Skip to main content

Posts

Showing posts from August, 2013

Jeitinho brasileiro

Como somos imigrantes brasileiros aqui no Canadá, vira e mexe temos que traduzir alguns documentos. Existem varios tipos de traduções diferentes.

Um exemplo, foi a tradução do comprovante de batismo dos meus filhos para matricula-los na escola católica. Eu mesma traduzi tudo e anexei uma copia da certidão original.

Para ser Professional Engineer aqui em Ontario, o Sergio pode pedir que um outro Professional Engineer assine as traduções dos historicos e diplomas dele.

Mas algumas vezes a tradução tem que ser juramentada e não pode ser feita por qualquer pessoa. Para isso existem alguns órgãos aceitos na Provincia para certificar que aquela tradução é fiel ao documento em outra lingua.

Um desses orgãos que é aceito amplamente por aqui é a ATIO (Association of Translation and Interpreters of Ontario).

Na minha procura por um tradutor certificado, eu acabei descobrindo que existe uma certa "picaretagem" neste mundo das traduções. Eu pedi a indicação de um tradutor em uma comunidade d…

Mamãe, como se escolhe o sexo do bebê?

Quando vc pensa que todas as perguntas já foram respondidas por um tempo, aparece a treinadora de futebol das meninas com uma barrigona recheada com um bebê.

Depois das perguntas de anatomia para saber como aquela coisa "enorme" vai passar pelo terceiro buraquinho que as mulheres têm perto dos buracos do xixi e do cocô, começam as perguntas de genética.

- Mamãe, como que se escolhe o sexo do bebê?

Então começa toda aquela explicação de cromossomos sexuais, X e Y, espermatozóides e óvulos, abortos e esse assunto cresceu vertiginosamente no caminho do jogo de futebol para casa. Foram tantas perguntas, tanta curiosidade, tantas questões interessantíssimas que passaram pela cabecinha dos meus filhos que eu resolvi procurar literatura sobre o assunto e fazer um pequeno cursinho com eles.

Talvez seja cedo para a Luisa, talvez seja informação demais para a Helena, mas o fato é que o assunto da vez aqui em casa é esse processo mágico e misterioso do aparecimento de um bebê dentro da bar…

O valor do dinheiro

E como ensinar para as crianças o valor do dinheiro? Como mostrar para eles que as coisas que jogamos fora, que desperdiçamos, que estragamos por descuido, na verdade é dinheiro rasgado indo pro lixo?

No final de semana recebemos uns amigos aqui em casa e as meninas (minhas e a dos amigos) brincaram no basement. No domingo, eu encontrei as bonecas da Disney (Bela, Rapunzel and Ariel) rabiscadas com canetinha. Tudo bem que a canetinha que eu compro é daquelas laváveis, mas e se não fosse? Teria estragado as bonecas e elas não são super baratas!

Eu fiquei furiosa nem tanto pelos rabiscos nas bonecas, mas pela falta de amor ao que eles têm. Quantas e quantas vezes eles esqueceram os controles do video game jogados no chão da sala? Quantas vezes eu encontrei giz perdido no quintal depois da chuva? Ou brinquedos espalhados no chão? Frutas com uma mordidinha jogada no lixo?

Comecei falar com eles, mostrar que tudo o que temos em casa teve um preço, custou alguma coisa e o dinheiro para pagar t…

O ateu sofre mais

O filho de um amigo meu faleceu há alguns anos atrás. Na época, eu pensei que meu amigo morreria junto, mas não. Eu tenho certeza de que meu amigo sofreu horrores e ainda sofre. A saudade deve ser gigante e eu acredito que de vez em quando ele até se revolte um pouco pela perda. Mas tão grande quanto a saudade e o sofrimento, é a fé que meu amigo tem.

Meu amigo tem certeza absoluta de que em 40-50 anos (quando ele mesmo morrer), ele vai reencontrar-se com o filho em um lugar muito melhor e os dois vão poder desfrutar a companhia um do outro pela eternidade.

Agora digamos que os ateus tenham razão e que não exista nada após a morte. Meu amigo vai morrer e nunca vai ficar sabendo que não se encontraria com seu filho novamente. Mas e daí???? Ele viveu uma vida feliz esperando o momento do reencontro e nunca vai sofrer a decepcão de ter se enganado.

namorando de novo

Eu não gosto de dizer que a qualidade do meu relacionamento com o Sergio tenha piorado com o nascimento dos nossos filhos: eu prefiro dizer que tudo mudou. Depois que as crianças nasceram, andar de mãos dadas se tornou raridade! Acho que só conseguíamos fazer isso quando deixávamos as crianças na casa da minha mãe para as consultas pré natais das meninas, rs.

Sentar lado a lado nos restaurantes se tornou missão impossível! Com três crianças pequenas, sempre tivemos que nos dividir entre eles e, mesmo as conversas nos restaurantes sempre giravam em torno deles.

Com a nossa vinda para o Canadá, os passeio a dois se tornaram raridade. Em 4 anos e meio nós fomos em 3 shows (Peal Jam, Roberto Carlos e Paul Mccartney) e ... é isso! Foram apenas 3 shows sem as crianças.

Muito de vez em quando eles fazem um playdate na casa de um amiguinho e temos algumas horinhas livres para falar de amor resolver coisas relacionadas às crianças. A grande verdade é que a nossa vida acabou girando muito em funç…

matemática do amor 2

Briguei com as crianças porque eles molharam todo o chão do banheiro e encheram a entrada do aquecimento de água. Quando todo mundo se acalmou a Luísa perguntou:

- Mamãe, quanto que você gosta da gente?
- Eu gosto do tamanho do infinito.
Ela fez o símbolo do infinito com as mãos e depois fez um zero com o indicador e o polegar:

- Isso é um zero!
- Mas pode ser infinito também porque ele não acaba nunca!
Dá pra contestar? E ficar brava?

beijo gay

Hj a Luisa está inspirada: ela veio no meu colo e ficou me beijando, beijando, até que ela beijou os meus lábios.

- Sabe mamãe, eu não gosto muito de menina beijando os labios de outra menina. Eu acho um pouco nojento. E menino beijando menino eu tb acho que é um pouco nojento. E depois, as meninas vão brigar para ver quem vai ter o nenê.

- E menino beijando menina, não é nojento?

- É um pouco, mas eu sei que aconteceu com vc, vai acontecer comigo, então não é muito nojento!

Aquela que nunca viu nada

Uma amiga mexicana me pediu para avisa-la quando eu for em algum lugar fechado como cinema, museu ou coisa parecida. Por uma obra do acaso ou do destino, eu sempre estou nestes lugares quando o clima traz alguma surpresa para Toronto. Em 2009, pouco depois de termos chegado por aqui, tivemos um furacão na cidade. Ele passou bem na região próxima ao bairro onde nós morávamos, mas eu não vi nada!!!

Justamente naquele dia, nós resolvemos ir visitar o Science Centre e só quando chegamos no estacionamento foi que percebemos que havia chovido. Só fomos nos dar conta de que se tratava de um furacão, em casa. É bem verdade que as ruas estavam cheias de folhas e muitas cirenes da polícia, bombeiros e paramédicos tocando, mas um furacão não passou pela nossa cabeça.

Chegamos em casa tranquilo e vimos várias mensagens de amigos na secretária eletrônica e então fomos ver na internet o que tinha acontecido, rs.

Na última grande enchente que tivemos na cidade, tb não vi nada porque estava no cinema! A…

Matemática do amor

Como as crianças têm uma certa dificuldade de entender o que é abstrato, as vezes fica difícil mensurar, para elas, o tamanho do meu amor! E mesmo elas têm dificuldade em me dizer o quanto elas me amam!

Fica aquela conversa megalomaníaca de "meu amor é maior que um prédio", "meu amor é maior que o planeta terra", "meu amor é maior que o céu".

Um dia, eu mensurei meu amor como não tendo fim: ele é maior do que tudo o que existe e não termina nunca. Foi difícil para eles imaginarem uma coisa assim. Então eu expliquei que os números são como o meu amor: nunca terminam. Não existe o último número e sempre vai aumentando aumentando aumentando...

Mostrei para eles o símbolo do infinito (este da foto) e disse que meu amor é infinito como este símbolo: não tem fim. Não sei se eles conseguiram entender exatamente o que eu estava falando, mas guardaram o símbolo!

Agora, aqui no Vale das Pedrinhas, a maior declaração de amor é o símbolo do infinito feito com as mãos!  …

6 anos

Pois é, meu bebezinho está completando 6 aninhos hoje! Ela já não aguentava mais de tanta ansiedade!

Esses seis anos foram incrivelmente especiais na minha vida com essa menininha meiga, doce e super bem humorada. A Luísa acorda de manhã com um sorriso no rosto todos os dias! Abre o olhão e sorri! E contagia todo mundo com sua animação, alegria, gargalhadas espontâneas, jeito moleca de ser.

E atrás daquela molequinha que adora subir em tudo, correr o tempo todo e fazer milhares de travessuras diárias, existe uma menininha romântica, que já sonha em crescer e ter muiiiiiiiitos filhos. Ela adora falar de bebês, gestações, partos, amamentação. Vira e mexe eu me pego conversando com ela sobre as consultas com o obstetra e os partos dela e dos irmãos.

Minha princesinha também adora assistir filmes de princesas, de amor, romance, casais apaixonados "kissing their lips" (beijando na boca). Mas também se encanta com um Harry Potter, um Homem Aranha ou um outro filme de aventura fantást…

O mentiroso nunca fica tranquilo

As crianças foram com o Sergio jogar futebol no campinho de uma escola aqui da vizinhança. Em menos de 10 minutos eu vejo a porta se abrindo e a Helena entrando com cara de coitada. Logo atrás vinha a Luisa e um amiguinho deles com cara de decepção e finalmente vinham Sergio ajudando o Eduardo "contundido"!

Assim que entrou em casa chorando, o Eduardo veio me contar que e Helena tinha chutado o joelho dele! A Helena desmentiu na hora, ele contestou, ela retrucou e estava formada a confusão.

As testemunhas oculares estavam distraídas: a Luísa estava no parque, o amiguinho buscando a bola e o Sergio de costas para os dois esperando pela bola.

A juiza, no caso eu, tentando tirar a verdade de um dos dois.

"Na verdade essa história está virando um problema aqui em casa. Eduardo e Helena bricam o tempo todo e ficam se acusando mutuamente o dia inteiro. Na maioria das vezes é fácil perceber que os dois têm culpa no cartório e ambos acabam recebendo um castigo ou um sermão. Mas d…

Entrevistando o padre

Eu sempre frequentei a igreja católica do bairro onde morava: não só ia à missa, mas tb fazia as leituras e muitas vezes fiz o comentário da missa, tomei muito vinho junto com o padre (na celebração), enfim, tenho dezenas de histórias engraçadas que só poderiam acontecer comigo em uma igreja.

No colegial, eu sai de uma escola estadual e fui para uma escola católica. Certa vez, tive que fazer um trabalho de religião para a escola  e fui entrevistar o padre da minha igreja. Ele era um padre polonês, de uns 45 anos na época, super grosso, mas eu gostava muito dele. Não consigo me lembrar qual era o assunto do trabalho, mas eu fiz uma pergunta para o padre e ele ficou furioso!!!

Ele dizia: " mas que escola católica é essa em que vc estuda, que te manda fazer uma pergunta como essas para o padre? Me dê o telefone da sua escola que eu quero conversar com o diretor!!!"

Eu lembro que fiquei apavorada (e eu era ainda mais tímida do que sou hj). Pedi mil desculpas e disse que eu tinha cr…

Brincos

Se há uma coisa que não é comum por aqui, é criança usando brinco. Normalmente os pais nao furam as orelhinhas das meninas quando estas são bebês. O que acontece é que as meninas chegam naquela idade da vaidade e começam ver suas amiguinhas brasileiras e latinas em geral, defilando lindos brinquinhos e ficam morrendo de vontade de ter um também. Mas como, se as suas orelhinhas não sao furadas?

Várias mães já vieram me perguntar onde eu furei a orelha das minhas meninas, se elas choraram, se deixaram furas as duas sem problemas...

O problema é que com criança maiorzinha tudo fica mais complicado e as mães desanimam um pouco quando eu conto que furei a orelha das meninas quando elas ainda tinham 4 meses. Claro que choraram, mas nem tinham consciência direito do que estava acontecendo e deixaram tranquilamente furar as duas orelhas (uma de cada vez, pecado!).

Hoje, quando alguma amiguinha fica olhando apaixonada para os brinquinhos delas, elas me olham com aquele olhar de cumplicidade-mãe-…