Skip to main content

Network do bem

Não resta dúvidas de que aqui no Canadá o tal do network é muito importante. E acho que não poderia ser diferente porque no fundo nós não passamos de ilustres desconhecidos e apesar do governo canadense ter feito um minucioso levantamento sobre as nossas vidas, eles não liberam estas informações para nossos futuros empregadores.

Além do emprego, conhecer pessoas nos ajuda muito nas dificuldades do dia-a-dia. Com uma dica aqui e outra ali, vamos tornando a adaptação muito mais facil e prazeirosa.

O problema é que muitos imigrantes acabam fazendo desta idéia quase uma profissão e perdem mais tempo tentando fazer o network do que efetivamente vivendo as suas vidas.

Como estamos todos "sozinhos em terra distante" muitos bobinhos, como eu, acabam caindo no golpe do Network e sendo usados por pessoas que se fingem de amigos mas que na verdade estão esperando apenas te usar como "trampolim" para conhecer outras pessoas e/ou usar a sua experiência para faciliar suas vidas por aqui.

Em apenas 8 meses já passei por algumas experiências bem desagradáveis que me magoaram profundamente e acabaram me deixando um pouco com o pé atras em relação a novos relacionamentos. Eu fico sempre me perguntando se aquela pessoa simpática e generosa, realmente simpatizou com a minha família ou se está de olho em algo mais que eu ainda não percebi que tenho.

Um dia, desabafando com alguns amigos (estes sim, verdadeiros), eu percebi que esta história do Network é muito mais séria e comum do que eu imaginava. Quase todo mundo com quem conversei já passou por alguma situação parecida e ainda tem muita gente sendo usada por aí: alguns até sabem e não ligam, mas muitos nem imaginam.

Eu já comecei escrever este post varias vezes mas sempre acabo deletando e deixando pra lá. Mas esta semana eu acho que estou meio de saco cheio de gente interesseira e resolvi publicar, rs. Acho tão ridículo e infantil uma pessoa se aproximar de outra só pra conseguir favorecimentos; usar os outros como se fossem objetos e depois sair descartando as pessoas como se fossem lixo.

Eu tenho feito sim o meu network: tenho conhecido muita gente, conversado sobre o Canadá, sobre a nossa profissão, sobre as nossas dificuldades por aqui e sobre muitas outras coisas. Mas é um network quase inconsciente, onde nós conhecemos as pessoas por acaso e nos aproximamos ou não delas dependendo das nossas afinidades.

No nosso network do bem, todo mundo é bem vindo. Não podemos ajudar ninguém a arrumar emprego, nem temos muitas dicas sobre o Canadá, mas ficamos super felizes em dividir o nosso tempo e nossas emoções.

PS: Infelizmente gente interesseira existe há muito tempo. Jimmy Cox já falava deles em 1923, quando escreveu a linda Nobody Knows You When You're Down and Out, que a, também linda, primeira dama francesa interpreta no vídeo aí de baixo.