Oct 11, 2011

Toda boa ação deve ser recompensada?

Com o post sobre os adesivos desviados pela Luisa, rs, surgiu a idéia de dar uma recompensa à criança quando ela fizer algo positivo, correto, como por exemplo devolver o adesivo. Não sei... eu sempre tomo muito cuidado com recompensas. Acho que se por um lado as recompensas por coisas positivas podem ser um incentivo para a criança continuar fazendo coisas positivas, por outro lado eu acho que pode desenvolver na criança uma idéia de que devemos fazer as coisas para receber algo em troca.


Eu sempre fui contra pagar favores: um favor não deve ser pago, senão, deixa de ser um favor e passa a ser um serviço ou um trabalho remunerado.


Eu estendo esta idéia a tudo! Se vc ajuda o seu vizinho, muitas vezes ele nem precisa ficar sabendo que foi vc. Nós devemos fazer por achar que ele precisava daquela ajuda, mas não esperando que ele venha agradecer ou retribuir. Por outro lado, é super bom retribuir um favor, agradecer por alguma ajuda, mas não como um pagamento, e sim como uma forma de mostrar à outra pessoa o quanto a ação dela nos fez bem.


Só que a linha entre o agradecimento e o pagamento pelo favor é tão tênue que muitas vezes constrange quem ajudou. E muitas vezes a pessoa acaba não ajudando mais porque sabe que vai obrigar o outro a retribuir. Ao mesmo tempo que é super chato fazer algo para alguem e a pessoa simplesmente ignorar, rs. Enfim, é dificil decidir o melhor comportamento: acho que tudo depende da situação, da pessoa, da intimidade que se tem com ela.

No caso das crianças, eu acho que é ainda mais complicado. As crianças são muito objetivas e enxergam tudo de forma muito concreta. Pra eles é mais do que natural o "toma lá, dá cá". Imagine: eu faço um favor e recebo algo em troca. Todo mundo sai ganhando no final. E recompensa-lo quando fazem algo correto simplesmente reforça esta ideia.

Se pensarmos friamente, e muito justo dar um agrado para aquela criança que tem a iniciativa de ajudar ao proximo, dar um presentinho para aquela criança educada, que se comporta bem, que respeita os mais velhos, que tem bom coração. Mas a recompensa não deve estar pagando pelo favor em si e sim pela generosidade daquela pessoa, pelo bom coração dela, pela disponibilidade de ajudar ao outro por amor.

O fato é que é muito dificil diferenciar o pagamento do agradecimento e eu morro de medo de criar pequenos interesseiros que fazem tudo com segundas e terceiras intensões. Acho importante a criança entender que devemos fazer a coisa certa simplesmente porque é o CERTO, é o justo.

Oct 7, 2011

Foi sem querer querendo...

Luisa e Helena estão fazendo aulas de sapateado!!! Quando na minha vida eu iria imaginar minhas filhas com aquele sapatinho, correndo pra lá e para cá, fazendo barulho na casa inteira??? Mas elas estão amando esta história e treinam a semana inteira em todos os comodos da casa, rs.

Como em todas atividades por aqui, as crianças sempre ganham um adesivo após o término da aula. Pra resolver este problema eu comprei um album de fotografia para elas colarem as dezenas de adesivos e os tres amaram a ideia!!!

Na última aula, a professora tinha dois tipos de adesivo: um de halloween e um outro de abelinhas. Os dois eram lindos e imagino que tenha sido bem dificil para as meninas escolherem qual elas Então a Luisa sai da aula com um de cada e a Helena explica que a Luisa tinha 2 porque a professora não tinha visto.

Na hora eu pensei no pior: que ela tinha pegado escondido nas coisas da professora ou algo do gênero. Fiquei furiosa mas tentei nao demonstrar minha raiva. Só me abaixei e fui conversar com a Luisa. Perguntei o que tinha acontecido (aiii como é bom ter um código secreto!!!) e ela me explicou:

A professora deu um adesivo pra ela e depois foi dando uma para cada menina. Quando terminou, ela já havia se esquecido da Luisa, ofereceu outro e a Luisa aceitou. Foi um equívoco da professora, mas a Luisa sabia muito bem que não deveria ter aceito porque eu percebi que ela não estava muito confortável com os dois adesivos.

Depois desta historia eu fiquei super feliz e aliviada: primeiro porque não foi exatamente um roubo, foi mais aquela historia da ocasião propicia. Mas principalmente fiquei feliz de ver que ela tinha consciencia de que fez algo errado e ficou meio constrangida com isso. Se ela tivesse super feliz com seus dois adesivos eu imagino que eu teria um problema.

E o que fazer??? De alguma forma eu tinha que mostrar a ela que aquela atitude não foi legal.

Fui até a sala de aula, mas já tinha começado a aula da proxima turma. Não era motivo para interferir... Com adrenalina meu cérebro funciona suuuuuuuper bem!!!

Conversei com a Luisa sobre a consequencia do gesto dela: como ela estava com dois adesivos, alguma criança da outra turma provavelmente ficaria sem adesivo. "Imagine vc terminar sua aula e não ter um adesivo pra vc???" eu disse. Eu sei, eu sei... não era exatamente verdade, mas poderia ser em outra situação.

Então decidimos que ela devolveria o adesivo para a professora e como a aula ja tinha começado e nao dava para interromper, nós fomos até a secretaria entregar o adesivo para a secretaria e ela o devolveria para a professora.

Encontramos na secretaria um mocinho de uns 18 anos, que cuida da parte de informática. Ele ficou me olhando com uma cara de dúvida engraçadíssima enquanto eu explicava o engano da Luisa. Até que eu dei uma piscadela pra ele e ele disse:

- Ahhhhh, entendi!!! Claro que eu vou entregar o adesivo para a professora. Obrigada por ter trazido de volta, a professora ia mesmo precisar dele..

Claro que ela ficou super chateada, teve dificuldade em escolher qual dos dois ela queria, entregou o adesivo com a maior pena e eu fiquei morrendo de pena tambem!!!

Mas poxa, era apenas um adesivo bobo, uma coisa sem valor nenhum. Mas tenho certeza que apesar do pequeno valor do adesivo, algo ela aprendeu nesta historia que vai ser muito importante pra vida dela.

Oct 4, 2011

O mistério das meias perdidas

Esta história de meia perdida é uma coisa que parece acontecer com todo mundo. Sempre tem alguem por aí reclamando dos pés de meia orfãos que acumulam em casa.

Com esta historia de tirar o sapato sempre que entramos em casa, eu posso dizer que no Canadá, meu problema com meias perdidas mais que dobrou. Imaginem que somos 5 andando de meias o dia inteiro, assim a maior parte da roupa suja por aqui é composta por estas pequenas pequenas que só têm utilidade se estão em pares.


O grande mistério desta história é que entram no cesto de roupa suja vários pares de meias todos os dias e sempre um pé fica perdido naquele buraco negro entre o cesto e a máquina de lavar roupa. No momento de por pé com pé sempre sobram vários pezinhos avulsos e muitas vezes nunca mais aparece seu parzinho.


Pra tentar diminuir a confusão de pezinhos solitários espalhados pelos armários, eu deixo todas as meias dentro de cesto de roupa limpa. Conforme vou encontrando os companheiros de cada uma já vou amarrando junto e guardando.  As meias avulsas que sobram continuam no cesto na esperança de que na próxima leva de meias limpas seu par apareça.


Muitos desaparecem pra sempre sem deixar nenhum vestígio e eu fico imaginando em que momento aquele pezinho se perdeu. Imagino que na minha máquina de lavar roupas tenha um esconderijo secreto onde as meias se escondem durante a lavagem da roupa suja. Isto explicaria em parte porque muitas meias saem da máquina tão sujas quanto entraram!!! Talvez algumas delas fiquem presas neste  esconderijo pra sempre!

Mantendo o Português das crianças

- Mama, eu posso comer as sereias? - Acho melhor voce comer as cerejas!