Nov 5, 2013

Folhas na rua

IMG_3504E estamos nós em mais um outono lindo: muitas folhas caindo das árvores, muitos dias ensolarados mas frios e muito trabalho para quem não tem quem recolha as folhas! Do fundo do meu coração, eu faço este trabalho com o maior prazer!!! Me divirto muito juntando e recolhendo as folhas ou, de vez em quando, juntando para as crianças pularem nas pilhas de folhas e espalharem tudo de novo!

Mas nem todos os vizinhos são assim tão entusiastas com a limpeza de seus jardins!!! Muitos simplesmente deixam as folhas no chão até que a última árvore perca sua última folha. O que acontece é que no país dos ventos fortes, todo mundo acaba compartilhando as folhinhas que estes vizinhos não recolhem.

Alguns, menos ocupados, sempre juntam todas as folhas que estão na frente das suas casas em uma grande pilha ms não recolhe! Se as folhas não forem espalhada por alguma criança (dele ou do vizinho), certamente vao ser pela ventania.

E tem os que eu chamo de canadenses da gema!!! Alguns canadenses que eu conheço acham as folhas a coisa mais natural do mundo e simplesmente empurram a folharada que esta na frente da casa deles para o meio da rua.

A rua fica linda cheia de folhas amarelas no chão e quando os carros passam, sobe aquela nuvem de folhas seguindo-os. É lindo de se ver! Aliás, o que não é lindo no outono, né? Mas quanto tempo vcs acham que elas levam para chegar na casa de todos os vizinhos? Pois é: canadense de verdade compartilha folhas com toda a vizinhança e sem o menor constrangimento!

Nov 3, 2013

Ginástica

As meninas estão fazendo ginástica ritmica há mais de um ano. Começaram com a ginástica artística, mas quando a Helena foi convidada para o competitivo, eu me assustei!!! Fui ver um treinamento e achei tudo muito pesado para uma menina de, então, 6 anos. Eram 2 horas e meia por dia, duas vezes por semana de musculação, rs.

Consegui convence-las a tentar a ginástica ritmica e elas amaram. Mas quando a Helena foi convidada para o competitivo, ela se assustou!!! Me disse que não queria porque as treinadoras do competitivo eram muito rudes, que faziam as meninas chorarem e gritavam muito. Como no Etobicoke Olimpium os pais não podem assistir as aulas, eu não tinha muita idéia do jeito como as treinadoras trabalhavam, mas pela "delicadeza" com que tratam os pais, eu pude imaginar como tratam as crianças.

Um dia, eu fiquei grudada na porta, prestando atenção a todos os movimentos dentro daquela sala. Mesmo com a porta fechada eu pude ouvir os gritos esgarniçados de uma delas e os gestos brutos corrigindo o exercício que uma das meninas do competitivo estava fazendo. Outro dia, eu vi uma menina sair aos prantos da sala e ficar um tempão soluçando no banheiro (confesso que a segui). Com o tempo eu fui constatando que o medo da Helena tinha fundamento e resolvi procurar outra escola para elas treinarem.

Bem, nesta história de procurar programas, escolas, cursos, etc, o Sergio é imbatível! Precisa de alguma dessas coisas: fale com ele que ele procura pra vc. Ele achou um programa super interessante de ginástica ritmica, que fica um pouco mais longe (15 min de casa, rs) mas é até um pouco mais barato e pareceu bem organizado.

Eu fiquei impressionadíssima com a primeira aula que as meninas tiveram: parecia que elas nunca tinham feito ginástica antes pelo tanto de coisas que aprenderam em 1 hora de aula. Fizemos a matrícula e eu expliquei com todas as letras qual o motivo que nos fizeram procurar uma outra escola.

Na terceira aula, a dona da escola veio conversar com a gente e de uma forma bastante inusitada. Saiu da sala, chegou atrás do Sergio e perguntou:

- Vc é o pai da Helena? Eu quero ela!

Ficamos meio atônitos, com vontade de rir, e então ela explicou que ficou muito impressionada com a Helena e que a queria para o programa semi-competitivo da escola. A Luisa continua no programa recreativo.

Por enquanto, sao duas horas por semana e estamos gostando bastante, tanto do desenvolvimento das meninas, como do tratamento que elas vêm recebendo de todas as treinadoras.

Eu não me incomodo que as pessoas sejam exigentes, sejam duras, sejam até perfeccionistas, mas grosseria e falta de educação, não dá pra tolerar.

Dias curtos

Quando se mora no Canádá, falar em dias curtos normalmente está relacionado à aproximação do inverno. Estamos no outono e os dias estão cada vez mais curtos. Mas ao mesmo tempo meus dias parecem ter cada vez menos horas, apesar do relógio despertar pontualmente as 7 da manhã e eu cair exausta na cama, invariavelmente depois da meia noite.

Como de costume, eu sempre tento fazer mais do que tenho condições de fazer sozinha e quando vejo, muitas coisas ficaram pelo caminho. O que eu deixo para fazer nos finais de semana simplesmente não são feitas porque com o Sergio em casa, todo mundo quer aproveitar os momentos-família.

E assim, as folhas se acumulam no jardim, as listas de tarefas se acumulam na bancada da cozinha e os posts para o blog se perdem na minha memória. Depois de muito tempo eu recebi uma cobrança e fiquei até chateada ao ver que meu ultimo post foi no dia 15 de setembro. De lá pra cá, tanta coisa aconteceu e eu não contei nada aqui.

Vou tentar escrever algumas coisas e dedicar alguns minutos do meus dia para o blog. Não prometo nada, mas vou tentar.

Mantendo o Português das crianças

- Mama, eu posso comer as sereias? - Acho melhor voce comer as cerejas!