Skip to main content

E a gente pensa que conhece os filhos

Eu sempre achei que educar uma criança é uma tarefa trabalhosa e muito muito difícil. Num dia tudo está super bem, as coisas correndo às mil maravilhas e de repente o caldo entorna e aquela criança angelical vira um monstrinho incontrolável.

O nosso processo de mudança para o Canadá coincidiu com o momento de outras mudanças na vida das crianças e eu ficava desesperada pensando em qual o melhor momento para começar estas novas mudanças após a nossa chegada por aqui.

Com três meses de Canadá eu senti que a Helena estava preparada para deixar a chupeta. É claro que não foi a coisa mais facil do mundo mas eu me surpreendi com a reação dela. Uma preocupação que eu sempre tenho é de que eles concordem em fazer as coisas. Tudo bem que eu a induzi a entregar a chupeta, mas sem chantagem, sem ameaças e esperando a decisão dela. Sempre tem uma história, muita conversa, muitas explicação mas ela quis entregar para os filhinhos do coelho da páscoa e sem a promessa de ovo de chocolate em troca.

Tenho certeza que ela sofreu um pouco a primeira noite mas acordou no dia seguinte toda orgulhosa porque conseguiu dormir sem a chupeta e não pediu mais. Até porque agora ela é uma mocinha.

Agora estou tirando a mamadeira dela e do Edu. Eu sei que já deveria ter feito isso há muito tempo, sei bem a opinião de várias amigas radicais (rs rs rs) mas sabe aquela história de um erro leva a outro e a outro e a outro???? Pra resumir, o Edu e a Helena só tomam leite se for na mamadeira e eu fico morrendo de medo deles perderem peso, de não conseguir substituir, alem de morrer de pena porque sei que eles adoram aquele leitinho fácil.

Já tentei outras vezes e acabei voltando atrás e mantendo o leitinho dos dois, mas agora eu percebi que eles também querem, eles concordam em dar a mamadeira sem reclamar e não pedem de volta mesmo quando veem a Luisa mamando. Eu fiquei protelando enquanto eles precisavam apenas de um empurrãozinho.

Hoje de manhã, nenhum dos dois queria tomar leite no copo. Em uma atitude desesperada, rs, eu fiz aquilo que mais abomino na educação infantil: chantagem!!!

- Se vcs não tomarem o leite nós não vamos passear com a Sara.

Os dois começaram tomar o leite e eu me senti a madrasta da Branca de Neve!!! Com peso na consciência comecei explicar porque era importante que eles tomassem o leite, que era só um pouquinho e bla bla bla... e eles acabaram tomando, mas para amanhã preciso de outra técnica porque chantagem está fora de questão. E se eles realmente não quiserem, pacência, comem outras coisas.

Então chegou a vez da Luisa entrar na linha. Como no Brasil ela não conseguia dormir se fosse para a cama junto com o Edu e a Helena, nós permitimos que ela ficasse na sala com a gente até que os dois mais velhos pegassem no sono. Neste ínterim, ela também acabava dormindo e ia pra cama já no segundo sono.

Além disso, aqui no Canadá, ela acordava de madrugada e ia para minha cama: coisa que nem no Brasil ela fazia. Conclusão: passamos a dormir super mal porque ela se virava para todos os lados e ocupava a cama inteira, rs.

Um belo dia, eu e o Sergio começamos conversar e percebemos que a Luísa estava pronta para ir dormir ao mesmo tempo que os irmãos. Naquela mesma noite eu me muni de muita paciência e imaginei o stress que seria convencê-la a ficar na cama. Ela participou de todo o ritual do sono achando o máximo e quando eu falei para eles se deitarem para eu cobrí-los, ela foi a primeira a chegar na cama, rs.

Eu cobri todo mundo, fiz todas as despedidas e voltei pra sala. 5 minutos depois, lá estava a Luísa pedindo colo. Eu a peguei novamente, demos tchau pro papai e eu a levei para o quarto, expliquei que era hora de dormir, mostrei que estava escuro, cobri, beijei e ela ficou: dormiu a noite toda super bem e parece que gostou muito de participar de tudo como os irmãos. De vez em quando ela dá uma fugidinha, mas aceita voltar para a cama tranquilamente: é quase um charminho que ela faz de vez em quando na hora de dormir.

Pra não ir para minha cama de madrugada foi ainda mais fácil: simplesmente não fizemos nada. Acho que só o fato dela aprender a dormir sozinha na sua caminha fez com que ela permanecesse na cama dela quando acorda de madrugada (se é que ela acorda.). Agora ela vem pra minha cama às 6 da matina, exatamente como os irmão fazem quando acordam.

As vezes eu fico toda preocupada em como eles vão reagir enquanto eles devem estar pensando:

"Será que ela vai continuar me tratando como um bebê?