Skip to main content

Casa


Eu sempre morei em casa e adoro. Minha única experiência em apartamento foi nos 3 primeiros meses de Canadá e eu detestei. Não que tenha acontecido algo ruim, mas talvez por falta de costume ou por todo o processo de adaptação, eu não gostava.

Pra mim, era uma dificuldade chegar com as compras e ter que ir buscar um carrinho para carregar tudo, esperar elevador e ficar naquela angústia toda vez que o alarme de incendio tocava (e tocava muito!!!). Sem contar que muitas e muitas vezes, Já estávamos todos no carro e eu me lembrava de algo que tinha que levar: toca esperar elevador, andar até o apartamento (o último do andar, é claro!) e depois voltar, esperar elevador e tudo o mais.

Mas de uma maneira geral, no Brasil, muita gente prefere morar em apartamento por causa da segurança e se acostuma tanto com tudo isso, que não vê problema. Pra quem mora em casa resta ter muros altos, grades, portões com cadeados, alarme, cameras, cerca elétrica, etc, etc, etc.


Aqui em Toronto e região a coisa é um pouco diferente. As casas geralmente não têm portões ou muros; no máximo existe uma gradinha ou um murinho de madeira separando a parte do fundo dos terrenos. Algumas pessoas colocam uns murozinhos bem baixinhos na frente de suas casas, mas somente pra enfeite ou para evitar que as pessoas usem o jardim como passagem (meu carteiro por exemplo, não vê problema nenhum em cortar caminho pelo gramado, rs).


No início foi diferente, mas hj acho super natural estar sentada no sofá assistindo tv e ver um monte de gente subindo a escadinha da varanda para colocar coisas na caixinha do correio, que fica ao lado da porta de entrada. Se precisam falar comigo, tocam a campainha e sem nenhum receio eu abro a porta. Dependendo da pessoa, se já temos uma ideia do porquê da visita, eu já digo que não pela janela da sala, rs.


No quesito privacidade, eu diria que é tudo uma festa!!! Na casa onde moro hj, uma gradinha separa meu quintal das outras 4 casas com quem temos "fronteira", e como a maioria das casas tem a mesma gradinha, temos uma visão panorâmica de toda a vizinhança. Mas tambem somos vistos por todos, rs: um verdadeiro Big Brother. Apesar de toda esta proximidade, não costumo ver as pessoas conversando através das cercas. No máximo troco algumas palavras com minha vizinha italiana que reclamou da uva que estava crescendo na nossa cerca compartilhada. O bom é que ela é do tipo que bate e assopra: na semana seguinte à reclamação que levou o dono da casa a arrancar os dois pés de uvas, ela "chamou o Sergio na cerca" e entregou uma sacola cheia de cerejas "do pé dela": grandes e suculentas, diga-se de passagem.


Agora, para se morar em casa por estas bandas, temos de estar bem conscientes de que a coisa é meio trabalhosa. Cada estação tem seu encanto e traz consigo um trabalho específico, mas pesado. Por aqui, é raríssimo quem cimenta todo o quintal como fazemos no Brasil. O normal é ter um caminhozinho cimentado e todo o resto gramado.


Assim que termina o inverno, a neve derrete e as temperaturas começam a subir, começa também a fase da grande magia. Todos aqueles galhos secos começam a brotar de repente e em poucos dias o verde começa a tomar conta da paisagem. Pra mim, foi muito emocionante acompanhar cada broto que surgia, cada folhinha e cada animalzinho que emergia dos buracos. Então começa a correria de todo mundo para as compras de primavera: sementes, mudas, terra, adubo, ferramentas... É uma verdadeira fase de renovação onde se limpa os resquicios do inverno para receber o verão.

Nesta fase que se extende por todo o verão, a grama, as flores, as frutas e todas as pragas que se possa imaginar (animais e vegetais) estão ávidas por crescer. Então, não se pode descuidar do jardim porque ele vira um matagal sem tamanho.


Quando chega o outono este crescimento todo cessa e então começa uma das fases mais lindas de se ver, mas tambem uma das mais trabalhosas: as folhas do outono. É tanta folha caindo, voando e chegando da casa do vizinho que chega a desanimar: vc vai juntando e mais folhas vão aparecendo.


E pra fechar este ciclo, vem o inverno com a neve. Olhar pela janela e ver tudo branquinho com certeza é uma das visões mais lindas que já tive na vida, mas pensar em sair naquele frio para tirar a neve da calçada não é lá muito divertido. Sem contar que tem que limpar o carro e o caminho para ele saír da garagem, rs.


Pensando em toda esta trabalheira, muita gente prefere os condominios que fazem este trabalho "sujo". Por enquanto, estamos insistindo na nossa casinha com todo o trabalho incluso, rs. Gosto muito de ter meu quintal separado, mesmo que seja por uma cerquinha. E com criança pequena me sinto bem mais confortável para deixa-los brincar no quintal: sei que eles não vão entrar na propriedade do vizinho.
Mas estes trabalhos a mais que temos por aqui, mudam muito a nossa visão das coisas. Toda vez que visitamos uma open house, sempre prestavamos atenção especial à parte externa da casa: "esta casa não é boa, olha o tamanho da calçada pra tirar neve? Imagine o trabalho!" ou " Nossa, quantas árvores, imagine o trabalho no outono?" ou ainda "este gramado está muito ruim. Teríamos que replantar toda a grama."