Skip to main content

Regras para desobedecer

Na escola das crianças tem uma entrada para os carros por onde passam tranquilamente dois carros grandes lado a lado. É a única para o estacionamento e por onde entram os ônibus escolares. No final dessa passagem tem o estacionamento à direita e a rua à esquerda (única saída da escola).


A brasileira que adora obedecer regras, sempre entra pela entrada, passa ao lado do ônibus escolar e segue para o estacionamento. A mesma brasileira sempre achou um absurdo as outras mães que simplesmente entram pela saída na maior cara de pau, as vezes causando a maior confusão no estacionamento.

Hoje mais uma vez cheguei na escola pra pegar o Edu e mais um monte de amigos que viriam aqui em casa e quando fui passar ao lado do ônibus escolar eu percebi que ele estava super afastado da guia e que meu carro não passaria. Fiquei alguns segundos pensando no que fazer e já percebi uma fila atrás de mim, então resolvi ir conversar com a motorista. Só que ela não estava no volante: por algum motivo hoje foi um cara diferente e quando perguntei se ele poderia afastar o ônibus um pouquinhos ele simplesmente me disse:

- Mas esta é a rota do ônibus escolar, vc não deveria fazer este caminho. Eu tenho que esperar as crianças e não posso ficar manobrando.

Sorrindo, eu agradeci pela ajuda e sai. Larguei o carro onde estava mesmo (até porque eu não tinha nem como dar ré) e fui pegar meu filho e os amiguinhos. Quando voltei com as crianças, já tinham dois funcionários da escola indignados porque uma "mãe folgada" havia deixado o carro no meio do caminho, rs...

Eu expliquei minha conversa com o motorista ( ou a besta humana) e ao ver o espaço que eu tinha pra passar os dois fizeram aquela cara de "fazer o que né???" e voltaram aos seus "postos". Então eu fiquei conversando com a funcionária da escola e dizendo que não tentendia como funcionavam estas coisas já que aquela via era do onibus escolar, e a outra opção era a via de mão única por onde devemos sair e não entrar. O que eu percebi durante a conversa é que existe um acordo não verbal de que o certo é entrar pela contramão e ser feliz, rs.

Não entra na minha cabeça a logica da sinalização daquele estacionamento: eu acho uma afronta a mim mesma entrar pela contramão, uma vez que este tipo de coisa foi o que me motivou a sair do Brasil. E eu fico me perguntando se não foi assim, com pequenas coisinhas que tudo começou por lá.