Skip to main content

Das perdas e das distâncias

Amanhecemos com a noticia da morte de um amigo lá no Brasil!

Nestas horas, morar longe é terrível!!! Dá uma sensação de que não fizemos o suficiente, não abraçamos o suficiente, não telefonamos, não demos atenção e agora perdemos.

Eu particularmente tenho muita dificuldade em cultivar meus relacionamentos. Eu tenho muito medo de invadir a privacidade dos outros, de chegar na hora errada, de ser pegajosa ou intrometida e... acabo passando toda a responsabilidade para os meus amigos. Eles que ficam correndo atrás de mim.

As redes sociais são ótimas nisso porque estamos sempre acompanhando o dia a dia das pessoas e aquele Like ou um kkkkkkkk dão a sensação de proximidade, de que estamos presentes, mas no fundo, não é verdade!

Nosso amigo morreu de um câncer fulminante que não nos deu tempo de pensar em uma visita, em um telefonema, sequer um pensamento positivo. Agora fica esta sensação de termos feito tão pouco porque o amamos muito dentro de nós, mas não sei se ele chegou a saber disso.

Hoje eu queria abraçar todos os meus amigos e dizer a eles o quanto eu gosto deles e o quanto eles foram e são importantes para mim; o quanto eles alegraram a minha vida, o quanto eles abriram os meus olhos, o quanto cada crítica me fortaleceu e melhorou.

Se eu pudesse abraçar cada um deles hoje, eu diria apenas "Muito obrigada por tudo. Eu te amo!"

PS: Nosso amigo era espírita e acreditava piamente na reencarnação. Ele dizia que quando o Sergio morresse, ele (Sergio) teria uma surpresa com tudo o que existe do outro lado. E o Sergio, provocador, dizia que ele (amigo) teria uma surpresa porque não tem nada!

Hoje, meu amigo sabe a resposta!