais a liberdade e que teve outro tipo de educação. Não consigo pensar no assunto com a cabeça de uma indiana.
Já pensou, meus pais chegam e dizem:

- Leninha querida, este aqui é o seu noivo.

Bem... vendo por este lado...

Jun 16, 2009

Saindo da fralda


Continuando o assunto da tirada das fraldas: parece que a Luísa se animou e basta um descuido e ela aparece pelada pela casa com uma calcinha na mão (acho que é uma indireta). Eu a deixo só de calcinha mas ela só avisa que fez xixi quando já esta "vazando", mas pelo menos ela vai toda contente para o banheiro.

Ontem ela também fez cocô no vaso sanitário e ficou toda alegre dando tchauzinho...

Pelo que já li e com experiências vividas por outros pais que conheço, eu acho que este é um momento muito importante mas também meio perigoso. Se por um lado é uma coisa natural e que muitas vezes a criança resolve sozinha, como disse a Sandra; por outro, nós pais, pela nossa ansiedade e falta de paciência podemos tornar este período muito estressante para a criança.

Como já disse várias vezes, eu sou a favor do reforso positivo: ignoro o que deu errado e valorizo o que deu certo. As varias escapadinhas que vão ocorrer pelo caminho, mesmo quando eles já tiverem total controle dos esfincters, devem ser tratadas com naturalidade. Dificilmente uma criança faz xixi na calça porque quer e certamente quando acontece ela fica frustrada, fica com medo de voltar a ser um bebezinho, ou com medo de estar decepcionando os pais.

Se nós ficamos incomodados de alguma forma com isso, estaremos reforçando este sentimento de frustração deixando a criança insegura. E temos que ficar muito atentos porque as vezes nos estressamos mesmo.

Eu sempre gostei de trocar os lençois de sexta-feira e no sábado as crianças acordam e vão pra minha cama. Em um destes dias o Eduardo pegou no sono e molhou meu lençol limpinho!!! Na verdade eu nem fiquei estressada com isso mas só comentei:

- Ai meu lençol limpinho!!!

Ele ficou muito chateado e passou muito tempo se lembrando do dia que ele molhou minha cama.

Respondendo mais ou menos os comentários: eu não costumo recompensar a criança. Dificilmente eu digo: "faça isso e eu te dou aquilo".

Geralmente eu tento mostrar uma relação de causa e efeito: "se vc molhar esta calça linda eu vou ter que troca-la por outra". Eu costumo usar este argumento com a Helena que de vez em quando se distrai brincando e quando eu percebo ela já está de pernas cruzadas, rs... Muitas vezes não dá tempo mesmo e ela se conforma de ter que colocar a calça que não gosta. Mas a Helena já tem total domínio dos esfincters e dá pra conversar.

Com a Luísa (e os outros bebês na mesma fase) é tempo de paciência!!! Eles ainda estão descobrindo tudo, inclusive o corpo e não adiante forçar a criança a fazer uma coisa para a qual ela não está preparada. A Luísa já sabe quando fez xixi, cocô e quando foi só um pum (que ela acha a maior graça). Agora ela está descobrindo que existe um lugar para se fazer estas coisas.

Mas a grande sacada desta semana foi a de que ela pode ficar sem aquele "saco plástico" entre as pernas. O problema é que ela ainda se incomoda de ficar molhada e então, depois de fazer xixi umas tres vezes ela pede pra colocar a fralda de novo, rs. Em breve ela vai se dar conta de que pode prever quando o xixi vai sair e neste momento poderei doar todas as fraldas dela!!!

Quanto às diferenças entre meninos e meninas: não sei se Freud explica, Silvia, mas tenho certeza que eles são muito diferentes e que as meninas amadurecem mais cedo para várias coisas. Eu ainda não sei se estas diferenças são genéticas mas tenho certeza de que elas existem.

Foi até facil tirar a fralda diurna do Eduardo, mas ele já tinha quase quatro anos e ainda usava fralda a noite (e pedia para que eu colocasse, só pra não ter que levantar). No dia que a Helena passou a dormir sem fralda noturna com apenas dois anos, ele aprendeu de repente a segurar o xixi durante a noite, rs.


Virtual x Real

Neste domingo a família Tudo ao mesmo tempo passou um dia maravilhoso na companhia da família Sai da tua terra, rs.


Foi interessante porque reconheci a Renata assim que bati os olhos nela. E apesar de nunca termos nos visto antes, parecia que já tinhamos conversado muitas vezes pessoalmente. As crianças também se deram super bem e ainda estão perguntando da Olivia. Sem contar que a Olivia não estranhou ninguém.

Até o Dory parecia um amigo de décadas!!!

O dia também colaborou muito com um sol lindo e calor. Eu falei tanto que ainda estou sem voz.

Hoje de manhã o Edu me perguntou cochichando:

- Mamãe, porque estamos falando baixinho? As meninas já acordaram!!!

Jun 15, 2009

Treinando crianças, rs

Estava vendo alguns sites interessantes que dão dicas de como tirar a fralda da crianças sem traumas. Eu tive muito sucesso com o Edu e com a Helena e já está chegando o momento de começar a trabalhar com a Luísa. Ainda quero falar mais sobre isso aqui mas enquanto o tempo esta escasso eu vou deixar um video japones para sobre o assunto.



Minha única preocupação é: será que depois a criança não fica condicionada à musica pra conseguir ir ao banheiro? Não gosto muito destas coisas, não. Alguem já usou? Acho que neste caso menos é mais.

Jun 13, 2009

Aniversário indiano


Hoje foi o tão esperado aniversário do amiguinho do Eduardo. Estava marcado para as 4:30 mas acabamos chegando as 5 da tarde. Apesar do horário não fomos os últimos a chegar!!!


Como era de se esperar, éramos a única família não-indiana da festa e como sempre, fomos muito bem recebidos por todos. O Eduardo rapidinho se juntou com as crianças e saiu correndo pelo salão com os outros enquanto a Helena, mais tímida, ficou grudada na barra da minha saia; eu e o Sergio nos revezamos tentando segurar a Luisa, rs.


Tinha uns snacks e refrigerante no balcão e alguns enfeites. Na verdade os enfeites estavam nas mulheres. A Maya e a Surya estavam lá e não brigaram, rs.


Brincadeiras à parte, a minha amiga estava com uma roupa tão linda, de tão bom gosto que eu ficava toda hora olhando os detalhes! O Arco-Iris estava completo e elas estavam muito elegantes. É claro que muitas mulheres estavam vestidas com roupas "ocidentais" mas adivinhem de quem era a saia mais curta???? E olhe que ela é em cima do joelho e vai ganhar um post só pra ela, aguardem!


Assim que chegamos começou uma apresentação muito legal com um ventríloquo (existe o feminino de ventríloquo? Ventríloqua???). O fato é que a mulher era ótima; mesmo quando os bonecos gritavam não dava pra vê-la mexer a boca. Infelizmente as crianças eram um pouco novas demais e acabaram se cansando um pouco, mas o show foi muito bom.


Em seguida começaram algumas brincadeiras com as crianças e finalmente o bolo!!! O bolo???? Mas e a camida indiana que eu esperei tanto pra experimentar??? Pois é, desânimo total!!! Será que em meia hora eles comeram tudo???!!!!


O bolo estava uma delícia!!! Não sei dizer se era um bolo típico canadense ou indiano mas até as crianças comeram e gostaram. Terminado os parabens ficamos naquela dúvida de qual o melhor momento para ir embora; sabe quando vc fica olhando as pessoas e esperando alguém sair pra vc ir atrás?


Então o Sergio viu algo soltando uma fumacinha no balcão... a boca já se encheu de água!!! Era o jantar.


Não posso dizer que adorei a comida até porque era muiiiito apimentada. Eu precisei de um certo tempo experimentando tudo para conseguir perceber os sabores e perceber o que eu estava comendo, mas foi muito bom! Era tudo vegetariano e tudo com pimenta.


Da próxima vez que encontrar com minha amiga vou perguntar o nome das coisas e como se come. Só eu e o Sergio estávamos com garfo; todo mundo comeu de colher e parece que muitas coisas ali eram o "arroz-com-feijão" deles e as crianças comiam com a maior naturalidade coisas que me anestesiavam a boca.


Terminado o jantar todo mundo começou ir embora rapidinho e nós acompanhamos, é claro. Nota 10!!! Só espero que o Saiyam goste do presente.

Jun 12, 2009

Obrigada!!!


Obrigada a todos pela colaboração com o aumento do meu peso. Ele estava totalmente controlado até o presente momento mas já não sei se vai continuar assim.

Já anotei o endereço da loja, já estou preparando uma lista para pedir para quem vem (rs).

Silney: eu já testei varias marcas de chocolate em pó mas achei todos muito doces. Tenho tomado ultimamente o Nesquick das crianças mas não gosto muito e só consigo tomar meio copo (pra quem tomava 1 litro por dia, faz batante diferença). Pra compensar estou comendo muito mais pão, e com Nutella, então já dá pra imaginar que vou ter problemas em um futuro próximo.

Ninha: o que é queijin de trancinha? E já vou começar a procurar a pamonha.

PS: Eu nunca tinha comido Nutella. Umas semanas antes de vir para o Canadá eu comprei para experimentar e adorei. Comi um potinho sozinha em 3 dias!!! (Ninguem gostou naquele momento). Quando cheguei aqui fiquei feliz quando vi o Potão no supermercado e na falta de coisa melhor agora todo mundo gosta.

Jun 6, 2009

De castigo


Sim, estamos eu e Helena aqui dentro de casa de castigo com um dia maravilhoso lá fora.

Tudo começou quando às 4 horas da tarde eu convidei as crianças para irmos ao parque. Todo mundo se animou, é claro, mas quando eu olhei o apartamento não tinha um só cantinho que não estivesse cheio de brinquedos. Então nós combinamos que quando todos os brinquedos estivessem guardados nós sairíamos. Enquanto eles juntavam os brinquedos eu fiquei guardando a roupa passada.

O Eduardo rapidinho começou guardar tudo e até a Luìsa estava colaborando do jeito dela (pega um e derruba três) mas a Helena... não tinha tirado um cochilinho à tarde, estava cansada, choramingando e não ajudou em nada.

Eu conversei, expliquei, me propus a ajudar, fizemos todo o possível para que ela colaborasse também, mas não teve jeito. Ela simplesmente não estava a fim. Quando já estava quase tudo guardado eu ainda dei uma outra chance (mãe adora esta expressão: outra chance) e pedi que ela guardasse pelo meno o lego que estava espalhado no quarto dela, e nada...

Então o Sergio pegou o Edu e a Luísa e foram ao parque sem ela. Ela ficou bem chateada; ficou soluçando apesar de não estar chorando e eu fiquei com o coração aos pedaços. É muito difícil dizer não, ainda mais quando não estamos deixando os nossos filhos fazerem algo que eles querem muito, mas em algumas situações, acho que não há muito o que fazer se queremos ensinar alguma coisa a eles.

Teria sido muito mais facil pra mim simplesmente ignorar o que ela fez, juntar os brinquedos sozinha e irmos todos ao parque aproveitar o dia lindo. Talvez o Eduardo não percebesse nada, a Luísa com certeza não perceberia, mas o exemplo que eu estaria dando à Helena certamente iria prejudicá-la no futuro.

Quando o Sergio saiu, eu conversei bastante com ela e expliquei porque ela não foi. Agora ela está tirando um cochilinho e eu de castigo esperando o Sergio voltar para tentarmos fazer alguma coisa neste restinho de sábado.

Jun 5, 2009

Falando Inglês

Hoje foi minha apresentação no curso de inglês. Eu contei mais ou menos a hístória do avião que caiu em São Paulo em 2007 e que toda minha família passou por alguns minutos de desespero até confirmarem de onde o voo vinha. O avião do Sergio estava exatamente atrás daquele avião.
Como eu não pude filmar a apresentação eu resolvi colocar a entrevista do jogador de futebol Anderson, que atualmente está no Manchester United. Pela entrevista dele vai dar pra se ter uma boa idéia de como foi a minha apresentação!
PS: Anderson, nada pessoal. Estamos no mesmo barco.

Revoltada


Hoje, todos vão poder dizer que estou reclamando, que estou decepcionada, que estou de mau.



Eu moro perto do Square One e sempre vamos até lá dar uma voltinha. Voltinha é modo de dizer porque além de ser enorme, eu considero o percurso da minha casa até lá um tanto longe para uma criança de 5 ou de 3 anos. Mas ainda assim, nós vamos com frequência até lá, Edu e Helena geralmente caminhando e ainda andamos bastante pelo shopping e depois voltamos: a pé de novo.



Sempre que vamos ao Wal Mart ou à Zellers, eu pego um carrinho e as crianças ficam dentro até a hora de ir embora, mas assim que chegamos ao estacionamento, vai todo mundo para o chão (a Luísa sempre no carrinho dela) e vamos embora: a pé, sempre com um monte de coisas que compramos.



Estes dias, indo até a biblioteca aqui em frente de casa, eu vejo passar uma fulana com um carrinho da Zellers. Sim, ela tinha feito compras e trouxe o carrinho até a porta da casa dela, há mais de um kilômetro do shopping. Em plena luz do dia passou em frente à Prefeitura da cidade na maior cara de pau, como se fosse a coisa mais natural do mundo fazer isso.



E é!!! Tanto é que em frente ao meu prédio a cada dia o número de carrinhos aumenta mais. Quando me mudei pra cá, eu e o Sergio sempre comentávamos de onde teria vindo aquele carrinho de supermercado estacionado em frente ao predio. Passadas algumas semanas um segundo carrinho apareceu. E agora já são 4 ou 5, não estou bem certa.



Sabe aquela história da impunidade e do mau exemplo?? Sabe aquele papo de um imbecil fazer algo errado e nada acontecer e estimular outros imbecis a fazerem o mesmo??



Ontem, voltando da minha aula de inglês, eu vejo bem à minha frente uma inbecil deste tipo levando "seu" carrinho da Zellers cheio de compras. Alguns metros antes de chegar ao nosso prédio (sim, a fulana mora no mesmo predio que eu e ficou com vergonha de levar o carrinho até a entrada), ela pegou suas compras e largou o carrinho estacionado na calçada (atrapalhando a minha passagem, já que eu estava com o carrinho da Helena).



Eu fico furiosa porque acho um desaforo; como vou explicar para meus filhos que eles têm que andar 1 Km enquanto um monte de vagabundos levam suas compras tranquilamente no carrinho do mercado??? De novo eu vou passar por idiota na frente deles? De novo eu vou ter que ficar explicando que aquilo é errado e não acontece nada porque vivemos em um país sem lei?



Minha raiva foi tão grande que uma das sacolas da mulher rasgou e os pratos que estavam dentro ficaram em pedaços no chão. Quando passei por ela, ela estava lá, vendo se algo tinha sido salvo. Fiquei com peso na consciência (agora a idiota fui eu) e ofereci ajuda porque ela estava com várias sacolas (ela não aceitou e depois eu descobri o porquê). No elevador, esperei por ela e ainda apertei o andar dela porque as mãos dela estavam ocupadas e nem um sorriso, nem olhar pra mim pra agradecer.



Mas já me arrependi; de ter desejado mal a ela e de ter oferecido ajuda porque hoje o Sergio viu os cacos azuis que a (bad word) largou no mesmo lugar onde caíram.



Nestas horas eu me lembro de uma frase do Piggley_Winks: Nenhuma boa ação fica impune!


Jun 3, 2009

Alarme de incêndio


Aparentemente um grande problema que existe por aqui são os incêndios. Existe uma preocupação enorme com isso e eu vejo os caminhões de bombeiros correndo pra lá e pra cá varias vezes ao dia com sirene e tudo. Até o Edu que adorava o corpo de bombeiros já não presta mais atenção quando ouve a sirene.

No apartamento além do detector de fumaça tem o agradabilíssimo auto-falante. Vira e mexe uma sirene horrorosa dispara e em alguns minutos começa:

- May atention, please. May atention, please...

Nos primeiros dias nos assustamos mas era apenas um treinamento de incêndio ou teste dos equipamentos. Mas já tivemos suspeita de incêndio duas vezes e aí a coisa fica meio tensa. O auto-falante pede atenção, avisa o que está acontecendo e que o corpo de bombeiros já foi chamado, mas manda que a gente aguarde instruções. Não é facil ficar aguardando instruções sabendo que estamos no sétimo andar, com três crianças e sem saber ao certo o que está acontecendo. Quando é em um andar bem acima do meu dá pra ficar mais tranquilo, mas e quando o problema é mais próximo da gente ou abaixo?

Nas duas vezes que tiveram que chamar os bombeiros nós já começamos a preparar as crianças para a fuga, rs: colocamos sapato em todo mundo, deixamos os casacos mais ou menos preparados, peguei minha bolsa e coloquei os doctos importantes dentro e ficamos na janela esperando o bombeiro chegar.

A vontade que dá é de pegar a criançada, sair correndo escada abaixo e esperar o bombeiro do outro lado da rua. Mas como somos pessoas equilibradas e de bom senso, ficamos tranquilamente grudados na janela aguardando instruções.

É claro que bom senso tem limite e como moramos exatamente ao lado da escada de emergência, o ouvido fica grudado na parede para saber se alguém resolveu fugir. O dia que algum doido decidir esperar o bombeiro lá embaixo tenho certeza que vamos descer junto com ele; uma espécie de apoio moral para ele não pagar mico sozinho.

Esta semana eu também resolvi testar o detector de fumaça. Sabe como é... a gente precisa testar de vez em quando para o caso de uma necessidade. Deixei queimar a comida duas vezes e o negócio começou apitar feito louco. Liguei o exaustor rapidinho e abri a porta do apartamento pra ajudar a dispersar a fumaça.

Nestas horas a gente se diverte com a Luísa. Ela não sabe o que está acontecendo mas percebe que boa coisa não é, então, só por segurança, ela gruda no meu percoço ou no do Sergio e só solta uma hora depois. Na dúvida ela fica junto de quem pode correr mais rápido.

Jun 1, 2009

Festinha de aniversário


O Eduardo foi convidado para sua primeira festinha de aniversário aqui no Canadá. Um amiguinho aqui do prédio é o aniversariante. Acho que vai ser ótimo para conhecer pessoas e interessante porque a família é indiana.

Já estou pensando qual o presente que vou dar para o Sayam (não sei como se escreve, rs) que estará completando 5 aninhos. Ele é super educadinho e os pais dele são a simpatia em pessoa.

O triste é que não tenho mais cara de perguntar o nome da minha amiga, mãe dele. Eu sempre pergunto e acabo esquecendo porque é dificil, o triste é que ela já decorou o meu.

Mantendo o Português das crianças

- Mama, eu posso comer as sereias? - Acho melhor voce comer as cerejas!