Skip to main content

Ai Jisuis, esta minha ascendência...

Agora oficialmente eu sou filha de um cidadão portugues. Meu pai conseguiu a cidadania e foi lá no consulado para a "cerimônia" na sexta feira, um dia antes de completar 80 anos de idade.


Na verdade, quem agitou toda esta história fui eu. Algumas semanas antes de vir para o Canadá, nós começamos levantar a papelada para que ele tirasse a cidadania, com o objetivo de que eu tirasse a minha também. Como neta de portugueses, eu tenho direito à cidadania, mas não poderia passar este direito para meus filhos. Então, achamos melhor que meu pai tirasse a dele, assim todo o resto da familia continua tendo direito.


Em pouco mais de um ano conseguimos resolver o do meu pai e no final, a família inteira se animou. Mas o que foi legal mesmo foram as lembranças. Com esta história toda, tivemos que buscar os documentos dos meus avós, pedir algumas coisas que estavam guardadas com minha tia (que é portuguesa), pedir certidões para o cartório da cidade onde eles nasceram e se casaram em Portugal, Condeixa-a-Nova. E com tudo isso, varias histórias surgiram ou foram recontadas e foi tudo muito emocionante pra mim, em especial por estar aqui tão longe e vivendo um pouco o que eu sei que eles, meus avós, viveram quando imigraram para o Brasil, no início do século passado.

Depois de tantas emoções ainda ganhamos um presente valiosíssimo!!! Minha avó trouxe de Portugal, um cordão de ouro e algum tempo antes de morrer, o deu a minha tia, sua única filha. Agora, minha tia resolveu dividi-lo entre os 7 netos (seu único filho, os dois filhos do meu tio e as quatro filhas do meu pai). O cordão já foi dividido e em breve estarei recebendo a minha parte, que pra ser sincera, nem imagino como seja porque nunca o vi, rs.

Ficamos todos muito felizes com este presentão, que tem um valor sentimental incalculável.

Quando liguei para meu pai no dia do seu aniversário, perguntei brincando se ele já estava "a fazeire muita bisteira" (imitando o sotaque do meu avô).