May 25, 2010

Fomos ver o rei em Toronto...

... e foi muito emocionante!!!

Na realidade, este era um sonho do Sergio: ver um show do Roberto Carlos. No início eu nao me animei muito, mas como um casal de amigos se animou a cuidar das crianças e eu sabia que o Sergio ia adorar, acabei topando. E não me arrependo nem um pouquinho!!!

No fundo, qualquer coisa do Brasil nos emociona. E o Roberto Carlos não poderia ser diferente. Apesar de ninguem lá em casa gostar dele, as músicas do "rei" fizeram parte da minha infância; eram a música de fundo das tardes de domingo, quando eu ainda jogava bola ou pulava corda na rua.

Quando o Sergio comprou o acústico do Roberto, eu comecei a gostar um pouquinho mais dele e elegi emoções a minha música predileta. Fiquei com os olhos marejados quando ele a cantou (a primeira, por sinal). Mas ao contrário do que eu poderia prever, foi Lady Laura que fez chorar copiosamente.

Além da emoção do próprio Roberto, que acabou de perder a mãe, eu me emocionei pensando na minha própria mãe, no meu pai e em quanto eles me fazem falta. Como é triste muitas vezes não tê-los por perto para pedir colo, para confortar, para simplesmente conversar sobre banalidades. Eles são o tesouro que deixei no Brasil e que não tem substituição por aqui: nada que se compare a eles e ao medo de perdê-los.

Foi triste e ao mesmo tempo alegre relembrar tantos momentos e estar ali vendo o sergio tão feliz. Sem contar que o Roberto é de uma delicadeza e simpatia contagiantes. Cantou em espanhol para alegrar os latinos presentes e cantou a música Coimbra para alegrar aos portugueses presentes. E que presença: acho que pelo menos metade da plateia era de portugueses.

Ele cantou um pouquinho de tudo e ainda teve bis.

Pra que tudo fosse realmente perfeito tenho que elogiar a pontualidade e organização. Sem contar que andar pela cidade à noite é um prazer que eu havia perdido há muito tempo no Brasil. O centrão estava fervendo e com o calor que fez hj, não dava vontade de ir embora. Pena que o Edu não pôde ir e ouvir ao vivo as suas músicas prediletas: é proibido fumar e jesus cristo.

Enfim: pensei muito na minha infância, nos meus pais, na minha vida e que se chorei ou se sorri, o importante é que emoções...




PS: para os fãs de Zezé di Camargo e Luciano: fiquem ligados porque parece que eles vão vir a toronto em breve. se alguem precisar de babá, eu posso dar uma mãozinha!!!

May 15, 2010

shiiiiiiiiii!!!!

As vezes, com três crianças falando na sua orelha, é impossível não cometer alguns enganos.

Estava eu na Winners com os três já ha um bom tempo e a paciência deles já tinha se esgotado. Quando vi a parte dos livrinhos, achei que ali seria um bom lugar para distraí-los por mais um tempinho enquanto eu comprava um vestidinho pra filha de uma amiga.

Mais 10 minutinhos se passaram e eu (super decidida que não sou) estava com três modelinhos nas mãos tentando imaginar qual ficaria melhor na menina. Pelo canto dos olhos eu via duas menininhas tocando insanamente um pianinho eletrônico.

(eu odeio quando os pais deixam as crianças mexendo em tudo nas lojas, tirando as coisas do lugar, essas coisas).

E eu alí, tentando me decidir com os vestidinhos, a Luisa e a Helena fazendo aquela barulheira e o Sergio sabe-se lá onde!!! Fiquei super irritada, olhei para as duas e fiz um sonoro:

- SHIIIII!!! Para com isso!!!

Mas minha bocona foi bem mais rápida que os meus olhos e só vi realmente as meninas depois de ter falado! Não eram as minhas filhas e sim duas menininhas parecidas e que estavam do lado da mãe!!!

(Vcs não acham que em todos os lugares públicos deveriam existir buracos pra gente entrar nestas situações???).

Eu dei um sorrisinho sem graça e disse:

- Helena, pára com isso!

E a Helena coitada, com um livrinho na mão, super quietinha, não entendeu nada!!! As meninas ficaram paradas me olhando sem entender também, rs. A mãe, eu não sei se não percebeu ou se viu meu ato falho e disfarsou. E eu não conseguia mais parar de rir.

O bom desta história é que o pianinho insano ficou caladinho e eu consegui finalmente me decidir uns 10 minutinhos depois! Só espero que a mãe da menina goste!

May 4, 2010

Maiô de perninha (quebra de paradigma)

Tem várias coisas por aqui que realmente eu tenho dificuldade em me adaptar. Calcinha certamente é uma delas. Eu já entrei em varias lojas, já olhei e medi varios modelitos mas ainda não encontrei aquela que junte forma, material e preço que me agradem, em um mesmo produto, rs.

E então decidi colocar as crianças na natação e me vi com um problemão nas mãos: tinha que comprar um maiô pra mim porque tenho que entrar na água com a Luísa. Na primeira loja que fui tive a sensação de que não conseguiria encontrar algo que me agradasse. Aliás, achei que nem minha mãe ia gostar daqueles modelinhos enormes.

Pra desencargo de consciencia, resolvemos dar uma passada no bom e velho Wal Mart. Eu não gosto das roupas de lá, acho que em pouco tempo elas perdem a cor e a forma, mas... Lá, junto com os modelos de perninha, eu vi um maiozinho bem interessante que chamou muito a minha atenção. Um modelo simples e que me pareceu um pouco menor que os demais.

E não é que o fulano vestiu super bem em mim? Claro que não é aquele maiô super sensual que as modelos usam nas propagandas do Brasil, rs. Mas como eu também não tenho corpinho nem idade de modelo, ele ficou super bonito no corpo. Me deixou elegante, escondeu a barriga, rs e me livrou daquele problema de puxa daqui e ajeita dali que os maiôs e biquinis brasileiros me causam, porque os modelos brasileiros definitivamente não foram feitos para meu corpo: quando fica bom embaixo, fica grande em cima e os que ficam bom em cima, ficam minúsculos embaixo, rs.

O meu maiozinho (quase de perninha) me deixa super à vontade na piscina, não preciso ficar arrumando o tempo todo e também não chamo atenção de ninguèm, mesmo ele sendo um dos menores que circulam por ali. Tudo bem que ele tem um defeitinho básico: a qualidade não é lá essas coisas. Depois de apenas dois meses de uso ele a alça já está esgarçando, mas não reclamo porque o preço foi bem camarada: $12.00.

E eu que pensava que os maiôs maiorzinhos eram coisa pra minha mãe.

Mantendo o Português das crianças

- Mama, eu posso comer as sereias? - Acho melhor voce comer as cerejas!