Skip to main content

Dedinho pendurado

Esta foi a sugestão da Dani para o título do post. Mas na verdade não foi bem assim...


O que aconteceu foi que eu, bobinha que só, fui colocar o lixo lá fora apenas de meia. O detalhe é que estava fazendo mais ou menos 5 graus de temperatura e então eu resolvi voltar correndo pra dentro. Literalmente dei um chute em uma pedra enorme que tenho no jardim.


Entrei dentro de casa chorando de dor, mas achei que nao tinha sido nada. Quando a dor melhorou um pouco eu percebi que meu dedinho do pé estava meio tortinho. Eu o colocava no lugar e ele caia de novo, rs. Como meu pé estava muito frio eu tentei aquece-lo no chuveiro, mas o dedinho, mesmo quentinho, continuava caidinho.


Então eu achei que algo errado estava acontecendo e resolvi ir para um hospital. Só que a beleza estava sozinha em casa com as três crianças. A Luisa Elena tinha saído com as amigas e o Sergio não atendia o celular. Eu ainda tentei ligar para uns amigos brasileiros que moram aqui perto (e que têm carta de motorista), mas não encontrei ninguem. Não tive dúvidas: coloquei os tres no carro e fui pro hospital.


Neste momento o pé já estava começando a ficar inchado e doia um pouco, então fui dirigindo com o pé esquerdo. Devo admitir que foi uma experiência bem interessante e acho que todo mundo deveria tentar um dia, mas já aviso, acho que só consegui porque estava com a van, com um carro menor acho muito dificil.


Pra minha novela ficar mais parecida com dramalhão mexicano, eu consegui entrar no estacionamento errado que fica nos fundos do hospital. Nesta hora já não conseguia nem colocar o pé no chão e entao tive que pedir ajuda pra uma moça que passava.


Sabe aqueles anjos que aparecem na vida da gente do nada??? Pois aquela moça foi o meu anjo da guarda naquele momento. Ela não só me ajudou a andar, como encontrou uma cadeira de rodas pra mim, uma pessoa pra me levar até o hospital e ainda ficou distraindo as minhas crianças até o Sergio chegar.


O pai dela esta internado na parte onde eu estacionei e ela conhece todo mundo e sabe como funciona tudo naquele hospital: uma verdadeira benção!!!


Só quando já estava com a senha de atendimento na mao foi que consegui conversar com o Sergio e 15 minutos depois ele aparecia para pegar as crianças. Então eu pude parar e olhar direito pro meu pé e constatar que alem de inchado o dedinho insistia em ficar caidinho, rs.


Algum tempo depois um raio X mostrou que tinha fraturado mesmo e o médico veio me avisar que ia anestesiar para coloca-lo no lugar... aiiiiii. As três picadas do anestésico já doeram bastante, mas quando ele puxou o dedinho para coloca-lo no lugar eu vi estrelas, cometas, xinguei a mãe dele e tudo o mais.
No final um enfermeiro colombiano me avisou que existem fraturas pequenas e que a minha não era pequena, rs. Me deu um encaminhamento para um hospital maior onde devo passar por um ortopedista para ele avaliar melhor o estrago, rs.


O enfermeiro ainda me levou de cadeira de rodas até o guiche do estacionamento e tentou calçar meu tenis em mim (so cute). Mas não deu porque o tenis apertava demais e doia muito. Então nos despedimos e de repente ele apareceu com aquelas sapatilhas de hospital, para proteger minha meia.


Voltei pra casa dirigindo, agora usando o pé direito no acelerador e o esquerdo no freio. Um verdadeiro Às no volante!!!


Vamos ver o que o médico vai dizer!!!!