Skip to main content

No mundo das mães, pais não entram

Nas rodinhas em frente às escolas a presença feminina é muito superior à masculina. Muitos pais vão buscar os filhos na escola, mas geralmente conversam um pouquinho antes do sinal e assim que os filhos aparecem, eles somem junto com a criança.

Apesar de trocar duas ou três palavras com estes pais, as pessoas que realmente conheço na escola das crianças são as mães.

Vcs devem se lembrar do post sobre a mãe polonesa que "ia ver se a filha estava interessada em brincar com as meninas". A menina está interessada e esta semana o pai da menina veio conversar comigo e convidou a Luisa pra ir na casa deles. E durante nossa troca de palavras eu descobri que ele não está trabalhando no momento e fica cuidando da menina enquanto a esposa trabalha.

Eu, que sou uma mulher moderna, liberal e que acha que o homem deve ter os mesmos direitos e deveres que sua esposa... bem, eu fiquei assustadíssima, mas não consegui recusar!!!

O dia do convite foi um dia super confuso aqui em casa com voluntariado surpresa na escola de manhã, carro sem bateria em frente a escola na hora do almoço (o Edu almoça em casa!!!) e o pai de uma amiguinha ligando para saber porque a Luisa estava atrasada. E eu apavorada sem saber o que fazer!!!

Acabei levando a Luisa e empurrando a Helena junto e antes de sair de casa falei um monte de coisas pra elas (nenhum adulto pode passar a mão em vc, não sente no colo de nenhum adulto, não passe a mão em nenhum adulto, não tire a roupa na casa dos outros e se vc sentir medo por algum motivo saia correndo, grite por socorro e vá para a casa de algum vizinho).

Tá, acho até que eu exagerei, mas fiquei sem saber o que fazer, mesmo achando que o rapaz não faria nada de errado com elas.

Quando chegamos na casa dele, ele me convidou pra entrar, disse que eu poderia ficar e insistiu mesmo que eu ficasse. Mas eu resolvi não ficar. Deixei as meninas e voltei pra casa chorando (devo ser conhecida no bairro porque choro por qualquer coisa).

1 hora depois fui busca-las e ele insistiu que eu entrasse, conversamos um pouco e eu não vi nada de errado. Ele estava assistindo um jogo de futebol inglês e acho que nem estava prestando atenção nas meninas. Elas fizeram uma bagunça inacreditável na sala que estava arrumadinha quando chegaram: estavam andando de patinete, com vestidos de princesas, salto alto, comendo cookies pra todo lado... um caos.

Claro que fiz 500 perguntas para elas depois, mas tudo muito disfarsado para não assusta-las, rs.

Hoje ele as convidou para ir lá de novo, mas eu disse que agora é a menina que virá aqui em casa amanhã. Claro que vou convida-lo pra ficar (ai ai ai), mas acho que vai ser bem tranquilo.

Uma outra mãe, que mora a duas casas da dele, já me disse que não deixa a filha dela ir brincar lá quando ele está sozinho. Eu nem a condeno, porque é complicado mesmo: tudo pode acontecer quando vc está com uma criança e as vezes eu mesma fico constrangida quando alguma amiguinha vem aqui e nao sabe se limpar sozinha no banheiro ou como uma menina que já vai fazer 7 anos e não sabe nem tirar e por a calça sozinha!!! E eu fico imaginando o Sergio sozinho aqui com uma destas meninas.

Mas ao mesmo tempo, eu fico chateada porque nós mães acabamos condenando esta menina a ficar sozinha depois da escola porque as poucas mães que ele conhece não deixam as filhas irem na casa dele e ele não consegue entrar na rodinha feminina para que a filha seja convidada.

E se ele não tivesse esposa? E se um dia eu morrer? Poxa, é muito injusto!! Mas ao mesmo tempo, dá um medo absurdo de correr o risco.