Apr 28, 2013

Quase cidadãos

A semana passada nós fizemos o teste para a cidadania canadense: talvez o último passo neste longo caminho da imigração. Nós entramos com o processo em junho de 2012 e o prazo que nos deram foi de início de 2014, mas como não poderia deixar de ser, fomos surpreendidos com um adiantamento dos prazos.

A surpresa foi bem grande porque tivemos apenas 4 dias para estudar para a prova: bem, quer dizer, assim que o processo foi aceito nós já recebemos o livrinho para estudar, mas como todo bom procrastinador, eu fui deixando para depois (e o Sergio também).

Na verdade nós ficamos bem tranquilos porque geralmente as pessoas recebem a cartinha de convocação para o teste, umas duas semanas antes da prova. Quando eu abri a cartinha e vi que a prova seria em 4 dias, eu fiquei bem nervosa. Sem contar que eu já tinha agendado a castração do Blue para este dia (19 de abril) e o Sergio tinha a última prova do seu curso na Western University. Foi um desespero.

Depois de dar uma lida no livrinho e conseguir desmarcar a operação do Blue, eu fiquei bem mais tranquila e percebi que não seria assim tão difícil. Mas o Sergio teve que fazer os dois testes: terminou a prova da cidadania aqui e já foi direto para London fazer a prova dele que começava as 7 da noite. Depois da prova, ainda teve mais 1 hora e meia de estrada para chegar em Toronto novamente.

A prova é bem simples: 20 questões de multipla escolha e todas as respostas podem ser encontradas no livrinho. O que é meio "sacanagem" é que o livrinho tem varias "otinhas de rodapé", detalhes escritos em letras minúsculas nas laterais e algumas questões são exatamente sobre estas notinhas escondidas. Então é importante ler cada cantinho do livro.

Outra coisa que eu não sabia, é que são várias provas diferentes (completamente diferentes). O meu teste e o do Sergio não tinham nenhuma questão igual, então não tem a menor possibilidade de dar uma olhadinha nas respostas do vizinho ao lado. Além disso, eles separam os familiares durante a prova.

Assim que a prova começou, eu percebi uma música tipo dance music. A principio eu achei que fosse algum desses tontos que colocam o radio do carro no último volume para chamar atenção, mas depois eu percebi que a música estava dentro da sala e que todo mundo estava ficando inquieto. pois vcs acreditam que o celular de um fulano começou tocar a música e ele não percebeu??? E quando finalmente foi solicitado que ele desligasse o celular, ele ainda ficou um tempão tentando descobrir como faze-lo.

Uma coisa super boa que teve neste teste foi a resposta no mesmo dia. Quem ia terminando a prova, esperava lá fora até todo mundo terminar. Em seguida, eles conferiram as folhas de respostas (eletronico) e começaram chamar as pessoas. Pelo que nós percebemos, primeiro eles chamaram quem não passou, porque o pessoal saia da sala num desânimo tão grande, que dava pena. Foram uns 10 reprovados ou mais. Depois eles chamaram todos os outros juntos e nos explicaram como vai ser a cerimônia com o juiz.

Como fizemos a prova em Mississauga, nós poderíamos participar da cerimônia, lá mesmo no dia 3 de maio. Apesar do lucal ser super conveniente para nós, dia 3 é uma quarta-feira e ficaria super complicado para o Sergio vir e ter que voltar para Sarnia.

A outra opção é dia 10 de maio (sexta-feira) em Toronto. O local é terrível para nós, mas o dia vai ser bem mais conveniente. Então: faremos o nosso Oath of Citizenship no dia 10 de maio de 2013. Tenho que dizer que estou muito emocionada e feliz. Quando pensei em vir para o Canadá pela primeira vez, pensar em cidadania canadense era pensar em um futuro distante e de repente o tempo passou e já chegamos a este futuro.

Para mim, é uma sensação muito boa ser cidadã do país que eu escolhi, que eu adotei para ser a minha casa!

Cadê o verde?

Se há uma coisa que eu estranho quando vejo fotos do Brasil são as casas sem área verde! Hoje eu vi a foto da casa de uma amiga e achei super estranho so filhos dela brincando no quintal de piso frio.

Fiquei me lembrando da minha casa em São Paulo. Eu consegui, depois de brigar muito com o pedreiro, abrir um quadrado e mais ou menos 1m X 1m para poder plantar alguma coisa. E foi difícil convencer as outras pessoas de que fazia algum sentido em ter um pedacinho de terra no quintal.

E eu fiquei me lembrando da casa da minha mãe. Quando eu era criança nós tinhamos uma calçadinha de cimento e um jardim enorme que pegava todo o comprimento do terreno. Minha mãe tinha varias roseiras lindas lá na frente, tinhamos uma seringueira e um abacateiro enorme do fundo do quintal.

Com o tempo e varias "necessidades" as áreas de terra foram dando lugar a contruções e cimentados e hoje minha mae consegue a muito custo manter uma pedacinho de terra na frente do quintal.

As vezes, quando minha grama insiste em não crescer ou o mato insiste em crescer no meu gramado, eu brinco que vou cimentar tudo. Mas nem consigo imaginar o que aconteceria se um dia meu quintal amanhecesse cimentado, rs. Acho que meus vizinhos fariam passeata na frente da minha porta, isso se a prefeitura não tomasse alguma providência porque acho bem possivel que não seja permitido.

Apr 26, 2013

O homem da placa de stop

Aqui no Canadá existe uma preocupação muito grande com as crianças nas escolas. Nas ruas que têm escola a velocidade máxima é de 40 km/h e existe uma boa fiscalização.

O ônibus escola parou? Pare também porque ele vai abrir uma plaquinha lateral escrito STOP e se passar por ele, poderá ser multado, mesmo que vc esteja no sentido contrário.

E em frente as escolas sempre tem um farol de pedestre: a criança aperta o botão e as luzes amarelas começam piscar. Mas não é só isso: nos horários de entrada e saída da escola, fica uma pessoa com uma plaquinha escrita STOP perto da faixa de pedestre em frente à escola. Sempre que a parece um pedestre, essa pessoa aperta o botão e acompanha o pedestre até o meio da rua. Quando a criança chega ao outro lado, o moço (a) da plaquinha (school crossing guard) volta para a calçada e os carros podem finalmente passar.

Carteiro

Meu carteiro (é uma moça) anda com biscoitinho de cachorro no bolso da calça!!! Uma fofa!!! Faz a maior festa com o Blue. Hoje eu estava no jardim da frente com o Blue e o carro do correio chegou. Ele sempre estaciona bem em frente de casa porque eu moro no começo da rua. Só que eu que era um homem, então coloquei o Blue pra dentro e fechei a porta de vidro. O carteiro me entregou as cartas e perguntou se ele poderia abrir a porta para brincar com o Blue. Depois eles foram juntos entregar as cartas da minha vizinha!

Vejam se eu posso com isso!


Uma amiga estava me contando que o rapaz que ajuda as crianças atravessarem a rua da escola também anda com biscoitinhos para os cachorros. Deve ser por isso que é tão normal os cachorros serem acima do peso: vc leva o cachorro para passear e ele volta para casa de barriga cheia.

Apr 17, 2013

E o Blue foi castrado

Depois de muitas discussão, argumentos, consultas aos amigos, histórias diversas, o Sergio aceitou a idéia de castrar o Blue. Parece que os homens ficam meio incomodados com esta historias de castração e todos são meio contra. Já a mulherada acha que tem que cortar tudo fora o mais rápido possivel, rs.

Esta semana eu fui ao veterinário com ele e ontem, dia 16 de abril ele foi castrado.

Foi tudo bem na cirurgia, ele já está bem, está até querendo sair na rua, mas como um bom menino... fez a maior manha desde que chegou do consultório. Ele quer que eu fique fazendo carinho atrás da orelha dele. Um charme.

O problema é que este charme começou as 6 horas da manhã de hoje, então já dá pra imaginar meu cansaço!!!

Quando estava saindo do consultorio ontem com ele, o veterinário me perguntou se eu queria trazer as "bolinhas" dele pra casa. Achei muito engraçada esta história. Eu até quis dar uma olhada para ver como é, mas trazer para casa eu acho um pouco demais, não? Será que alguém leva pra casa?

Eu sei que eu adoro guardar coisas e já tenho um saquinho com os dentinhos dele que consegui encontrar antes dele engolir, mas acho que as lembranças físicas do Blue vão ficar por aí mesmo.

Agora estou aqui, sentada do lado dele fazendo carinho atras da orelha. Quando eu paro, ele bate em mim com o cone que está no pescoço para chamar a minha atenção: uma figura!!!

PS: encontrei este veterinário pela internet, em um site de reviews e eu simplesmente adorei! O veterinário é um egípcio super atencioso e gentil com os cachorros. Ele fez varias considerações interessantes sobre a saúde do Blue e foi muito melhor do que a outra veterinária onde eu ia.

Apr 14, 2013

Marmita

Os canadenses não costumam almoçar como a gente! Normalmente o povo come um sanduba na hora do almoço e muita gente sequer sai da mesa de trabalho para comer.

O Sergio costuma levar um sanduba de pão com queijo e uma fruta. Ele não gosta de levar comida porque o pessoal não gosta muito que deixe cheiro no microondas! E como ele já escova os dentes todo dia após o almoço (coisa que os canadenses acham estranhíssimos), ele tem tentado parecer mais normal com o seu lanchinho comido na mesa de trabalho.

Mas no jantar é diferente e ele gosta de comer comida de verdade. O triste é que cozinhar demanda tempo e muitas vezes ele chega em casa cansado e morrendo de fome: prato cheio para um fast food (em restaurante ou congelado). Logo que foi morar longe de casa, ele se animou com os congelados da chamada Hungry man (homen faminto), mas como tudo o que se repete o tempo todo, ele já enjoou destas comidas.

No final do ano passado, ele ganhou uma maquina de fazer arroz: é super pratica e vc não corre o risco de ter o arroz queimado. Coloca os ingredientes, liga na tomada e vai fazer outras coisas enquanto o seu arroz fica pronto. A maquina dele é bem pequena, mas tem o tamanho exato para quem mora sozinho.

Com o tempo ele está melhorando os skills e está aprendendo a preparar outras coisas, mas infelizmente não dá ainda para ficar cozinhando e inventando moda, então eu estou cozinhando para ele. Na verdade, eu só estou aproveitando aquela comida que antes acabava indo para o lixo.

Eu preparo a comida normal aqui de casa (coloco um pouquinho a mais para garantir que sobre) e depois congelo o que sobrou para ele. Falando assim parece que ele está comendo o restolho, mas na verdade eu diria que ele só está comendo fora do horário.

Nos dias em que cozinho feijão, eu já congelo alguns potinhos para ele. E nossa mistura sempre é congelada também. Hoje ele levou um arroz temperado com molho de camarão que ficou uma delícia e isso com certeza salvou o jantar de domingo dele, porque depois de 2, 5 horas de estrada, ele ia acabar comendo em um mc donalds da vida.

Para algum dia da semana, ele tem carne de porco assada que também estava congelada aqui. Aos poucos estou me organizando para ele levar o máximo possivel de comida já pronta e melhorar as refeições dele em Sarnia. Ao mesmo tempo, eu evito de jogar comida fora!

Apr 7, 2013

Cachorro sem coleira

Aqui no Canadá é muito comum os parques terem as chamadas off leash areas (áreas sem coleira). São pequenas áreas cercadas, onde seu cachorro pode ficar brincando sem coleira. É uma excelente maneira de socializar o seu cachorro com outros cachorros e ajuda-los a gastar um pouco de energia.

Em grande parte dos parques aqui tem estas áreas. Hoje nós fomos até o High Park, é um dos meus parques favoritos em Toronto, mas um pouco longe da minha casa e pela primeira vez fomos visitar a área off leash que tem lá. A área é enorme e ainda tem algumas trilhas para andar com o cachorro sem coleira.

O engraçado nestes passeios com o Blue é que ao invés de brincar com os outros cachorros, ele fica interessado mesmo é nos donos. Os cachorros até vêm chama-lo para brincar, ele dá umas corridinhas para ser educado, mas na primeira oportunidade, sai fora e vai fazer um social com algum ser humano. Hoje ele grudou em uma moça, que já estava parecendo que ela era a dona dele, rs. Sorte que eu não tenho ciúmes.

Como não temos nenhuma dessas áreas a uma distância curta o suficiente para irmos a pé, eu criei a nossa propria área off-leash. Tem uma quadra de tenis aqui pertinho de casa que fica vazia no inverno. Quase todo dia eu tenho levado o Blue até lá para correr um pouco. Eu fico na saída cuidando para ele não fugir e ele fica correndo atrás dos brinquedos que eu jogo para ele ir buscar. Quando ele se cansa, a gente faz algumas caminhadas  pelo bairro.

Estou treinando meu cachorro sozinha... e se der certo, vou contar todos os segredos aqui, tá? Se der errado, bem, aí eu posso indicar o treinador que eu contratei em Toronto para resolver meu problema. Vocês não imaginam o tamanho deles: do Blue e do problema.

Apr 5, 2013

O melhor amigo do homem é o sapo.

Eu tenho recebido uma enxurrada de posts no FB sobre os missionários brasileiros presos no Senegal. Até agora eu não tinha me inteirado da histórias e hoje fiquei sabendo que eles foram libertados. Eu teria passado batido se não tivesse lido um comentário falando da "santidade" desses missionários que estavam "levando a palavra de deus ao mundo?".

Lendo as notícia e várias outras notícias a respeito eu acabei ficando contra os missionários e achando que de certa forma o governo no Senegal estava certo em prendê-los.

Eu escrevi um post sobre os trabalhos voluntários no Canadá. E acho que de certa forma este trabalho missionário caminha na mesma direção. Eu não tenho nada contra evangelização: dou o maior apoio para quem queira levar "a palavra de deus por aí". Ainda que ache uma agressão a pessoa vir tentar me evangelizar na porta da minha casa, eu costumo tratar esse pessoal super bem e só desço do salto se a pessoa for muito inconveniente.

Agora, se eu ficar sabendo que tem um fulano qualquer tentando evangelizar meus filhos menores de idade, sem o meu consentimento, eu não só vou descer do salto, como o salto vai voar longe.

Esses missionários poderiam ter feito um trabalho maravilhoso com essas crianças, tirando-as das ruas, dando casa, comida, educação e uma chance de mudar a vida dessas crianças. Com educação, essas crianças, quando adultas teriam condições de escolher sozinhas um caminho a seguir.

Pegar uma criança pobre, dar um prato de comida e tentar converte-la a outra religião, pra mim, é corrupção de menores.


Ajudar alguem esperando algo em troca, não é ajuda: é comércio!

Mantendo o Português das crianças

- Mama, eu posso comer as sereias? - Acho melhor voce comer as cerejas!