Skip to main content

Halifax

Estamos em Halifax há três dias aproveitando o march break. O Sergio conseguiu dois dias off no trabalho e então estamos podendo aproveitar bem o tempo juntos e matar as saudades. Eu imagino que ele nem vá sentir tanta falta quando formos embora visto a bagunça que fizermos no apartamento super organizado dele, rs. O apê é minúsculo e com três crianças trancadas aqui já da pra imaginar a bagunça.

Temos saído bastante, visitado todos os pontos turísticos e também alguns bairros residenciais para conhecer. Essa é uma mania que nós sempre tivemos desde que morávamos no Brasil: sair de carro meio sem rumo olhando os bairros, as casas, vendo as coisas que nos agradam e aquelas que não gostamos.

Tenho que dizer que minha primeira impressão da cidade não foi das melhores. Eu achei tudo muito antigo, diferente, mal cuidado. Acho que me influenciei um pouco pelos comentários que o Sergio fez da cidade e tambem por causa do dia horroroso. Estava um dia nublado, com céu carregado e aquela garoinha paulistana que eu sempre odiei. Sem contar que deixamos Toronto com 16 graus para aterrizar em Halifax com 4. O voo atrasou quase uma hora e já estávamos exaustos e famintos quando chegamos.

Aos poucos, porem, a cidade foi me cativando por coisas que os olhos não vêm mas que são faceis de perceber. SIM, as pessoas são muito mais amigáveis por aqui. Não houve um só lugar onde não fôssemos bem tratados, onde não estivesse todo mundo sorrindo. Ninguem buzina no trânsito, mesmo quando vc está perdido e não sai assim que o farol abre. Ninguem pula na sua frente para furar fila. Nenhum atendente te atende de mau humor ou chama o próximo enquanto vc nem pegou o seu troco.

Até para dar bronca as pessoas são gentis e educadas. A Luisa derrubou uma bandeira da Nova Scotia que estava na entrada do Museu Maritmo da cidade e o segurança alem de ter sido SUUUUUUPER gentil ao dizer que não podia mexer na bandeira, ainda agradeceu todo sorridente quando o Sergio colocou a bandeira no lugar.

Em um dos principais pontos turísticos também fomos surpreendidos com a simpatia deste povo. Chegamos quando o local já tinha fechado e o Sergio foi confirmar com o segurança se estava fechado mesmo. O segurança na maior educação explicou que havia fechado as 5 mas que amanha abriria novamente as 9 da manha. Então o Sergio agradeceu e explicou que amanha estou embarcando para Toronto logo cedo e... o rapaz abriu a porta para nós e disse: "vou do outro lado fechar o estacionamento e vcs podem entrar, quando sairem por favor fechem a porta que eu volto mais tarde para tranca-la."

Nestes poucos dias o que eu senti aqui foi que o ritmo da cidade é mais lento, mais tranquilo e as pessoas muito menos estressadas. As coisas funcionam como cidadezinha do interior.

E a presença do mar... bem o mar é fascinante... eu sou apaixonada pelo oceano e não tem como uma cidade a beira-mar ser feia. Sem contar os inumeros lagos que também cortam a cidade. Em todo lugar sempre tem um pouco de água refletindo as luzes da cidade: é lindo!!!

Hoje estamos completando o nosso tempo para nos tornarmos cidadãos canadenses. Foram três anos morando neste país, se adaptando, aprendendo e se apaixonando por esta nova vida que temos aqui. Mas hoje, eu acho que também reencontrei aquela imagem que eu tinha criado do Canadá, lá atrás, antes de ter chegado aqui: a imagem de canadenses super educados, simpáticos, prestativos, que nos recebem de braços abertos.

Há exatos três anos eu embarcava no sonho de morar no Canadá, deixando pra trás minha zona de conforto e encarando o desafio da imigração, indo realizar meu grande sonho. E hoje, me encontro aqui, em Halifax, dividida entre minha nova zona de conforto e a possibilidade de recomeçar num lugar genuinamente canadense.

Dificil decidir entre duas coisas que parecem tão boas!!! Ah se eu tivesse uma bola de cristal!!!