Skip to main content

A dificil arte de viver com segurança em um país seguro

Todo brasileiro acha o Canadá seguro: claro, vindo de um país como o Brasil o Canadá é realmente super seguro. Mas a natureza humana não muda de um lugar para outro, então se os assaltos, roubos, assassinatos, sequestros e coisas assim não são comuns por aqui, os bandidos acabam procurando outra forma de colocar em uso a sua má índole.

Um crime muito comum por aqui, por incrível que pareça, são os crimes de estelionato. E como tem muiiiiito imigrante, muita gente que não fala direito a lingua e a gente tende a acreditar que o "canadense" é super bacana, os estelionatários atacam de varios jeitos.

Por exemplo: bate o cara na sua porta com um uniforme (quem conhece os uniformes oficiais, né?, uma pastinha, alguns papeis, canetinha na mão e despeja um discurso alarmante sobre os perigos de um tanque de água quente sem os novos selos de segurança.

É difícil não deixar a pessoa entrar na sua casa e verificar se está tudo certo com o seu equipamento. Na primeira casa que eu morei aqui, aconteceu varias vezes. Por sorte, logo na primeira vez o Sergio achou melhor perguntar para o dono da casa primeiro. O "técnico" ficou muito bravo porque o Sergio estava colocando a nossa familia em risco, vejam só!!!

Quando ligamos para o dono da casa ele nos alertou sobre este golpe: o cara vem para verificar o tanque de água quente e, logicamente, sempre encontra algum problema. E nesta conversinha geralmente super simpática, alarmante e rapidinha eles te fazem assinar um contrato de aluguel de tanque de água quente com a empresa deles.

Depois de assinado o contrato, vem a dor de cabeça para desfazer o mal entendido.

Este golpe é tão comum que o governo de Ontario tem até um alerta no site da província falando sobre o assunto. Teoricamente as pessoas assinam o contrato porque acham que a nova empresa tem mais vantagens que a antiga, mas no fundo, muita gente assina sem nem imaginar que está trocando de empresa.

Gente pedindo dinheiro também é muito comum: desde que o religiosos vendendo revista, até estudantes arrecadando dinheiro para gincanas da escola, tem de tudo um pouco. Até já tentaram me vender livros educativos e foi dificil convencer o rapazinho que eu não estava interessada.

O telefone também não pára de tocar por aqui e por isso eu aconselho um identificados de chamadas. Normalmente eu não atendo telefonemas que venham como "Private". Só quando estou esperando alguem ligar mesmo ou se estou de bom humor, rs. Ligações de longa distância sem o nome da pessoa tb não costumo atender e quando atendo o telefone e o cara pergunta se sou a Mrs. Barbosa eu já vou logo perguntando se ele está me oferecendo alguma coisa, rs...

Com exceção da escola das crianças, em nenhum outro lugar as pessoas me chamam de Mrs. Barbosa. Quando estou bem humorada eu pergunto o primeiro nome do meu marido: normalmente eles pegam o nome na lista e aqui só aparece a inicial do primeiro nome e o sobrenome. Como eles não sabem se é mulher ou homem, eles chutam, dependendo da voz que atende.

Para tentar diminuir estas ligações exite o National Do Not Call List (DNCL) onde vc cadastra o seu número de telefone fixo ou celular e teoricamente o pessoal do telemarketing não vai te ligar.

Muita gente por aqui sequer abre a porta quando a campainha toca. Também é um bom jeito de se proteger destes "ataques". Eu sempre abro a porta pra todo mundo e tenho uma certa dificuldade de mandar a pessoa embora, mas tenho por principio não comprar nada que venha até mim sem eu pedir e tb não deixo ninguem entrar.

Esta semana a campainha tocou e quando abri a porta tinha uma mocinha sorridente: ela estava passando e viu que a porta do meu carro estava aberta e estava nevando!!! Já pensou se eu tivesse decidido não abrir a porta para estranhos???