Skip to main content

Não se pode punir a verdade

Conforme as crianças vão crescendo, elas vão aprendendo que muitas vezes uma mentirinha inocente pode salva-las de problemas. Então, quando a mãe pergunta:

- Quem fez está bagunça na sala?

A resposta mais facil é:

- Não fui eu!

E assim, nunca foi ninguem. Assim como as brigas sempre começaram pelo outro, quem mexeu nas minhas coisas foi o outro e por aí vai... Além disso, como sempre tem crianças visitando a nossa casa, é super fácil colocar a culpa de tudo nas costas do amiguinho que já foi embora.

É um exercício de paciência e muito diálogo para faze-los entender que a mentira tem perna curta e que quando os pais querem sempre conseguem descobrir a verdade. Eu repito sempre que o tempo que vamos perder tentando encontrar a verdade é o tempo em que eles poderiam estar brincando.

Então hoje, fui dar boa noite para a Helena e achei o contorno dos olhos dela super avermelhados. Fiquei super preocupada olhando e quando perguntei se ela tinha passado alguma maquiagem, ela foi enfática em dizer que não.

Como uma amiguinha veio dormir aqui ontem, e elas foram dormir tarde eu comecei explicar a ela que ela estava com olheiras, que precisava descansar, e então ela vira e fala:

- Mamãe, desculpa mas eu menti. Eu subi no armário e passei a sua sombra.

É claro que eu fiquei brava porque eu tinha dito pra não mexer ali, alem de que é super perigoso subir no armário, mas não briguei com ela pela sinceridade. Só expliquei porque ela nao deveria ter feito isso e a parabenizei por ter contado a verdade.

Agora se a moda pega, vou ficar em maus lençois com a criançada fazendo coisas erradas e depois vindo me contar a verdade para eu não ficar brava, rs...