Skip to main content

Os sete pecados capitais

Imigrar é um prato cheio para colocarmos para fora todos os nossos defeitos. Ha alguns meses atrás eu estava pensando nos sete pecados capitais: inveja, luxuria, gula, preguiça (eita Dani), avareza, ira e vaidade e fiz uma brincadeira comigo mesma: quais os pecados que eu vi serem cometidos por aqui, rs rs rs

Só eu cometi 3 deles varias vezes: gula, preguiça e ira, rs.

E consegui identificar exemplos pra todos eles nas histórias que vi e ouvi hahahaha

Então esta semana eu cometi mais um: a vaidade.

Eu adoro o meu blog e amo escrever. Desde que abri meu primeiro blog (o qual foi excluido apos dois meses) eu venho escrevendo constantemente e cada vez sinto mais prazer em fazer isso. Só que em determinado momento da minha vida (há uns dois meses atrás) esta exposição começou me incomodar um pouco porque  as pessoas não entendem que isso aqui não é um "Você Decide" e sim um "Big Brother".

Ao mesmo tempo eu não achei justo fechar o blog, parar de fazer algo que eu gosto muito ou coloca-lo cheio de restrições que só iam dar trabalho pra quem quisesse ler. Até porque eu adoro quando recebo visitas novas, quando descubro leitores escondidos, rs, e também acho que devemos ignorar estas pessoas do mal e nos concentrarmos nas pessoas do bem.

Mas saber que determinadas pessoas estariam lendo meu blog, bisbilhotando minha vida e esperando ansiosas para ler coisas tristes e histórias de fracasso, me deixava meio desanimada e sem vontade de escrever. Foi quando resolvi mudar o endereço do blog e ir avisando aos poucos as outras pessoas.

Neste aos poucos o pecado da vaidade aflorou em mim, rs. Quando vi meu blog praticamente sem visitas e sem comentarios fiquei bem chateada. Achei tão injusto ver meu blog abandonado-sozinho...

Mas só quando vi meus blog às moscas foi que percebi o quanto ele me deixava envaidecida: ver quantas pessoas tinham passado por aqui diariamente, ver os comentarios, ver meu blog aparecendo em varios outros blogs... estas coisas que sem perceber a gente começa a gostar, a achar super legal e a se sentir... envaidecido.

Foi super legal passar por este tranco e voltar ao objetivo do blog: escrever, contar, relaxar e conhecer pessoas... Mas não quero ser a Mari do Tudo ao mesmo tempo. Eu sou simplesmente a Mari (ponto).

Por acaso eu tenho um blog e tenho varios amigos blogueiros que o leem. Mas não quero que este blog seja uma referencia sobre a vida no canada, ou uma fonte de informações para a vida de ninguem. Não quero que as pessoas se inspirem em mim para fazer nada ou que sigam meus exemplos e conselhos.

Assim como eu gosto de ser livre e independente, eu quero que as pessoas se libertem e tomem suas proprias decisões. Enfim, quero começar de novo, passo a passo. Não sei se vai ser diferente, não sei se vou fazer diferente, mas pelo menos agora eu conheço o caminho das pedras. Quando me sentir pressionada ou espionada... mudo o endereço do blog e começo de novo.